bolo de limão Meyer e amêndoas

Ganhei duas baciadas de limões Meyer de uma das minha colegas de trabalho. O limoeiro dela está muito prolífico neste inverno. Minha alegria em ganhar esses limões é indescritível. Fiz logo duas receitas de geleia, essa de sempre e depois testei essa aqui. Depois quis fazer algo parecido esse bolo só que sem ovos. Procurei e achei essa receita neste blog. Deu certinho e ficou muito bom. A autora da receita recomenda pesar todos os ingredientes e foi o que fiz. Ela também recomenda usar limões com casca mais fina possível. Os limões Meyer são perfeitos neste quesito.

250gr de limões orgânicos grandes com a casca ainda e bem lavados
250gr de farinha de amêndoa/farinha de amêndoa branqueada
200gr de açúcar granulado
85gr de fécula de batata ou amido de milho
120gr de água
3 colheres de chá de fermento em pó

Lave bem a casca dos limões e remova os caules, se ainda estiverem. Adicione cerca de 4 xícaras de água em uma panela pequena e coloque os limões inteiros na água. Em fogo médio, cozinhe os limões por 30 minutos até conseguir furar a casca sem resistência. Escorra a água e deixe os limões esfriarem. Pique grosseiramente os limões e retire todas as sementes. Coloque o limão picado em um processador de alimentos e bata até formar uma pasta grossa com pequenos pedaços de casca.

Pré-aqueça o forno a 170°C/350°F. Unte ou forre uma forma de bolo de 20 cm com papel manteiga. Adicione o restante dos ingredientes do bolo ao processador de alimentos. Processe até que a mistura esteja combinada e bem espessa, como a textura de um arroz doce grosso. Se a massa estiver mais líquida, adicione 1 colher de sopa (7g) de fécula de batata por vez e misture até formar uma massa espessa. Em caso de dúvida, opte por uma massa mais espessa em vez de uma massa mais fina. Coloque a massa do bolo na forma e alise a superfície com uma colher ou espátula.

Asse o bolo por 35-40 minutos. O bolo está pronto quando um palito pode ser inserido no meio e saia bem seco. Deixe o bolo esfriar completamente na forma. Pode polvilhar com açúcar de confeiteiro, se quiser.

sopa cremosa de cogumelos

Meu estilo de cozinhar é sempre comprar ingredientes sem ter muito ideia do que fazer com eles e depois ir atrás de receitas. Isso quando já não tenho o que chega na cesta orgânica. No caso dessa receita, comprei uma caixa enorme de cogumelos crimini e de repente a receita dessa sopa passou pela minha frente via revista Bon Appetit. Quis colocar aqui porque ficou uma delicia. Pode usar qualquer tipo de cogumelo.

1/4 xícara de azeite extra-virgem
350 gramas cogumelos mistos como crimini*, shiitake, ostra e/ou maitake, cortados ou rasgados em pedaços pequenos [*usei apenas os crimini]
1 cebola grande finamente picada
4 dentes de alho em fatias finas
1/3 xícara de vinho branco seco
1/4 xícara de castanha de caju crua
1 colher de sopa de missô branco*
[*usei um de grão-de-bico que eu mesma fiz]
Pimenta do reino moída na hora
Sal Kosher

óleo de alho
3 colheres de sopa de azeite extra-virgem
3 dentes de alho em fatias finas
1 colher de sopa de folhas de tomilho fresco
1/2 colher de chá de pimenta do reino moída na hora
Sal Kosher

Aqueça o óleo numa panela pesada em fogo médio-alto. Disponha os cogumelos em uma única camada e cozinhe, sem mexer, até dourar por baixo, por cerca de 3 minutos. Mexa e continue a cozinhar, mexendo ocasionalmente, até dourar por completo, mais 5–7 minutos. Usando uma escumadeira, transfira os cogumelos para um prato, deixando o óleo que sobrar na panela.

Adicione a cebola à panela; tempere com sal. Cozinhe, mexendo sempre e reduzindo o fogo conforme necessário se começar a dourar, até ficar bem macio, 8–10 minutos. Adicione o alho e continue cozinhando, mexendo ocasionalmente, até ficar macio e perfumado, cerca de 3 minutos. Adicione o vinho e cozinhe até evaporar quase completamente, cerca de 1 minuto. Adicione 5 xícaras de água e coloque os cogumelos de volta na panela. Leve para ferver.

Transfira 2 xícaras de sopa (incluindo parte dos cogumelos) para um liquidificador e adicione as castanhas de caju e o missô. Bata até ficar bem homogêneo. Adicione novamente na sopa. Cozinhe, mexendo ocasionalmente, até que os sabores se fundam, 10–15 minutos. Tempere com sal e pimenta. Pode também bater toda a sopa no liquidificador, se você tiver um bem potente.

