[agosto] foi um mês quente
em agostoem agostoem agosto
em agostoem agostoem agosto
em agostoem agostoem agosto
em agostoem agostoem agosto
em agostoem agostoem agosto
em agostoem agostoem agosto
em agostoem agostoem agosto
em agostoem agostoem agosto
em agostoem agostoem agosto
em agostoem agostoem agosto
em agostoem agostoem agosto
torta de iogurte com pêssego
[e massa de pecans]

torta-pessego-pecan.jpg

Essa foi outra receita guardada que viu a luz do dia e acabou se revelando muito melhor do que eu esperava. Como tínhamos planos de sair de casa o dia todo no domingo, fiz essa torta para o sábado à noite, mas dividi a receita ao meio para não ter perigo de acabar com um monte de sobras. Fiquei com uma cara de nhoca quando dei a primeira mordida e percebi a delicia que tinha encontrado. Vou refazer e da próxima vez farei a torta inteira. Mudei apenas a fruta da receita original, pois pêssego era o que eu tinha em casa. E drenei o iogurte grego por dois dias na geladeira, mas sinceramente acho que não precisa. Decidi adoçar o iogurte, porque o iogurte grego drenado fica bem pungente. Acho que pra essa torta ele precisa ser adoçado, embora na receita original ele não seja. Eu usei um açúcar de lavanda que eu tinha, mas pode usar açúcar baunilhado ou mel. Fica a seu critério.

faz uma torta de 22 cm
1 e 1/2 xícara de pecans
2 colheres de sopa de mel
2 colheres de sopa de manteiga sem sal gelada, cortada em pedaços pequenos
1 xícara de iogurte grego
1/4 xícara de açúcar de lavanda [ou outro adoçante de sua preferência]
4 pêssegos descascados e cortados em fatias

Aqueça o forno a 400°F/ 205ºC. Coloque as pecans em um processador de alimentos e pulse até obter uma farofa grossa. Transfira para uma tigela e misture o mel e em seguida os pedaços de manteiga, misturando bem com os dedos. Pressione essa mistura em uma forma de torta redonda de uns 20 cm. Aperte bem no fundo e só um pouquinho dos lados. Coloque forma sobreuma assadeira e leve ao forno. Asse por cerca de 12 minutos, até a massa ficar dourada. Retire do forno e deixe esfriar completamente. Bata bem o iogurte com o açúcar de lavanda e espalhe com uma espátula sobre a massa. Coloque as fatias de pêssego por cima do iogurte e sirva imediatamente. Ou guarde a torta na geladeira coberta com um filme plástico até a hora de servir.

salada de macarrão
com abobrinha assada

salada-abobrinha-frita.jpg

Não tem sexta-feira em que você chega em casa e não quer mais sair? Principalmente sair pra comer, quando se vive numa cidade com poucas opções de restaurantes bons? Pior ser uma dessas sextas em que você quer, precisa e combinou de ver o último filme do Woody Allen no cinema. E seu marido está voltando de outra cidade e está travado no tráfego. Dai você calcula o tempo de tomar um banho rápido, dele chegar, vocês jantarem. E é claro que comer fora está fora de questão. Então essa é a oportunidade perfeita para se fazer uma receita como esta para o jantar. Ideia de gênio do Yotam Ottolenghi para o segundo livro dele, Plenty. Eu só dei uma simplificada na abobrinha, que na receita original é frita e eu fiz assada. E nesse dia nem precisei realmente assar nada, pois as fatias de abobrinha já tinham sido assadas no dia anterior. A minha mania de assar coisas e depois pensar no que fazer com elas às vezes ajuda muito. Se quiser fazer a abobrinha frita, fique à vontade. Deve ficar muito mais delicia. Mas garanto que fazendo com ela assada também não fica por menos.

3 abobrinhas médias cortadas em fatias grossas
2/3 xícara de óleo de girassol
Sal e pimenta do reino
1 e 1/2 colheres de sopa de vinagre de vinho tinto
3/4 xícara de edamame congelado
2 xícaras de folhas de manjericão grosseiramente picadas
1/3 xícara de azeite
250gr de strozzapreti ou penne
Casca ralada de 1 limão [*usei o verde, Tahiti]
1 e 1/2 colheres de sopa de alcaparras
200 gr de mussarela de búfala rasgada em pedaços.

Tempere as fatias de abobrinha com azeite, sal e pimenta, espalhe sobre uma assadeira forrada com papel vegetal ou alumínio e leve ao forno pré-aquecido em 400ºF/ 205ºC. Asse até elas ficarem bem douradas. Vire as fatias para ficarem crocantes dos dois lados. Remova do forno e deixe esfriar.

Coloque bastante água numa panela grande. Salgue bem a água e leve ao fogo para ferver. Quando a água começar a borbulhar jogue as edamames e cozinhe durante 3 minutos. Remova com uma escumadeira, coloque numa vasilha e reserve. Deixe a mesma água voltar a ferver e jogue o macarrão pra cozinhar.

