curry de berinjela & batata [e pão indiano de arroz]

Fiz essas duas receitas usando dois livros diferentes. Estou um pouco obcecada pela culinária vegetariana indiana e comprando todos os livros que vejo no Kindle. Essa foi a primeira vez que fiz um pão indiano cozido na chapa. Esse não ficou tão bom no dia seguinte, achei que fica mais gostoso se for comido fresquinho. Os curries, por outro lado, sempre ficam melhores no dia seguinte, quando os sabores se intensificam.

curry de berinjela & batata — aubergine & potato curry — renghan bataka receita do livro Prashad Indian Vegetable Cooking da autora Kaushy Patel.

Primeiro faça uma masala com 3 pimentas verdes frescas, um pedaço de raiz de gengibre de 3 cm e um pouco de sal. Coloque tudo num pilão ou processador de alimentos e faça uma pasta fina. Reserve.

75ml de óleo de girassol
1 colher de chá de sementes de cominho
1 colher de chá de sementes de mostarda marrom
2 berinjelas médias cortadas em cubos
2 ou 3 batatas cortadas em cubos
1 e 1/2 colher de chá de cúrcuma em pó
1 e 1/2 colher de chá de sal
1/2 colher de chá de pimenta vermelha em pó
2 colheres de chá de açúcar mascavo ou de coco
3 colheres de sopa de coentro em pó
1/2 colher de chá de cominho em pó
2 tomates médios picados grosseiramente
2 punhados de coentro fresco picado

Aqueça o óleo por um minuto ou mais e adicione o as sementes de cominho e de mostarda. Quando as sementes de mostarda começarem a estourar, retire do fogo e junte as berinjelas e as batatas e retorne ao fogo médio. Junte a pasta de masala, a cúrcuma, sal, pimenta em pó, açúcar, coentro e cominho em pó e 150ml de água fervente. Cozinhe destampado por 3-4 minutos em fogo baixo. Aumente o fogo e continue a cozinhar por mais 5-6 minutos destampado, mexendo ocasionalmente. Junte os tomates e metade dos coentros, tampe e cozinhe por mais 5 minutos ou até que as batatas estejam cozidas. Retire do fogo e deixe descansar por pelo menos 10 minutos, tampado. Se necessário, re-aqueça antes de servir, decore com o resto do coentro picado.

pão de sobras de arroz — leftover rice flatbread — bhat wara thepla do livro Made in India, Cooked in Britain: Recipes from an Indian Family Kitchen da autora Meera Sodha.

faz 10 pãezinhos
1 e 1/4 xícara de arroz cozido [aproveite sobras]
1 xícara de farinha para chapati [atta flour—pode ser uma mistura de farinha branca e farinha integral, proporção meio/meio]
1/2 xícara de farinha de grão-de-bico [besan flour]
1 e 1/2 colheres de sopa de sementes de gergelim
1 colher de chá de sementes de cominho [soque um pouco no pilão]
1 colher de chá de sal
1 colher de chá de pimenta vermelha em pó
1 colher de chá de cúrcuma em pó
1 colher de chá de açúcar
2 e 1/2 colheres de sopa de óleo vegetal
1/2 xícara de água morna

Coloque o arroz numa vasilha e amasse com as mãos, para deixar os grãos bem soltos. Adicione as farinhas, as sementes de gergelim e cominho, o sal, a pimenta, cúrcuma e o açúcar. Misture bem com as mãos. Faça um buraco no meio e adicione 2 e 1/2 colheres de sopa de óleo, misture bem e comece a adicionar a água, amassando com as mãos. A massa vai ficar um pouquinho grudenta. Molhe as mãos com óleo e faça 10 bolinhas com a massa. Abra cada bolinha numa superfície enfarinhada, elas devem ficar com uns 15 cm mais ou menos. Transfira a massa aberta para uma frigideira ou chapa quente, deixe cozinhar por uns 20 segundos, vire a massa e coloque 1 colher de chá de azeite sobre a massa. Deixe cozinhar do outro lado, transfira para uma travessa e cubra com um pano. Abra a massa uma por uma, e frite uma por uma, para não ressecar nem grudar. Sirva com o curry de batata.

couve-flor com sementes de timol & gengibre

Nessa receita no livro Vegetarian India, a Madhur Jaffrey fala sobre os Ashrams. Eles são espaços espirituais, geralmente para o ensino e prática da yoga, e que servem comida vegetariana para quem quiser, tudo de graça. A receita dessa couve-flor foi inspirada em um dos pratos que ela comeu num Aurobindo ashram na India. A semente de timol é bem delicada, minúscula e tem um aroma parecido com o tomilho. Se não tiver acesso à essa semente, use outra da sua preferência.

