picolés de figo com balsâmico
e banana com peanut butter

picoles-galore1.jpg

Antes de sair para nossa viagem ao Oregon, passei um dia tentando usar todos os ingredientes, i.e. zilhões de frutas e legumes, que tinha na cozinha. Para usar uns figos frescos e umas bananas fiz esses picolés, que ficaram excepcionais!

figo com balsâmico
6 figos
1 colher sopa de manteiga
1 xícara de iogurte natural
Nectar de agave [ou outro adoçante] a gosto
1 splash de vinagre balsâmico—usei um de figo & tangerina
Numa frigideira derreta a manteiga e frite os figos cortados pela metade. Deixe os figos esfriarem e coloque no liquidificador com os outros ingredientes. Forma e congelador.

banana com peanut butter
2 bananas
1 colher sopa de manteiga
1 xícara de leite de amêndoas [ou outro leite]
2 colheres de sopa de manteiga de amendoim

Numa frigideira derreta a manteiga e frite as bananas cortadas de comprido. Deixe as bananas fritas esfriarem e coloque no liquidificador junto com os outros ingredientes. Forma e congelador.

figo com anis, ricota e avelã

figo-ricota.jpg

Na semana retrasada perdi por questão de segundos a última caixinha de figos que um dos produtores do Farmers Market de Woodland estava vendendo. Fiquei emocionalmente arrasada. Neste último sábado cheguei mais cedo e consegui comprar duas caixinhas. Essa é a primeira leva dos figos, que fazem um pequeno hiato e regressam no final de agosto para encerrar o verão num apoteótico gran finale. Comemos alguns dos figos al natural, acompanhados de mel e queijo brie. O restante eu assei, inspirada numa receita da Deborah Madison, que faz a versão sem assar e que também deve ficar muito bom. É regar os figos com um licor de anis [usei o Pernod] salpicar com um pouco de açúcar demerara e coloca-los para assar rapidamente no forno. Depois é só servir com ricota fresca e avelãs [ou amêndoas] tostadas.

salada de batata doce & figo

saladabatatafigoEsta é mais uma receita maravilhosa do livro Jerusalem do Yotam Ottolenghi e do Sami Tamimi. Ela me encantou logo de primeira vista. Será que é porque adoro figos [preciso dizer isso?] e adoro batata doce? Pode até ser. Mas também acredito que esse chef é um gênio para combinar frutas e legumes e a mistura desses dois ingredientes ficou absolutamente auspiciosa. Usei uma picante porém não flamejante pimenta jalapeño que já estava avermelhando. Não lembrei de colocar o queijo de cabra e sinceramente nem achei que fez falta.

4 batatas doces pequenas
5 colheres de sopa de azeite de oliva
40 ml de vinagre balsâmico vinegar
20 gr de açúcar
12 ramos de cebolinha partidas ao meio
1 pimenta vermelha fatiada no comprimento
6 figos frescos cortados em quatro
150 gr de queijo de cabra [opcional]
Sal Maldon e pimenta do reino moída na hora a gosto

Pré-aqueça o forno em 450ºF/ 240ºC. Lave e seque as batatas e corte em fatias longas e grossas ou cubinhos. Tempere as batatas com 3 colheres de sopa de azeite, 2 colheres de chá de sal e pimenta a gosto. Espalhe as batatas sobre uma assadeira forrada com papel alumínio e asse por uns 25 minutos, ou até elas ficarem macias, mas não desmanchando. Remova do forno e deixe esfriar totalmente.

Coloque o vinagre balsâmico numa panela pequena e leve ao fogo. Deixe ferver e abaixe o fogo, cozinhando por uns 2 ou 4 minutos, até o vinagre engrossar. Remova a panela do fogo e reserve.

Numa outra panela coloque o azeite restante, as cebolinhas cortadas ao meio e as fatias de pimenta. Deixe cozinhar por uns 4 ou 5 minutos, mexendo sempre. Desligue o fogo.

