bolinho de batata indiano
[aloo tikki]

bolinho de batata indiano

Gostamos muito desse bolinho, que fiz rapidinho cozinhando as batatas por 10 min no vapor na panela de pressão elétrica. Tenho usado muito essa panela pra me ajudar nesses preparos n cozinha. Esses bolinhos ficaram pedaçudos, pois não moí muito no processador, mas pode deixá-los mais homogêneos.

500 gr de batata descascada e cozida
1/2 colher de chá de semente de cominho
3 cm de gengibre fresco
1 pimenta fresca picada
1/4 colher de chá de curcuma
1/2 colher de chá de pimenta vermelha em pó
1/2 colher de chá de coentro em pó
1/2 colher de chá de manga seca em pó [*se não tiver, omita]
1/2 colher de chá de garam masala
1/2 colher de chá de sal
1/4 xícara de coentro fresco picado

2 colheres de sopa de amido de milho ou farinha de arrozMisture todos os ingredientes no processador ou faça a mão com um amassador de batata. Faça pequenos bolinhos e coloque numa bandeja. Deixe na geladeira por umas 2 horas [ou no congelador por menos tempo]. Coloque um pouquinho de óleo ou azeite numa frigideira e frite os bolinhos dos dois lados. Sirva com um chutney verde, feito com coentro fresco, coco ralado fresco ou seco, suco de limão, melado, um pouco de sal, tudo batido no liquidificador até formar um molho.

bolinho de batata indiano bolinho de batata indiano

curry de berinjela & batata [e pão indiano de arroz]

Fiz essas duas receitas usando dois livros diferentes. Estou um pouco obcecada pela culinária vegetariana indiana e comprando todos os livros que vejo no Kindle. Essa foi a primeira vez que fiz um pão indiano cozido na chapa. Esse não ficou tão bom no dia seguinte, achei que fica mais gostoso se for comido fresquinho. Os curries, por outro lado, sempre ficam melhores no dia seguinte, quando os sabores se intensificam.

curry de berinjela & batata — aubergine & potato curry — renghan bataka receita do livro Prashad Indian Vegetable Cooking da autora Kaushy Patel.

Primeiro faça uma masala com 3 pimentas verdes frescas, um pedaço de raiz de gengibre de 3 cm e um pouco de sal. Coloque tudo num pilão ou processador de alimentos e faça uma pasta fina. Reserve.

75ml de óleo de girassol
1 colher de chá de sementes de cominho
1 colher de chá de sementes de mostarda marrom
2 berinjelas médias cortadas em cubos
2 ou 3 batatas cortadas em cubos
1 e 1/2 colher de chá de cúrcuma em pó
1 e 1/2 colher de chá de sal
1/2 colher de chá de pimenta vermelha em pó
2 colheres de chá de açúcar mascavo ou de coco
3 colheres de sopa de coentro em pó
1/2 colher de chá de cominho em pó
2 tomates médios picados grosseiramente
2 punhados de coentro fresco picado

Aqueça o óleo por um minuto ou mais e adicione o as sementes de cominho e de mostarda. Quando as sementes de mostarda começarem a estourar, retire do fogo e junte as berinjelas e as batatas e retorne ao fogo médio. Junte a pasta de masala, a cúrcuma, sal, pimenta em pó, açúcar, coentro e cominho em pó e 150ml de água fervente. Cozinhe destampado por 3-4 minutos em fogo baixo. Aumente o fogo e continue a cozinhar por mais 5-6 minutos destampado, mexendo ocasionalmente. Junte os tomates e metade dos coentros, tampe e cozinhe por mais 5 minutos ou até que as batatas estejam cozidas. Retire do fogo e deixe descansar por pelo menos 10 minutos, tampado. Se necessário, re-aqueça antes de servir, decore com o resto do coentro picado.

pão de sobras de arroz — leftover rice flatbread — bhat wara thepla do livro Made in India, Cooked in Britain: Recipes from an Indian Family Kitchen da autora Meera Sodha.

faz 10 pãezinhos
1 e 1/4 xícara de arroz cozido [aproveite sobras]
1 xícara de farinha para chapati [atta flour—pode ser uma mistura de farinha branca e farinha integral, proporção meio/meio]
1/2 xícara de farinha de grão-de-bico [besan flour]
1 e 1/2 colheres de sopa de sementes de gergelim
1 colher de chá de sementes de cominho [soque um pouco no pilão]
1 colher de chá de sal
1 colher de chá de pimenta vermelha em pó
1 colher de chá de cúrcuma em pó
1 colher de chá de açúcar
2 e 1/2 colheres de sopa de óleo vegetal
1/2 xícara de água morna