óleo de alho
Leve o azeite, o alho, o tomilho e a pimenta para cozinhar em uma panela pequena em fogo médio. Cozinhe delicadamente até que o alho esteja macio e dourando nas bordas, cerca de 3 minutos. Tempere com sal.

Para servir, coloque a sopa em tigelas e regue com azeite de alho. Como eu bati toda a sopa no liquidificador com as castanhas, refoguei cogumelos separados e coloquei sobre a sopa na hora de servir.

panqueca de banana & aveia

Quis pedir uma receita pro ChatGPT pra ver como funcionava. Eu queria uma panqueca vegana, sem farinha de trigo e com banana. Recebi essa e ficou bem boa. Já fiz inúmeras vezes.

1 banana madura
1/2 xícara de aveia em flocos
1/4 xícara de leite vegetal
2 colheres sopa de coco ralado [*eu que adicionei na receita, é opcional]
Pode adicionar extrato de baunilha ou canela em pó

Bater tudo no liquidificador. Colocar um pingo de óleo numa frigideira em fogo médio, colocar a massa e cozinhar sem mexer até conseguir virar, depois cozinhar do outro lado. Dá uma panqueca grande ou duas pequenas. Rechear com o que quiser. Nesta foto eu usei frutas frescas de verão e uma calda de goiabada que eu fiz, derretendo com água um bloco de goiabada.

Thanksgiving Nº 26

Este nosso Thanksgiving número 26 estava fadado a ser um fracasso desde que o Uriel regressou uma semana antes de uma viagem à Alemanha gripado. Dois dias antes da festividade estava eu totalmente nocauteada pelo vírus europeu, estatelada na cama, sem ideia do que cozinhar, nem lista dec compras, muito menos compras feitas. Achei que seria o Thanksgiving mais triste da minha vida. Mas meu corpo reagiu forte e na quarta-feira o Uriel chegou da Bay Area, me ajudou a lavar todos os legumes & verduras da cesta orgânica que minha amiga tinha pegado pra mim no dia anterior quando eu ainda não conseguia ficar em pé. Ele lavou e ensacou uma quantidade enorme de ingredientes e depois fomos fazer umas comprinhas de última hora. Na quarta-feira também chegou um livro do Ottolenghi que eu tinha comprado por sugestão da Alexa. Quando abri o livro e olhei pros ingredientes que eu já tinha, pensei––está tudo resolvido, só preciso ter energia! E energia eu tive. Cozinhei o dia de Thanksgiving inteirinho, como deve ser. Só mudei que fiz almoço e jantar, pois normalmente no Thanksgiving faz-se somente o jantar. Dividi as receitas em dois turnos. Preparei a sobremesa rapidamente na quarta à noite e abri uma romã. A sobremesa foi um tiro no escuro. Comprei um leite de pistache e fiz uma panna cotta improvisada com metade da quantidade de agar-agar e adicionei folhas de figo secas e moídas no leite. Adocei com nectar de agave. Só isso. Na hora de servir misturei um iogurte de coco que consumismo diariamente aqui em casa [Cocojune] com água de rosas e sementes de romã. Não adocei. Ficou perfeito!

As outras receitas foram: feijão branco [butter beans] refogado com cebola e nabo assado, com chips de alho, sálvia e alecrim fritos e um óleo de salsinha; picles de berinjela com iogurte*; azeitonas [as minhas] marinadas no gin; beterrabas assadas com hortelã fresca e cebolinhas chamuscadas; vagens salteadas com furikake; abóbora e couve de Bruxelas assadas, com molho de tahini e dukkah*; batata doce assada com goma dare e crispy tofu*.

[*receitas do Ottolenghi]

torta de cogumelos & batata

Fiz essa torta por acaso, porque tinha sobras de cogumelos refogados e de umas batatas assadas [aquelas no murro] e não queria de jeito nenhum que estragasse ou fosse pro lixo. Então fiz uma torta pequena, metade da receita normal de massa e a danada da torta ficou deliciosa, o Uriel adorou, devoramos tudo. Então refiz, com uma quantidade normal de massa [receita logo abaixo] e comprei cogumelos que fiz especialmente pra essa receita. Também fiz mais batatas ao murro, porque estou nesse momento enterrada em batatas orgânicas, é a temporada. Mas não precisa fazer ao murro, basta só assar. Fiz esa torta pra levar numa festa de halloween na casa de um dos nossos vizinhos. Ficou bem apropriada, porque os cogumelos dão essa aparência escura que combina bastante com essa festividade. Eu servi acidentalmente com uma sobra de pesto e na segunda vez fiz o pesto especialmente pra acompanhar. Tudo combina muito bem.