Monte a salada colocando as batatas assadas sobre uma travessa, espalhe os figos e tempere com o azeite e os ramos de cebolinha e pimenta cozidos nele. Regue com a redução de balsâmico, espalhe o queijo de cabra esmigalhado com as mãos por cima [eu não coloquei] e sirva.

saladabatatafigo_2S.jpg

o doce que vem no figo

fig-jam_1.JPG

Parti figo ao meio e a polpa era o doce mais doce dos doces. Neste verão posso dizer que me esbaldei de comer figos. Comi de todas as variedades que achei pra comprar. Só não tive ânimo de me enfiar debaixo daquela árvore de ninguém onde todo ano me aventuro colhendo uns figos diferentes, verde claro por fora e um marrom pálido por dentro. Esses super doces comprei da mocinha que vem de Esparto vender os produtos mais bonitos no Farmers Market de Woodland. Ela já me conhece de outros carnavais e este ano teve até a audácia de guardar figos pra mim, na certeza de que eu compraria. E eu comprei. Voltei lá depois de comer os figos com doce dentro e mostrei essa foto para ela. Disse—seus figos vêm com doce de figo dentro. Ela riu com uma cara de bocó, porque muitos dos produtores do nosso pequeno Farmers Market parecem ser pegos de surpresa pelas coisas que eu falo pra eles. Sem mencionar a complexidade inovadora do discurso que vem sempre acompanhado de material ilustrativo. Saco o telefone da bolsa, mostro as fotos e falo coisas elogiosas, como se eu estivesse falando dos filhos deles, dizendo como são bonitos, inteligentes e talentosos. Eles sorriem agradecidos ou ficam com cara de abobalhados, com certeza pensando de onde saiu essa mulher que vem toda semana aqui com esse papo. Outro dia fui mostrar umas fotos dos figos pra um casal de quem eu sempre compro frutas e com quem sempre converso um bocado. Eles se entreolharam estupefatos. Num outro dia mostrei a foto das peras e das maçãs. E ainda no outro a das berinjelas rajadas. Nesse dia o moço não se aguentou e me disse entusiasmadamente—você deveria estar aqui deste lado junto com a gente, ajudando a vender nossos produtos. Ele falou isso num impulso, mas não parecia estar brincando.

salada de figo & rúcula

salada-figosrucula_1S.jpg

Na terça-feira passada saí do trabalho e fui direto para o Farmers Market de Woodland. Eu precisava comprar ovos e queria aproveitar os últimos momentos da temporada dos figos. Gastei todo o dinheiro que tinha na carteira com eles. Na banquinha de uma família de fazendeiros mexicanos de Esparto, comprei os figos de casca verde e miolo roxo mais doces que já comi. E de aparência absolutamente impecável, sem manchas, sem amassos, porque tinham sido colhidos naquele mesmo dia. Na mesma banca dos ovos, a moça vendia figos de casca mais verde escura e quando eu agarrei todas as cestinhas disponíveis, ela me disse que a árvore dela continuava frutificando, ela colhia, colhia, e os figos continuavam amadurecendo. Eu então disse alegremente que ela continuasse trazendo os figos pra vender, que eles teriam comprador certo [eu!]. Cada cestinha desses figos locais e fresquíssimos custam três duas e meia patacas no Farmers Market de Woodland. Aproveitando estou, pois boba não sou!

Os figos verdes claros comi todos frescos, abrindo ao meio e abocanhando a maioria com casca e tudo. E com os verdes mais escuros fiz essa salada, tentando imitar a que comi no Piccino cafe em San Francisco.

Você vai precisar de um maço de rúcula, figos frescos, um pedaço de queijo gorgonzola ou blue e avelãs torradas. Eu torro as minhas na frigideira, pois acho mais fácil. Monte a salada e tempere com sal [usei o Maldon], pimenta do reino moída na hora, azeite de oliva extra-virgem e uma redução de vinagre balsâmico. Para fazer a redução é só colocar uma quantidade de vinagre numa panelinha e levar ao fogo baixo até o liquido engrossar, ficar como um xarope. O melhor é temperar a rúcula separadamente numa vasilha com o sal, pimenta e azeite. Colocar a rúcula temperada numa travessa e salpicar com os figos cortados ao meio ou em quatro, as avelãs torradas e pedacinhos de queijo gorgonzola ou blue. No final colocar um pouquinho da redução de balsâmico por cima e servir imediatamente.