Coloque o arroz numa vasilha e amasse com as mãos, para deixar os grãos bem soltos. Adicione as farinhas, as sementes de gergelim e cominho, o sal, a pimenta, cúrcuma e o açúcar. Misture bem com as mãos. Faça um buraco no meio e adicione 2 e 1/2 colheres de sopa de óleo, misture bem e comece a adicionar a água, amassando com as mãos. A massa vai ficar um pouquinho grudenta. Molhe as mãos com óleo e faça 10 bolinhas com a massa. Abra cada bolinha numa superfície enfarinhada, elas devem ficar com uns 15 cm mais ou menos. Transfira a massa aberta para uma frigideira ou chapa quente, deixe cozinhar por uns 20 segundos, vire a massa e coloque 1 colher de chá de azeite sobre a massa. Deixe cozinhar do outro lado, transfira para uma travessa e cubra com um pano. Abra a massa uma por uma, e frite uma por uma, para não ressecar nem grudar. Sirva com o curry de batata.

croquete de batata & grão-de-bico germinado

Ganhei muitos livros da minha amiga Jean em janeiro e um deles, uma preciosidade publicada em 1973, é totalmente sobre germinados. Fiz essa receita adaptando um pouco, coloquei mais batata e não fritei, assei no forno. Na próxima vez vou fritar, porque acho que vai ficar ainda mais gostoso.

Para germinar o grão-de-bico, deixe os grãos de molho da noite pro dia, escorra e lave bem, coloque numa peneira e deixe num lugar arejado. Molhe umas duas ou três vezes por dia, mantendo-os na peneira. Assim que os grãos começarem a germinar já pode usar.

3 xícaras de grão-de-bico germinado
1 batata média cozida
1/4 de salsinha picada
1/2 colher de chá de sal
Pimenta do reino moída na hora a gosto
4 colheres de sopa de azeite

Cozinhe os grão-de-bico germinados no vapor por uns 5 minutos. Coloque a batata e os grão-de-bico no processador e pulse algumas vezes. Adicione a salsinha, sal e pimenta. Pulse mais algumas vezes. Molde os croquetes e frite no azeite até ficar dourado dos dois lados. Sirva.

Servi os meus croquetes com um molho de pimentas fermentado, que fiz no ano passado. Para fermentar pimentas é só pesar o tanto de pimentas que você quiser usar, e pesar 2% do peso das pimentas em sal. Misture o sal em água filtrada, sem cloro. Coloque as pimentas num vidro e complete com a água salgada. Coloque um peso sobre as pimentas, para que todas fiquem imersas na água. Não pode ficar nada acima da água senão cria mofo. Deixe o vidro tampado em cima de uma bancada. Coloque um pires em baixo, pois pode vazar água. Abra a tampa todos os dias pra soltar o gas e se certificar que a fermentação está indo bem. Deixe fermentar de 3 dias a 1 semana, dependendo da temperatura da sua cozinha. Depois bata as pimentas no liquidificador com sal e vinagre de maçã. Use um orgânico, sem pasteurizar, se puder. Coloque em vidros e guarde na geladeira. Dura muito tempo.

curry de batata, couve-flor e tofu [e dhal de três grãos]

Fiz mais duas receita tiradas do livro da Sue Radd, Food as Medicine, que minha amiga me emprestou. Fica uma refeição muito robusta. Só recomendo diminuir os ingredientes pela metade se não estiver cozinhando para mais que duas pessoas. Pra nós sobrou muito.

para o curry
600 g de batatas
3 colheres de sopa óleo de amendoim
200 g de tofu firme cortado em cubos pequenos
2 cebolas picadas grosseiramente
1 maço pequeno de coentro fresco, picado
2 colheres de sopa de pasta de curry [usei o vermelho, Tailandês]
280 g de couve-flor fresca, cortada em pedaços pequenos

Ferva as batatas por cerca de 15 minutos. Escorra e deixe esfriar. Aqueça o óleo em uma panela funda antiaderente e frite os cubos de tofu até dourar. Escorra e coloque em papel absorvente. Reduza o fogo e adicione as cebolas ao óleo restante e refogue até ficar translúcido. Dissolva a pasta de curry com 1/2 xícara de água e adicione às cebolas. Misture a couve-flor e 1 xícara de água. Cubra com uma tampa e cozinhe por cerca de 15 minutos até que a couve-flor fique macia.