1 couve-flor grande cortada em floretes
4 colheres de sopa de azeite ou óleo vegetal
1 colher de chá de sementes de timol [*ajowan/ajwain/carom]
1 colher de sopa de gengibre fresco ralado
4 dentes de alho picados
1/2 colher de chá de cúrcuma em pó
1/4 colher de chá de sal
2 pimentas frescas cortadas em fatias

Mergulhe os floretes da couve-flor em água fria, deixe assim por 10-30 minutos. Coloque o azeite numa panela grande sobre fogo médio. Quando o óleo estiver quente adicione as sementes de timol. Mexa um pouco com uma colher de pau. Adicione o gengibre e o alho. Mexa por mais alguns minutos e adicione a cúrcuma em pó. Mexa uma vez e comece a adicionar os floretes de couve-flor, removendo da água com as mãos ou uma escumadeira. Adicione o sal e as pimentas frescas em fatias, mexa bem, tampe a panela, abaixe o fogo e cozinhe por 6-10 minutos, até a couve-flor ficar macia.

abobrinha frita com molho de tomate picante

Outra receita do livro Vegetarian Indian da Madhur Jaffrey que fiz pra gastar abobrinhas que abundam por aqui durante o verão. O molho de tomate é típico indiano, um pouco diferente do molho que fazemos no ocidente. Faz bastante molho e dá pra usar em outras receitas ou congelar pra usar numa outra hora.

2 abobrinhas médias cortadas em fatias grossas
Sal e pimenta do reino moída na hora a gosto
Sementes de cominho tostadas e moída
Pimenta vermelha em pó
Molho de tomate apimentado [receita logo a seguir]

Numa frigideira coloque um pouco de azeite ou óleo. Coloque as fatias de abobrinha e frite de ambos os lados. Remova da frigideira e coloque numa travessa. Polvilhe com o sal, a pimenta do reino, cominho tostado e moído e a pimenta vermelha em pó. Coloque uma colher de molho de tomate picante sobre cada fatia de abobrinha e sirva.

molho de tomate picante
A Madhur Jaffrey diz que esse molho maravilhosamente picante pode ser jogado sobre macarrão ou misturado no arroz, espalhado sobre berinjela grelhada ou nessas fatias de abobrinha, ou usado como molho para uma variedade de bolinhos, batatas fritas ou panquecas indianas.

2 quilos de tomates maduros picados grosseiramente
1 cebola, descascada e picada
1 ou 2 pimentas verdes frescas cortadas em rodelas finas
2 punhados de coentro fresco picado
1 colher de chá de sal
1/2 colher de chá de concentrado de tamarindo
1/2 colher de chá de pimenta vermelha em pó
1/4 colher de chá de cúrcuma em pó
2 colheres de chá de azeite ou óleo vegetal
1/2 colher de chá urad dal*
[*uma lentilha usada como condimento, pode omitir se não tiver]
1/4 colher de chá de sementes de mostarda inteiras
1/4 colher de chá de sementes de cominho inteiras
8 a 10 folhas de curry frescas levemente amassadas na mão

Coloque os tomates em uma tigela e amasse-os o máximo que puder com a mão para liberar o liquido. Adicione a cebola, pimenta verde, coentro, 1/2 colher de chá de pasta de tamarindo de sal, pimenta em pó e cúrcuma.

Coloque uma panela média em fogo médio e adicione o óleo. Quando estiver bem quente, adicione o urad dal. Assim que começar a ficar avermelhado acrescente os grãos de mostarda. Quando começarem a estourar, em questão de segundos, jogue as folhas de curry [cuidado, pois elas espirram!]. Adicione a mistura de tomate, reduza o fogo para médio baixo e deixe cozinhar em fogo brando. Cozinhe sem tampa, mexendo de vez em quando, até que o molho engrosse, em cerca de 20-25 minutos. Prove, adicione a outra 1/2 colher de chá de sal se necessário. Deixe esfriar um pouco e bata no liquidificador até formar um molho espesso.

cenouras refogadas com coco & gengibre

Essa é outra receita do livro da Madhur JaffreyVegetarian India. É muito simples de fazer e o resultado é delicioso e delicado.