Enquanto isso colocar a metade do manjericão e o azeite num processador de alimentos. Tempere com sal e pimenta e processe até ficar um molho homogêneo.

Ccozinhe o macarrão até ficar al dente; escorra e coloque numa travessa. Despeje fatias de abobrinha e seus sucos sobre a massa. Adicionar os edamames, o molho de manjericão, as raspas de limão, as alcaparras e a mussarela. Misture delicadamente e tempere com mais sal e pimenta. Antes de servir, misture o restante do manjericão.

tabule de repolho e tomate

tabuli-repolho.jpg

Quando chega repolho na cesta orgânica minha reação é sempre (( sad trombone )). Eu sei que tem muita coisa legal pra fazer com esse legume [oi, chucrute!] mas ele ainda não entrou pra minha lista de favoritos. O fato do repolho não ser V.I.P. não faz dele um marginalizado, porque estou sempre em busca de receitas criativas para usá-lo. Como a deste tabule, que fiz e ficou muito bom. Como teve muitas sobras, comemos no dia seguinte e ainda estava bem gostoso.

1 xícara de trigo bulgur [não use o de cozimento rápido]
1 repolho pequeno cortado em fatias finas [*usei o mandoline]
1 cebola pequena [tio Vidalia], finamente picada
4 xícaras de tomates pequenos sortidos, cortados em quatro
3 xícaras de folhas de hortelã fresco picadas grosseiramente
3/4 xícara de azeite
1/4 xícara de suco de limão fresco
1 colher de chá de pimenta Aleppo ou flocos de pimenta vermelha
Sal kosher

Coloque o trigo bulgur em uma tigela grande e adicione 1e 1/2 xícaras de água fervente. Deixe de molho até ficar macio e a água ser absorvida, uns 40-45 minutos.
Coe o bulgur e coloque numa tigela, junte o repolho, a cebola, os tomates, o hortelã, o azeite, o suco de limão e a pimenta Aleppo. tempere com sal. Misture o azeite e o limõ na hora de servir.

tomates ao creme

tomate-creme.jpg

Estou tentando manerar na compra de tomates, mas não está fácil, pois eles estão tão abundantes e lindos! E também porque sei que daqui a pouco eles desaparecerão e só vou comê-los novamente no verão do próximo ano. Bom, o que fazer com uns tomates heirloom lindos que estavam estourando de maduros? Abri o livro Vegetable Literacy da Deborah Madison e voalá—apareceu a receita que estava me perseguindo há um tempo. Na foto no livro esses tomates com o creme parecem tão gostosos e inspiram conforto, como o título da receita sugere [comforting tomatoes in cream with bread crumbs and smoked salt]. E é isso mesmo. Tão cremoso, tão delicado, um delicioso conforto para o nosso jantar de uma segundona super corrida.

1/2 xícara de creme de leite fresco
1 dente de alho espremido ou esmagado
Folhas de majericão ou estragão fresco
2 xícaras de tomates picados [*usei de duas variedades diferentes]
2 fatias de pão torrado
Sal defumado a gosto

Coloque o creme de leite numa panela com o alho e o manjericão e leve ao fogo até ferver. Desligue o fogo imediatamente e deixe o creme descansar. Enquanto isso corte os tomates. A receita pede para remover a pele, fazendo um corte em cruz e colocando os tomates em água quente por uns segundos, depois em água fria, mas eu não fiz essa parte. Coloque os tomates cortados em quatro ou oito no creme. Ligue o fogo novamente e deixe o creme borbulhar por uns minutos. Desligue o fogo, tempere com o sal defumado, salpique com as torradas esmigalhadas e sirva.

shake de abacate com coco
avocado-coconut1.jpgavocado-coconut2.jpg

Tenho a impressão que neste momento vivemos uma renascença do abacate, quando finalmente começam a aparecer receitas com essa fruta que não são uma das 87532 mil variações do guacamole. Nós, nativos da America do Sul, já estamos carecas de saber o quanto é bom uma vitamina de abacate. Mas aqui no norte isso ainda pode causar surpresa. Falo por mim, por experiência própria, não investiguei, não li papers científicos, não montei uma tabela com estatísticas. Mas como não ser arrebatado por uma delícia dessas? Essa receita é uma ótima variação da nossa velha conhecida vitamina, com a adição do sorvete de coco e do sal. Fiz e adorei!

faz duas porções
1 e 1/2 abacate pequeno [tipo hass] ou um grande
1 colher de sopa de suco de limão tahiti
1 xícara de sorvete de coco
3/4 a 1 xícaras de leite [ou um leite vegetal]
1/4 de colher de chá de flor de sal
Xarope de agave a gosto [*eu omiti]

Corte o abacate ao meio e retire o caroço. Coloque a polpa em um liquidificador. Adicione o suco de limão, o sorvete, o leite e 1/4 colher de chá de sal. Bata bem até ficar homogêneo. Prove, adicione mais sal ou adoçante e bata por alguns instantes. Divida em dois copos, polvilhe com uma pitada de sal, coloque um canudo em cada copo e sirva.