Misture o coentro, os cubos de tofu frito, as batatas e mexa até que todos os sabores se combinem. Você pode adicionar 1/2 xícara de água adicional se quiser mais molho. Eu não fiz. Aqueça e sirva. Sirva com arroz basmati ou com o Dhal de três grãos.

para o dhal
1/2 xícara de lentilhas vermelhas
1/2 xícara de channa dhal (ervilhas amarelas)
1/2 xícara de moong dhal (feijão moyashi quebrado e descascado)
1 cebola grande picadinha
1 colher de chá de sal
1/2 colher de chá de curcuma
3 colheres de sopa de azeite virgem extra
1 colher de chá de sementes de cominho
1 colher de chá de flocos de pimenta vermelha
3 dentes de alho amassados
3 colheres de sopa de coentro fresco picado

Escolha e enxágue os grãos e coloque-os em uma panela grande com cebola, sal, açafrão e 5 xícaras de água. Cubra com uma tampa e deixe ferver. Reduza o fogo e cozinhe, semi-coberto, por cerca de 15 a 20 minutos, até ficar macio, mexendo sempre, para que os grãos não grudem no fundo da panela.

Aqueça o óleo em uma frigideira. Adicione as sementes de cominho e frite por cerca de 1 minuto até que elas comecem a estalar. Adicione a pimenta e continue fritando por mais 5 segundos. Adicione o alho, removendo a panela do fogo assim que o alho começar a dourar. Não deixe o alho queimar. Adicione a mistura de óleo quente ao feijão e misture. Coloque em uma travessa e decore com coentro picado. Sirva.

sopa de batata doce
[com cúrcuma e missô]

sweet potato soup

Fiz essa sopa no final de 2017, quando recebi muitas batatas doces na cesta orgânica. Achei que ficou bem gostosa, mas um pouco adocicada demais pro meu gosto. Mas admito que essa receita explora uma combinação de sabores bem interessante.

1 batata doce pequena
1 pedaço pequeno de alga marinha kombu
1 e 1/2 xícara de flocos de peixe [bonito flakes—*omiti]
1 lata de leite de coco
1/4 de xícara de missô branco
1 colher de sopa de cúrcuma fresco
ou 1 colher de chá de cúrcuma em pó [*usei em pó]
1 colher de sopa de suco de limão
Flocos de coco torrados, amendoins torrados e óleo de pimenta [chili oil, compre em lojas asiáticas], para servir

Pré-aqueça o forno a 450°F/232°C. Fure a batata diversas vezes com uma faca afiada e coloque em uma assadeira. Leve ao forno e esse por 35-45 minutos. Remova do forno, deixe esfriar e remova a casca. Reserve.

Enquanto assa a batata coloque a alga kombu e 4 xícaras de água em uma panela grande e deixe descansar por 25-30 minutos. Ligue o fogo e deixe ferver. Desligue o fogo, remova as algas da água. Adicione flocos de bonito e misture bem [eu não tinha os flocos, deixei sem]. Volte a panela para o fogo baixo e cozinhe por de 5 minutos. Retire do fogo e deixe descansar por mais 15 minutos. Coe o caldo removendo todas as partes sólidas. Reserve.

Transfira o caldo para um liquidificador. Adicione a batata doce, leite de coco, o missô, e a cúrcuma. Bata até ficar um creme. Retorne a panela e aqueça em fogo baixo. Adicione o suco de limão, divida a sopa entre as tigelas, decore com flocos de coco e amendoins, e regue com óleo de pimenta. Sirva.

bolinho de peixe com limão [e mostarda feita em casa]

fish-cake

No Thanksgiving eu trouxe pra casa um pirex cheio de sobras de halibut assados, que foi um dos pratos deliciosos que meu amigo Heg fez pra ocasião. Comemos uma parte requentada e o resto eu decidi reciclar fazendo outro prato. Com sobras de peixe é bom fazer bolinhos! O halibut é um peixe carnudo e delicioso, fica muito bom pra fazer bolinhos, mas só for sobras mesmo, pois esse peixe é muito caro e especial pra ser comprado só para esse fim. Qualquer outro peixe carnudo serve como substituto. Improvisei meio a olho uma receita, com batatas doces que eu já tinha cozidas e com o limão conservado no sal, com o qual estou obcecada não paro de usar. As medidas são mais ou menos como eu me lembro, mas não tem como errar fazendo esse tipo de bolinho. Eu fritei, mas quem quiser pode assar. Servi com mostarda feita em casa.