5 cenouras médias
1 colher de sopa de azeite ou óleo vegetal
1/2 colher de chá urad dal*
[*são lentilhas usadas como condimento, pode omitir]
1/2 colher de chá de sementes de mostarda marrom
2 pimentas vermelha secas partidas ao meio
[use menos, se não quiser muito apimentado]
1 colher de chá de gengibre fresco ralado
1/2 colher de chá de sal
3 colheres de sopa de coco fresco ralado finamente
[pode usar o seco ou o congelado]
2 colheres de sopa de coentro fresco picado

Coloque o óleo em uma frigideira grande ou wok em fogo médio. Quando estiver bem quente, adicione o urad dal. Assim que começar a mudar de cor, acrescente as sementes de mostarda e a pimenta vermelha. Quando as sementes de mostarda estourarem e os pimentões escurecerem – em questão de segundos – adicione a cenoura, o gengibre e 1/2 colher de chá de sal. Misture bem e adicione 4 colheres de sopa de água. Cubra e cozinhe em fogo baixo até que as cenouras estejam macias, por 3 a 6 minutos. Adicione o coco e o coentro; misture bem. Sirva imediatamente.

croquete de batata & grão-de-bico germinado

Ganhei muitos livros da minha amiga Jean em janeiro e um deles, uma preciosidade publicada em 1973, é totalmente sobre germinados. Fiz essa receita adaptando um pouco, coloquei mais batata e não fritei, assei no forno. Na próxima vez vou fritar, porque acho que vai ficar ainda mais gostoso.

Para germinar o grão-de-bico, deixe os grãos de molho da noite pro dia, escorra e lave bem, coloque numa peneira e deixe num lugar arejado. Molhe umas duas ou três vezes por dia, mantendo-os na peneira. Assim que os grãos começarem a germinar já pode usar.

3 xícaras de grão-de-bico germinado
1 batata média cozida
1/4 de salsinha picada
1/2 colher de chá de sal
Pimenta do reino moída na hora a gosto
4 colheres de sopa de azeite

Cozinhe os grão-de-bico germinados no vapor por uns 5 minutos. Coloque a batata e os grão-de-bico no processador e pulse algumas vezes. Adicione a salsinha, sal e pimenta. Pulse mais algumas vezes. Molde os croquetes e frite no azeite até ficar dourado dos dois lados. Sirva.

Servi os meus croquetes com um molho de pimentas fermentado, que fiz no ano passado. Para fermentar pimentas é só pesar o tanto de pimentas que você quiser usar, e pesar 2% do peso das pimentas em sal. Misture o sal em água filtrada, sem cloro. Coloque as pimentas num vidro e complete com a água salgada. Coloque um peso sobre as pimentas, para que todas fiquem imersas na água. Não pode ficar nada acima da água senão cria mofo. Deixe o vidro tampado em cima de uma bancada. Coloque um pires em baixo, pois pode vazar água. Abra a tampa todos os dias pra soltar o gas e se certificar que a fermentação está indo bem. Deixe fermentar de 3 dias a 1 semana, dependendo da temperatura da sua cozinha. Depois bata as pimentas no liquidificador com sal e vinagre de maçã. Use um orgânico, sem pasteurizar, se puder. Coloque em vidros e guarde na geladeira. Dura muito tempo.

bolachinhas com gergelim [feitas com sobras de levain]

Com a minha rotina de fazer pão acabei com um pequeno estoque de levain descartado. No começo fiz muitas panquecas, umas que até lembravam as dosas indianas. Mas cansei de fazer panquecas e quis achar outras alternativas pra usar esse surplus. Achei essa receita de bolacha salgada, que tenho feito regularmente. Geralmente dobro a receita, pois tenho bastante sobras de levain. Elas ficam incrivelmente gostosas, pra mim elas tem até um leve sabor de queijo, que deve ser causado pela acidez do fermento natural.