para fazer o recheio:
2 caixinhas de cogumelos da sua preferência [usei os criminis]
1 cebola pequena fatiada
4 batatas pequenas assadas
Ervas frescas a gosto [usei tomilho e cebolinha]
Sal e pimenta do reino moída na hora

Asse as batatas e refogue os cogumelos e a cebola fatiada num pouco de azeite. Tempere com sal e pimenta do reino moída na hora. Espere tudo esfriar e coloque num processador de alimentos. Junte as ervas frescas e pulse até formar uma massa pedaçuda. Recheie a massa da torta.

para fazer a massa:
1 e 1/2 xícara de farinha de trigo
1/4 de xícara de nutritional yeast
1/2 colher de chá de sal
8 colheres de sopa [113 gr—1 tablete] de manteiga normal ou vegana
5 a 6 colheres de sopa de vinho branco gelado
Pode adicionar na massa ervas secas como alecrim ou tomilho

No processador, pulsar a farinha, o yeast, o sal e a manteiga até formar uma farofa. Vai adicionando o vinho gelado até a massa grudar. Formar uma bola, embrulhar em filme plástico e colocar na geladeira por 30 min. Abrir a massa, rechear com a mistura de cogumelos e batatas e salpicar sal Maldon ou outro sal granulado, dobrar as bordas e pode salpicar com um pouco de sal em flocos, tipo Maldon ou flor de sal. Assar em forno pré-aquecido em 425F/220C por 30 minutos. Remover do forno, deixar esfriar um pouco e servir com um pesto. Eu fiz esse com suco de limão, pinoles, manjericão, alho fermentado, nutritional yeast e azeite.

tempurá de sálvia

Tem uma área de ervas na fazenda orgânica da UC Davis onde podemos fazer u-pick, quer dizer, colher as plantinhas você mesmo. De vez em quando quando vou buscar minha cesta de legumes e verduras e meu buquê de flores semanais, paro lá. Noutro dia vi que o arbusto de sálvia estava simplesmente maravilhoso e tive que colher algumas. Mas o que fazer com elas? A sálvia é uma erva de aroma bem pungente e pode dominar além da conta se for usada em demasia. Não é minha erva favorita, mas ela abunda aqui neste micro-clima mediterrâneo onde eu vivo. Andando pelas ruas vê-se muitas variedades de sálvia, algumas usadas como arbustos ornamentais. Eu tenho aquele tipo bem fininha no meu quintal e às vezes faço chá com as folhas. Mas pra essas folhas largas que peguei na fazenda orgânica decidi empanar e fritar.

Faço uma massinha meio no olhômetro com:
1 parte de farinha de grão-de-bico
1 parte de farinha de arroz
1 parte de água filtrada [o suficiente para fazer uma massa liquida, mas ainda consistente e que possa aderir nas folhas]
Temperinhos secos a gosto [uso sempre nutritional yeast, ervas secas, sal, alho em pó, páprica defumada, mas o céu é o limite]

Aqueça mais ou menos uns dois dedos de óleo numa panela e quando estiver bem quente passe as folhas pela massinha, escorra um pouco pra não ficar pingando, e coloque com cuidado no óleo. Eu frito umas três folhas por vez, pois uso uma panela pequena de uns 25 cm. Remova assim que dourarem dos dois lados e coloque sobre uma forma forrada com papel absorvente. É fritura, então coma com moderação, mas com muita alegria, porque fica muito gostoso.

e ainda estamos por aqui

Ou pelo menos eu estou, pois uso este blog constantemente como caderno de receitas. Espero que ele esteja sendo útil para mais pessoas, que passam por aqui aleatoriamente ou propositalmente. Se todas as receitas acabaram se aposentando como um grande arquivo, já está muito bom. Outro dia recebi uma batata doce gigante na cesta orgânica e lembrei dessa receita que fiz há muitos anos. Foi uma lembrança auspiciosa e a sopa é realmente deliciosa. Um brinde à todas as receitas que dão sempre certo, que viram coringas e que fazem a gente brilhar no palco iluminado das festas com amigos, vizinhos e família. Hooray!