3 xícaras de peixe cozido
2 xícaras de batata doce cozinha
1/2 xícara de panko [*usei integral]
1 colher de sopa de mostarda [*usei a feita em casa]
A casca picadinha de 1 limão conservado no sal
[jogue a polpa fora ou use em molho de salada]
Bastante ervas frescas [*salsinha, coentro, cebolinha]
Sal e pimenta do reino moída na hora a gosto

Misture todos os ingredientes bem com as mãos até ficar bem incorporado. Se precisar pode acrescentar um pouco mais de panko, mas não muito pra não ficar massudo. Modele os bolinhos e leve à geladeira até a hora de assar ou fritar. Eu fritei no óleo bem quente, coloque apenas uma camada rasa de óleo na frigideira e frite bem dos dois lados. Sirva bem quente.

mostarda feita em casa
1/4 xícara de vinagre de maçã
3 colheres de sopa de vinagre de vinho branco
2 colheres de sopa de sementes de mostarda [amarelas]
1/4 xícara de mostarda em pó
1/2 colher de chá de pimenta vermelha em flocos
1 e 1/2 colher de sopa de mel
1 colher de chá de raiz forte—horseradish [*opcional, pode diminuir ou eliminar]

Bata bem todos os ingredientes no liquidificador, coloque num vidro esterilizado e leve à geladeira. Deixe maturar por pelo menos 2 semanas antes de usar. No inicio a mostarda vai parecer bem líquida, mas com o tempo ela dá uma espessada.

Minha amiga inglesa me deu essa receita de mostarda feita em casa que é um sucesso com a família dela e amigos. Eu fiz a primeira vez com 1 colher de sopa de raiz forte, que era como estava na receita original e HOLY COW, não foi possível comer, de tão picante. Decidi refazer só com uma colher de chá e mesmo assim achei o picante da raiz forte muito pra mim. Mas como quadrupliquei a receita, dei um vidro de presente e estamos comendo o outro. Da próxima vez que fizer vou eliminar a raiz forte por completo. Fica a seu critério, colocar ou não.

bolo de chocolate [com batata doce e farinha de espelta]

No domingo à tarde resolvi que iria fazer um bolo, abri o livro A Modern Way to Cook da Anna Jones e a primeira receita que vi foi essa. A isca foi a farinha de espelta e o barley malt. Mais uma oportunidade de usar essa farinha de espeta germinada que comprei outro dia. O xarope de barley malt é um adoçante bem aromático, mas pode ser substituído pelo melado. Esse bolo ficou bem rústico, e não é nada doce, uma opção bem natureba para o clássico e delicioso bolo de chocolate com recheio em camadas e cobertura.

para o bolo:
200 gr de batata doce
2 e 1/4 xícara de farinha de espelta [*usei a germinada, mas pode ser uma farinha integral]
1/2 colher de chá de canela em pó
4 colheres de sopa de cacau em pó de boa qualidade
2 colheres de chá de fermento em pó
1 pitada de sal
1/3 de xícara de iogurte grego [ou outro iogurte integral]
150 gr de manteiga em temperatura ambiente
150 gr de açúcar mascavo claro
1 colher de chá de extrato de baunilha
3 ovos caipiras grandes

para o recheio/cobertura:
1/3 xícara de amido de milho [tipo maisena]
2 e 1/2 xícaras de leite de amêndoas [sem açúcar—ou outro leite]
1 xícara de açúcar mascavo claro
2 colheres de sopa de extrato de cevada [barley malt—ou melado]
1 xícara de cacau em pó de boa qualidade peneirado
1 colher de chá de extrato de baunilha

Pré-aqueça o forno em 400ºF/200ºC. Unte duas formas redondas de bolo com óleo e forre o fundo com papel vegetal ou manteiga.

Pique a batata doce e coloque numa panelinha, cubra com água e leve ao fogo alto até elas ficarem macias. Coloque a batata num processador de alimentos e pulse, adicionando um pouco da água do cozimento, até formar um creme sedoso. Se quiser pode assar ou cozinhar a batata no vapor. Reserve.

Numa vasilha peneire junto a farinha de espelta, a canela, o cacau, o sal e o fermento. Reserve. Numa outra vasilha misture o creme de batata com o iogurte e misture bem até obter um creme.

Na batedeira coloque a manteiga e o açúcar e bata até obter um creme. Adicione a baunilha e os ovos, um de cada vez, batendo sempre em velocidade média. Adicione os ingredientes secos, batendo para misturar. Adicione a mistura de batata e iogurte. Misture bem e despeje a massa nas duas formas preparadas, dividindo uniformemente. Espalhe com uma espátula. Leve ao forno e asse por 35 minutos, ou até os bolos estarem completamente cozidos no centro. Remova do forno, deixe esfriar um pouco, desenforme e deixe esfriar completamente.

