molho à putanesca cru

Com um acúmulo delirante de tomates na cozinha, busquei por algo diferente para usá-los e essa foi a receita perfeita para cozinhar com tomates um domingo tórrido de verão. A receita original pede espaguete, mas eu fiz o macarrão em casa. Acrescentei no final um pouco de um molho de manjericão que fiz para gastar um maço que já iria começar a ficar feio. Mas esse detalhe não é necessário. Estava meio assim com o fato do molho ser frio, mas ficou absolutamente delicioso!

2 tomates grandes cortados ao meio, sementes removidas
2 dentes de alho
1 colher de chá de pimenta vermelha em flocos
2 colheres de chá de sal kosher
1 e 1/2 xícaras de tomates cereja cortados ao meio
1 xícara de azeitonas Castelvetrano, sem caroço picadas
2 colheres de sopa de alcaparras drenadas
1/4 de xícara de azeite extra-virgem
350 gr de espaguete [usei meu macarrão caseiro]
1/2 xícara de salsinha picada [usei manjericão]
3 colheres de sopa de manteiga sem sal [usei manteiga vegana]

Coloque os tomates grandes no liquidificador ou processador, acrescente o alho, flocos de pimenta vermelha e 2 colheres de chá de sal. Bata bem até ficar um creme. Transfira o molho para uma tigela grande e misture com os tomates cereja, as azeitonas, alcaparras e 1/4 xícara de azeite. Reserve.

Cozinhe o espaguete em uma panela grande de água fervente com sal, mexendo ocasionalmente, até a pasta ficar al dente. Escorra a massa. Misture um pouco da manteiga no espaguete escorrido. Junte o molho. Misture bem. Decore com folhas de manjericão ou com a salsinha picada, regue com azeite. Se fizer o molho de manjericão, coloque um pouco dele por cima de tudo, e sirva.

molho de manjericão com limão preservado no sal
Um maço de manjericão fresco
Um limão preservado no sal, sementes removidas
Azeite o quanto baste

Todo inverno eu faço esses limões preservados no sal. Faço com o limão siciliano, com o rosa e com o meyer. Pra essa receita usei um meyer inteiro. Coloquei manjericão e limão no liquidificador e fui acrescentando azeite até formar um molho bem cremoso. Depois é só usar. Ficou tão bom que fiquei lambendo a espátula. hohoho!

molho à putanesca cru

molho de manjericão com limão

focaccia

Nunca tinha feito uma focaccia. Não que me lembre. Um dia decidi fazer e peguei essa receita da revista Bon Appétit. Tenho um hábito horrível de ler apenas a lista de ingredients e dar uma passada de olhos nas intruções. Me danei com essa receita quando vi que teria que esperar muitas horas [8!!] da primeira pra segunda fermentação. Então comecei esse pão num dia e terminei no outro. Mas valeu à pena, ficou uma gostosura total! A adição do alecrim e dos tomatinhos foi por minha conta.

6 e 1/4 de xícaras de farinha de trigo
2 e 1/4 colher de chá ferment de pão [levedura seca ativa—a partir de um pacote de 7gr]
1 pitada de açúcar
2 colheres de sopa de sal
5 colheres de sopa de azeite de oliva extra-virgem, dividido, e mais extra para untar a forma e depois regar
Sal marinho em flocos [Maldon]

Combine a farinha e 2 e 1/2 xícaras de água em temperatura ambiente na tigela de um batedeira equipada com o gancho de massa. Misture em velocidade baixa, raspando os lados com uma espátula conforme necessário para incorporar qualquer farinha seca, até formar uma massa desgrenhada. Retire o gancho e cubra a vasilha com plástico. Deixe- descansar enquanto prepara o fermento [você pode deixar a massa nesse estado até 2 horas].

Misture o fermento, o açúcar e 1/2 xícara de água morna com um garfo em uma tigela pequena para dissolver. Deixe descansar até que o fermento fique espumoso, cerca de 5 minutos.

Despeje a mistura de levedura na tigela da batedeira e misture em velocidade baixa até que a massa absorva toda a água adicional, por cerca de 1 minuto . Adicione o sal e continue a misturar, aumentando a velocidade para médio, até que a massa fique extremamente elástica e pegajosa [pode grudará nas laterais da tigela), cerca de 5 minutos.

Despeje 3 colheres de sopa. óleo em uma tigela grande (de preferência de vidro) e espalhe para cobrir os lados. Remova a da tiigela da batedeira massa com uma espátula grande. Coloque na tigela de vidro untada com azeite e cubra com um pano. Coloque em um local fechado e quentinho até que a massa dobre de volume, de 1 a 2 horas.

Espalhe 2 colheres de sopa de azeite sobre uma assadeira rasa e grande, dobre a massa dentro da tigela por duas vezes para esvaziar o ar e então rcoloque sobre a assadeira preparada. Usando as mãos lubrificadas com azeite, levante massa e dobre-a ao meio, em seguida, girar a assadeira em 90° e dobre a massa ao meio novamente.Cubra a massa com um pedaço de plástico e deixe descansar 10 minutos para deixar o glúten relaxar.