150 gr de sobras de fermento natural [não refresque]
40 gr de farinha de arroz
55 gr de farinha de trigo [pode ser branca ou integral]
10 gr de sementes de gergelim preto
30 gr de azeite de oliva
6 gr de sal

Coloque todos os ingredientes numa tigela e misture bem com uma espátula. Sove até obter uma massa lisa e homogênea. Deixe repousar por uns 15 minutos e abra a massa com o rolo, entre duas folha de papel vegetal ou manteiga. Abra a massa numa espessura de uns 2 milímetros e corte em quadrados com um cortador de massas e fure com um garfo. Já fiz redondo também e às vezes esqueço de furar. De todos os jeitos dá certo. E quanto mais fininho abrir a massa, melhor, eles ficam mais crocantes. Deixe as bolachinhas descansando dentro do congelador ou geladeira enquanto o forno preaquece em 400°F/200°C. Coloque a forma no forno e asse por uns 15 minutos ou até as bolachinhas ficarem douradas. Retire do forno e deixe esfriar bem antes de colocar num recipiente fechado. Elas duram bastante tempo guardadas. Mas aqui em casa desaparecem mais rápido do que eu gostaria.

Eu fiz essas bolachinhas muitas vezes e tirava os quadradinhos da mesa com a ponta de uma faca pra colocar na forma, até que a minha amiga Brisa Carter me mostrou o “pulo do gato”. Abre a massa sobre o papel, corta e coloca tudo direto na forma, o papel com os quadradinhos cortados. Assa e quando remover do forno as bolachinhas estarão separadas naturalmente. Não precisa passar por essa trabalheira de transferir uma por uma.

salada de tomate cereja com folhas de curry

Uma receita simplérrima do livro Indian Vegetarian da Madhur Jaffrey. Se conseguir umas folhas de curry frescas, faça. Se não achar, substitua por outra folhinha, tipo manjericão, ou mesmo com louro fresco.

300 gr de tomate cereja
Sal e pimenta do reino moída na hora a gosto
2 colheres de sopa de azeite
1/2 colher de chá de sementes de mostarda marrom
1 pimenta vermelha seca
7-8 folhas frescas de curry ou pequenas folhas de manjericão

Disponha os tomates com o lado cortado para cima em um prato. Salpique levemente sal e pimenta do reino.

Coloque o óleo em uma frigideira pequena e leve ao fogo médio-alto. Quando estiver bem quente, coloque as sementes de mostarda. Assim que começarem a estourar, coloque a pimenta vermelha e mexa até escurecer. Adicione rapidamente as folhas de curry [cuidado, pois espirra muito!], remova a panela do fogo e despeje esse azeite sobre os tomates. Sirva.

queijo camembert vegano

Fiz um queijo camembert vegano que ficou muito interessante. Não é exatamente como o feito de leite, mas fica gostoso e comemos absolutamente tudo, assim com torradinhas feitas em casa. Usei essa receita, que é excelente porque dá pra pra visualizar o passo-a-passo no vídeo e nas fotos. Traduzi a receita básica aqui:

2 xícaras de castanha de caju crua, orgânica se for possível
4 cápsulas de probiótico à base de plantas
4 colheres de sopa de kefir de água. Se você não tiver, que foi o meu caso, substitua pela mesma quantidade de água filtrada
3 colheres de sopa de água filtrada
1/2 colher de sopa de sal marinho, sem iodo
1 pitada de de Penicillium Candidum

Observação: a maior parte do Penicillium Candidum vendido nos Estados Unidos é feito com produtos derivados de laticínio, portanto, se quiser um queijo 100% vegano certifique-se que vai adquirir esse ingrediente numa versão vegana. *eu comprei na loja online que a autora da receita recomenda.

Dia 1: mergulhe as castanhas de caju em água filtrada durante a noite.

Dia 2: Coe as castanhas e deixe a água escorrer bem.

Coloque as castanhas de caju em um processador de alimentos, adicione 1/4 colher de chá de sal, o kefir de água e água filtrada. Processe bem até obter uma textura bem lisa.

Abra as cápsulas probióticas, polvilhe o pó e adicione Penicillium Candidum. Processe novamente até que tudo esteja bem combinado.

Coloque a mistura em um recipiente de vidro, cubra levemente e deixe fermentar em temperatura ambiente por uma noite.