Enquanto isso faça o creme. Misture o amido de milho com 1/3 do leite e mexa para dissolver bem. Coloque o restante do leite numa panela com o açúcar, o cacau e o extrato de cevada [ou melado] mexendo com um batedor de arame. Quando começar a ferver, adicione a mistura com o amido de milho e mexa constantemente até o leite engrossar, formando um creme. Remova do fogo, adicione o extrato de baunilha. Mexa bem, deixe esfriar.

Para montar, corte os bolos ao meio [eu faço um corte em volta com uma faca, depois passo um fio de linha pelo meio.]. Tome cuidado pois esse bolo fica mais denso do que fofo. Distribua o recheio pelas camadas e o restante coloque sobre o bolo, como cobertura.

nhoque de batata azul
[com manteiga queimada & sálvia]

O meu supermercado oferece toda semana cartõezinhos com receitas de comida e bebida. Eles ficam numa caixinha na saída no caixa e eu sempre dou uma olhada neles, porque ás vezes tem coisas bem interessantes. Num dia eu avistei essa receita de nhoque e levei porque tinha certeza que tinha todos os ingredientes em casa e resolvi fazer pro almoço de domingo. No final as batatas da receita eram das doces roxas e as minhas eram comuns, porém da variedade azul. E eu também não tinha a ricota, que substituí receosamente por sour cream. Apesar das adaptações, os nhoques ficaram levinhos e muito saborosos. A massa ficou levemente azulada, mas depois que cozinhou ficou mais pro cinza. Faça com as batatas que tiver, doce ou não.

500 gr de batata azul [ou batata doce roxa]
1/3 xícara de ricota [*usei sour cream]
1/3 xícara de queijo parmesão ralado
1 gema de ovo caipira [*usei de ovo de pata]
1/8 de colher de chá de nos moscada ralada na hora
1 colher de chá de sal
1 colher de chá de pimenta do reino moída na hora
de 1/2 a 1 xícara de farinha de trigo [*pra mim deu menos de 1 xícara]
4 colheres de sopa de manteiga
6 folhas de sálvia fresca

Asse as batatas em 400ºF/ 205ºC até elas ficarem macias. Ou cozinhe numa panela com água e escorra bem. Passe as batatas cozidas por um espremedor de batatas. Misture a ricota, o parmesão, a gema, a nos moscada e o sal e pimenta na batata espremida. Vá adicionando a farinha, 1/4 de xícara de cada vez, até dar o ponto de massa que possa enrolar. Forme uma bola e divida em 4 partes. Role cada parte numa superfície enfarinhada até obter uma massa bem comprida, então corte em pedacinhos com uma faca. Coloque numa forma polvilhada com farinha ou forrada com papel vegetal. Coloque uma panela com bastante água salgada no fogo e deixe ferver. Assim que ferver vá jogando os nhoques, em partes. Quando cozidos eles sobem para a superfície da panela. Remova com uma escumadeira e coloque numa travessa. Repita até cozinhar todos os nhoques.

Numa panela ou frigideira derreta a manteiga e deixe cozinha em fogo médio até ela começar a ficar dourada. Adicione as folhas de sálvia e cozinhe por 1 minuto. Jogue essa manteiga sobre os nhoques, polvilhe com parmesão ralado e sirva.

peixe com creme & salsinha
[e um purê diferente]

peixe-creme-salsinha

Descongelei dois pacotes de filés de peixe que tinha recebido na minha CSF. Achei que teríamos a companhia do Gabriel e da Joy pro almoço, mas não foi possível. Fiquei com um monte de peixe na geladeira e quis fazer uma receita rápida e fácil. Abri o livrinho so Nigel Slater — Eat: The Little Book of Fast Food e achei algo que gostei. Fiz o peixe no creme e um purê de batata, que não está na foto. Esse purê de batata com azeite e limão é simplesmente o fino da bossa. Experimente fazer!

Tempere os filés de peixe com sal e pimenta do reino moída na hora. Frite os filés em manteiga, virando para dourar dos dois lados. Coloque um pouco de vinho branco sobre o peixe e cozinhar por um minuto. Junte um monte de salsinha picada e regue com creme de leite fresco até formar um molho cremoso. Remova do fogo e sirva com um purê de batatas temperado com azeite e suco de limão. Cozinhe as batatas em água e sal, na hora de servir amasse bem [pode usar um mixer de mão] e junte azeite e suco de limão. Fica incrível.