a comida de sempre

Devo ser a maior usuária deste blog, pois estou sempre entrando aqui para pegar receitas. Refaço muita coisa que já era originalmente vegetariano/vegano ou dou uma recauchutada, mudando alguns ingredientes. Não ando numa fase criativa na cozinha pras refeições, minha comida é sempre a mesma. Mas tenho explorado outros campos, feito muitos fermentados, desidratados, germinados e pão. No final do ano passado fiz mais duas levas grandes de azeitonas, que tenho usado em muitas receitas, saladas, pizza. Num dia em que fiz uma salada com erva-doce, laranjas ganhadas da minha vizinha e as azeitonas que eu mesma processei, caí na real que usar as próprias azeitonas é que é chique. Move over truffles! Também fiz duas versões de missô, uma delas [de abóbora] já ficou pronta, dei até alguns potinhos de presente. Ainda tenho o missô de grão-de-bico fermentando e envelhecendo––precisa esperar 6 meses no total e pra esse ainda faltam dois. É um exercício de paciência. No inverno descolei maneiras de arranjar cítricos, ou catando pela vizinhança ou pedindo, ou simplesmente ganhando. Teve aqui no inicio de janeiro uma tempestade fenomenal chamada de “bomba de ciclone” e muitas árvores caíram, como também muitas frutas. Uma das minhas vizinhas me chamou pra pegar os limões dela, que ela colheu e colocou em caixas. Fiz muitas coisas com eles, inclusive essa receita de limoncello & pepe. Já outras pessoas da vizinhança simplesmente podaram os galhos dos limoeiros e jogaram tudo na sarjeta, com os limões ainda pendurados. Não tenho pudores, peguei minhas cestinhas e sacolinhas e corri lá. Uma delas era de limão Meyer e fiz geléia, a marmalade que até levei de presente pra minha irmã e pra sogra dela em Portugal. Limão Meyer não é uma coisa muito comum fora da Califórnia. Outra árvore podada era de limão Siciliano, e espremi o suco e congelei, usei a casca desidratada pra fazer sal com limão e ervas. Não deixo nada ser desperdiçado. No inicio da primavera minha amiga que também mora aqui na minha cidade me chamou pra colher uns figos na figueira dela, que é daquelas que dão frutas que amadurecem secas, não são comestíveis. Quis tentar fazer aquele doce clássico brasileiro com os figos ainda verdes e deu certo. Refiz duas vezes, fiz o doce em calda e o cristalizado, que eu desidrato depois de fazer eles cozido na calda. Ficam maravilhosos. Com as folhas dos figos fiz licor. Ainda peguei mais figos numa árvore da cidade e noutra na fazenda orgânica. Não tem mais espaço para potinhos de figos em calda nas minhas geladeiras. Agora é a hora de colher morangos e vou lá na fazendinha, como faço todos os anos desde que me mudei pra Woodland. Daqui a pouco começam a chegar os tomates. Já percebi que gosto mais da rotina do que dos desafios, mas estou sempre incorporando alguns desafios na minha roleta de estações, que estão sempre chegando e indo embora, mesmo com os efeitos já perceptíveis das mudanças climáticas. Estou bem animada com a chegada do verão porque quero fazer novamente minhas uvas-passas. Já estou de olho em várias parreiras urbanas negligenciadas ou esquecidas na minha rota de caminhadas. Eu e as aranhas que aproveitamos bastante essas frutinhas que as pessoas plantam mas não colhem. E convenhamos que outra coisa chique demais é colocar as próprias uvas-passas no seu mingau de aveia, não é?

salada de nabo com laranja

Sinto muito que este blog agora parece só ter receitas com tofu e nabos, mas me eximo dessa culpa. A culpa na verdade é da minha cesta orgânica que me soterra com vários tipos de nabos durante praticamente metade do ano [na outra metade é batata e repolho, hahaha!]. Tenho que usar a criatividade ou buscar ajuda nos livros das pessoas criativas pra usar esses legumes extremamente picantes, pungentes e com os quais não tenho muita familiaridade [não cresci comendo]. De vez em quando saí algo gostoso, como essa salada. Até enviei a receita pra minha amiga com quem eu divido a abundante cesta orgânica, pois ela também tem que lidar com essa fartura de nabos!

Esta salada é tunisiana tirada do livro New Book Of Middle Eastern Food da Claudia Roden.

Lave 450gr de nabos e corte em fatias bem finas. Colocar essas fatias para marinar por pelo menos 1 hora em uma mistura de 3 colheres de sopa de azeite extra virgem e uma mistura de suco de laranja e limão, pode colocar um dente de alho amassado [eu geralmente omito alho cru], sal, e pimenta do reino moída na hora. Pode adicionar também uma pitada de pimenta malagueta. Sirva decorado com raminhos de salsinha e uma laranja picada.

veganos & vegetarianos em Portugal

Estive em Portugal em março visitando minha irmã e meus sobrinhos. Eu, carregando a bandeira vegana e minha irmã e minha sobrinha, a vegetariana. Em Lisboa comemos muitíssimo bem em lugares deliciosos. Em Coimbra e Aveiro também conseguimos achar lugares legais. Acho que deu pra me alimentar uns 70% vegano, foi muito bom!

Lisboa:
26 vegan food project
Honest Greens
The Green Affair
Tataoim
Orteá

Coimbra:
Cozinha Consciente

Aveiro:
Restaurante Musgo