Dia 3: use a tampa de um recipiente, coloque uma forma de torta sem fundo sobre ele e, em seguida, coloque um pano de algodão ou gaze de fazer queijo. Coloque a mistura nele e empacote levemente. Dobre o pano de algodão sobre as bordas e pressione suavemente para alisar a mistura. Use o vasilhame para cobrir levemente, e deixe descansar na área mais fresca da casa, e deixe por uma noite.

Dia 4: retire a forma e desembrulhe a gaze. Polvilhe um pouco de sal uniformemente e, em seguida, use um pedaço de papel manteiga para cobri-lo e, com cuidado, vire o queijo. Retire a gaze e polvilhe sal deste lado também. Cubra-o e coloque-o de volta na área fria. Nota: a quantidade de sal usada para polvilhar é cerca de 1/4 colher de chá, mas não se preocupe se for um pouco mais ou menos.

Dia 5-10: use um pedaço de papel vegetal seco para virá-lo todos os dias. Você deve ver alguns sinais de mofo branco por volta do 6º ou 7º dia. Durante esse período, o queijo transpira, então certifique-se de secar a capa antes de cobri-la todas as vezes. Nota: Eu limpo o papel com uma toalha limpa após cada uso, seco. Eu reutilizo o mesmo papel até ficar muito sujo para reusar. Se você esquecer de virar e deixar o queijo repousar no papel por mais de um dia, o papel grudará no queijo e será difícil removê-lo sem danificar algum molde. O mofo é essencial para proteger o crescimento de mofo dentro do queijo. Portanto, certifique-se de virar e trocar o papel todos os dias.

Dia 11 ou mais: o queijo agora deve ser coberto com mofo branco e mais firme. Também é mais fácil inverter. Substitua o papel por uma esteira de bambu ou grade não metálica. A esteira de bambu ajuda a ventilar melhor o queijo. Ainda assim, vire todos os dias, mas neste ponto está tudo bem se você se esquecer de virar em alguns dias.

Dia 16 ou mais: o queijo agora está coberto com um molde espesso e é hora de envelhecimento lento. Transfira o queijo para um pedaço de papel manteiga e embrulhe. Coloque-o em um recipiente respirável e mantenha-o na geladeira para envelhecer por mais 2 a 3 semanas. Não há necessidade de virar mais o queijo neste ponto.

Após cerca de 2 semanas de envelhecimento na geladeira, ele deve estar pronto para comer. O queijo agora deverá estar seco e firme.

pão de pandemia [pãodemia]

Me juntei à metade do planeta que esteve fazendo pão durante os primeiros meses de pandemia. No meu caso, o fato de estar em casa e ver muita gente fazendo pão, somado ao desaparecimento do fermento biológico das prateleiras do supermercado, funcionou como um incentivo para que eu finalmente perdesse o medo e me jogasse nessa aventura dos pães de fermentação natural. Não posso esquecer de mencionar que aqui nos EUA sumiram também as farinhas das prateleiras dos supermercados, então fazer pão se tornou realmente uma aventura. Eu e minha irmã trilhamos esse caminho juntas, ela no Brasil, eu aqui, experimentando com diversas maneiras de fazer o fermento, depois os pães, trocando ideias e receitas. Comecei com o fermento da bolinha na água, tentei dias vezes e falhei. Procurei outras ideias e achei duas fontes preciosas no Youtube. O Padeiro de Apartamento e o Peaceful Cuisine, de quem eu já era fã. Foram esses dois que nos guiaram na trilha de conseguirmos nosso primeiro fermento. Eu fiz duas receitas: a primeira, seguindo esses passos, mas usando suco de abacaxi na primeira água. Fiz com farinha integral, o fermento ainda está firme e forte, fiz muitos pães com ele. A segunda receita é a melhor. Faz um fermento fantástico, que é o que eu mais uso pra fazer pães. Já até doei iscas. Ele é feito com passas fermentadas. Usei essas receitas—para fazer as passas e pra fazer o fermento. Mas o padeiro também tem a receita dele, em português.

Depois fizemos os pães todos, muitos do padeiro, outros tantos da padaria Tartine em San Francisco, pois tinha comprado dois livros deles anos atrás e nunca tinha tido a coragem [ou a audácia]. Os pães da Tartine dão certíssimo, ficam sempre ótimos. Os do padeiro também arrasam. O meu favorito dele é o de semolina com sementes de erva-doce.