Com as mãos lubrificadas, estique delicadamente a massa puxando ao longo do comprimento e largura da assadeira em uma camada uniforme. Cubra novamente com o mesmo pedaço de plástico e deixe descansar por pelo menos 8 horas e até 24 horas dentro da geladeira.

Remova a assadeira da geladeira e deixe descansar em um local aquecido até que a massa fique crescida e borbulhante e quase dobre em altura, por 45 a 65 minutos . Enquanto isso, coloque a grade no centro do forno e pré-aqueça a 450°F/232°C.

Retire o plástico e regue a massa com mais azeite. Lubrifique as mãos novamente e pressione as pontas dos dedos firmemente na massa, fazendo buracos. Coloque um tomatinho em cada buraco, salpique com folhas de alecrim fresco e sale m flocos [Maldon ou sal grosso].

Asse a focaccia por 25 e 35 minutos até que a superfície fique dourada. Deixe esfriar na forma por 10 minutos. Deslize uma espátula de metal fina por baixo da focaccia para soltar da forma e transfira para uma grade. Deixe esfriar completamente antes de cortar e servir. Eu servi a minha na forma mesmo!

salada de trigo [com tomate, vagem, rabanete & alho-poró]

Essa salada é um bom exemplo de como usar muitos ingredientes num prato só. Recebi grãos de trigo [wheat berries] na minha cesta orgânica. Sempre deixo os grãos de molho de um dia para o outro, dreno a água no dia seguinte, lavo bem e cozinho na panela de pressão com umas folhinhas de louro. Depois foi só refogar um talo de alho-poró picadinho no azeite, picar uns rabanetes, uns tomatinhos e umas vagens chinesas levemente cozidas no vapor. Colocar tudo numa travessa e temperar com um vinagrete clássico—vinagre de vinho, azeite, sal & pimenta do reino moída na hora. Se quiser pode adicionar um pingo de agave ou maple no vinagrete. Mistura e serve. Essa salada guarda muito bem e continua muito boa no dia seguinte.

raw ketchup – catchup cru

Vi essa receita no canal Diário de uma Vegana de uma moça chamada Alana Rox. Ela não deixa instruções escritas no canal, então é muito difícil a gente ver e anotar os ingredientes e quantidades. E ela faz tudo num potinho minúsculo, acho que é quantidade pra uma pessoa. Mas curti essa idéia e resolvi fazer com os últimos tomates da estação, que comprei no mercadinho de frutas. Os meus eram tomates heirloom e fiz um pouco mais que a quantidade da receita dela. Ficou um molho interessante. Eu congelei três vidros, vamos ver se vai ficar tão bom depois de descongelado.

1 xícara de tomate cereja
1/3 xícara cebola roxa picadinha
1/2 xícara de gojiberry mais 2 tâmaras sem caroço [hidrata em água por uns 10 min]
1 colher de chá de sal
1 colher de sopa de vinagre de maçã
folhas de manjericão fresco
1 dente de alho [usei o fermentado]
1/4 de beterraba
1/3 xícara de azeite

Bater tudo no liquidificador. Colocar um potes fechados e levar à geladeira.

berinjela grelhada [ao meu estilo]

Comemos muitas berinjelas neste último verão e essa foi a minha receita clássica da estação, que fiz, refiz e modifiquei até não poder mais. Usei muitos tipos de berinjela, as comuns, as rajadas, as brancas, as japonesas. Pra fazer essa receita é só fatiar as berinjelas, temperar com sal, pimenta e azeite. Grelhar na grelha, forno ou churrasqueira—aqui é sempre churrasqueira o verão inteiro. Espalhar as berinjelas grelhadas num prato ou travessa, cobrir com um molhinho de pesto feito em casa [geralmente bato no mini-processador folhas de manjericão com azeite, só isso] ou um molho com amêndoas ou de castanhas de caju deixadas de molho de um dia para o outro e colocadas no liquidificador água, limão, azeite, sal, pimenta [algo mais ou menos como essa receita]. Nessa eu misturei o molho de amêndoa com um pouquinho do pesto, depois salpica um punhado de sementinhas de abóbora ou girassol tostadas por cima, outro tanto de ervas frescas picadas, uns tomatinhos cortados ao meio e, bon appétit, aproveitar!

udon com tomates grelhados & ponzu de limão

Uma receita super simples e refrescante para um jantar rápido nesses últimos dias do verão.

1/2 xícara de suco de limão [usei o Tahiti]
1 pimenta vermelha, sementes removidas e finamente picadas
1 pedaço de gengibre descascado e finamente ralado
1/3 xícara de vinagre de arroz
3 colheres de sopa de molho de soja
1 colher de chá de açúcar
4 xícaras de tomates cereja [usei 2 xícaras de tomates maiores]
1 dente de alho finamente picado
1 colher de sopa de azeite de oliva extra-virgem
Uma pitada de sal kosher
500 gr de macarrão udon cozido
2 pepinos médios cortado em fatias finas e depois em tiras
Folhas de coentro e sementes de gergelim tostadas para decorar

Faça o molho [ponzu] misturando o suco de limão, a pimenta, o gengibre, o vinagre, o molho de soja e o açúcar. Reserve.

Misture os tomates com o alho, azeite e sal e espalhe em uma assadeira. Coloque sob o broiler [se não tiver um broiler, grelhe numa frigideira no fogo] até que os tomates estejam bem macios e levemente carbonizados, de 10 a 12 minutos. Remova do forno e deixe esfriar.

Cozinhe o macarrão de acordo com as instruções da embalagem. Escorra e enxágue em água fria. Transfira o macarrão para uma travessa, tempere com o ponzu e misture bem. Na hora de servir coloque os tomates grelhados, o pepino, as folhas de coentro e salpique com as sementes de gergelim.

baingan bharta — berinjela defumada com tomate

baingan bharta smoky mashed eggplant

Outra receita do livrinho Indian Instant Pot® Cookbook que fiz na panela de pressão elétrica, mas que pode ser feita facilmente numa panela de pressão comum ou panela normal. Aparentemente o método mais tradicional de fazer esse prato tosta a berinjela na chama do fogão. A autora usa um líquido para simular o sabor do defumado, mas eu não usei.

1 berinjela média cortada em fatias
1/3 de xícara de óleo vegetal
3 dentes de alho
1/2 cebola picada
1/4 de colher de chá de curcuma em pó
1/8 de colher de chá de pimenta caiena em pó
Sal a gosto
1/3 xícara de tomate picado
1/2 xícara de água
1/4 colher de chá de liquid smoke [*omiti, porque não tinha]
2 colheres de sopa de folhas de coentro picadas [*usei de salsinha]

Pre-aqueça a panela de pressão elétrica selecionando “sauté” em “high heat”. Quando a panela estiver bem quente coloque algumas colheres de óleo e então uma camada de berinjela. Deixe cozinha até elas ficarem bem carbonizadas no fundo. Não mexa. Use uma espátula para remover as berinjelas. Adicione outra camada e deixe ficar bem tostada também. Assim que toda berinjela estiver bem tostadas adicione o alho, a cebola, a curcuma e pimenta e o sal. Deixe cozinhar por 1 minuto. Adicione os tomates e mexa bem com uma espátula. adicione a água, feche a panela e cozinhe por 3 minutos em pressão alta. Deixe a pressão sair, abra a panela e cozinhe em “sauté” por mais uns minutos, até todo o líquido se evaporar. Adicione o liquid smoke [não coloquei], misture o coentro [usei salsinha] e sirva. A autora recomenda servir com o pão naan.

sopa indiana de tomate & coco

tomato-coconut soup

Há muito tempo que eu queria comprar uma panela de pressão elétrica. Meus colegas no trabalho que tem uma, me contavam da praticidade. Panela de pressão sempre foi aquela coisa meio tensa pra mim, por causa do vapor, das histórias de acidentes. No Brasil eu até usei, mas aqui foi poucas vezes Em 1999 trouxe uma panela de pressão do Brasil dentro da mala e até que usei, mas depois ela foi ficando velha, a borracha estragou e acabou sendo reciclada. Com a elétrica e história é totalmente diferente. Ela não faz aquele escândalo com o vapor e é toda programável. Achei um pouco grande demais, mas fiz até o esforço de ler todo o manual pra não ter perigo de fazer nenhuma burrada. E comecei a usar. Já cozinhei muito feijão, arroz, grão de bico, lentilha, fiz sopa, fiz frango, fiz carne, nossa, estou absolutamente encantada! Daí comprei esse livro de receitas indianas para fazer na panela elétrica—Indian Instant Pot® Cookbook. Despiroquei! Já fiz várias receitas desse livro e vou fazer outras. Essa sopa fica linda e absolutamente deliciosa. Quem iria imaginar uma combinação dessas? Eu adorei.

1/2 lata de leite de coco [*uso sempre orgânico]
1/2 cebola roxa cortada em cubos
6 tomates orgânicos cortados em quatro
1/4 xícara de folhas de coentro fresco picadas
1 colher de chá de alho picado
1 colher de chá de gengibre fresco picado
1 colher de chá de sal
1/2 colher de chá de pimenta caiena
1 colher de chá de curcuma/açafrão
1 colher de sopa de néctar de agave ou mel

na panela de pressão elétrica—Instant Pot
Coloque todos os ingredientes no Instant Pot e cozinhe em High durante 5 minutos. Retire do pote e use um o liquidificador ou um mixer de imersão para triturar todos os ingredientes e obter uma sopa cremosa.

no fogo ou panela de pressão comum
Na pressão cozinhe 5 minutos depois que a pressão começar. Na panela cozinhe todos os ingredientes até que os tomates estejam moles e estourando. Retire da panela e use um liquidificador ou um mixer de imersão para triturar todos os ingredientes e obter uma sopa cremosa.