salada-figosrucula_2S.jpg

gelado de figo & balsâmico

geladofigobal_1S.jpg

A estação dos figos por aqui tem duas etapas—a primeira no inicio de julho e a segunda no final de agosto. Não sei por que isso acontece, mas acho que é uma coisa boa, já que podemos aproveitar essa fruta deliciosa em dose dupla. A primeira fase já se encerrou e os últimos figos que comprei estavam ultra maduros. Tive que guardá-los na geladeira e achar um uso rápido pra eles, além de comê-los puro, com queijo, com mel ou iogurte, como normalmente fazemos. Não ando muito animada com tortas e bolos, porque meu fogão a gás é super potente e nesses dias quentes não quero transformar a cozinha numa sauna. A opção escolhida neste caso foi fazer um sorvete de figos.

6 a 8 figos bem maduros
1/3 xícara de creme de leite fresco
1 splash generoso de vinagre balsâmico
[* usei esse com frutas—tangerina e figo]
Açúcar de maple a gosto [ou outro adoçante da sua preferência]

Bata tudo no liquidificador, coloque na sorveteira, rode até o creme ficar bem firme, coloque numa vasilha de vidro com tampa e guarde no congelador até a hora de servir.

geladofigobal_2S.jpg

savories de queijo & figo

savories_1S.jpg

São poucas as chances de eu ser pega no flagra com a mão na lata de biscoitos, porque não sou uma cookie person—nem pra comer, nem pra fazer. Mas um dia uma receita tentadora aparece para me convencer a colocar as mãos na massa. E esses nem são biscoitinhos doces, como a maioria. São bolachinhas de queijo para comer como aperitivo, acompanhadas de uma bebidinha, só para abrir o apetite. São facilimos de fazer, a massa é muito maleável e o único trabalho é cortar e colocar a geléia. Usei uma caseira, que tinha feito com figos frescos no final do verão. Pode-se usar também uma marmelada ou geléia de pera.

faz 3 dúzias
1 xícara de farinha de trigo
113 gr [8 colheres sopa] de manteiga em temperatura ambiente
113 gr [8 colheres sopa] de queijo azul [ou gorgonzola]
Pimenta do reino moída na hora
Geléia de figo

Pré-aqueça o forno em 350ºF/ 176ºC. Forre duas assadeiras com papel vegetal [parchment paper]. Coloque a farinha, a manteiga, o queijo e pimenta do reino moída a gosto no processador de alimentos. Pulse até obter uma massa levemente grudenta. Coloque a massa num superfície bem enfarinhada e amasse até ficar uma massa bem firme a macia pra abrir. Abra com um rolo e corte em rodelinhas de 3 cm. Coloque as rodelinhas nas assadeiras forradas e com a base da colher medidora de 1/2 colher de chá ou com o dedo, aperte o centro para formar uma depressão. Coloque 1/4 de colher de chá de geléia de figo na depressão no centro das bolachinhas. Leve ao forno e asse por 15 minutos. Remova do forno, deixe esfriar bem. Para guardar, use uma lata ou pote com tampa e coloque as bolachinhas em camadas intercaladas por folhas de papel vegetal.

savories_2S.jpg

doce de figo [com creme]

figo-creme_1S.jpg
Podem me acusar de encher linguiça, que não vou refutar nem discutir. Mas preciso registrar como ficou bom esse doce [ou geléia se quiserem chamar assim], que fiz com um bocadinho daqueles figos de casca verde da variedade calimyrna. Fiz de olhão, mas combinei mais ou menos 3 partes de figos frescos cortados ao meio com 1 parte de maple syrup orgânico. Cozinhei em fogo baixo até os figos ficarem caramelizados, imersos num xarope bem denso. Devoramos esse doce numa piscada. Servido em taças e regado com creme de leite fresco. Experimente!

bolo turco de figos

boloturcofigo1.jpg

Fiz esse bolo publicado pela querida Ameixinha, não somente porque ainda não tinha feito nenhuma gostosura com os figos frescos que estavam abundantes; mas também porque fiquei absolutamente comovida quando li a história dos meus gatos contada tão poeticamente por ela, nos antecedentes da receita. [♥] Usei o dobro de figos que a receita original pedia. O meu bolo ficou mais com cara e textura de pudim, mas incrivelmente saboroso.

4 ovos, clara e gemas separadas
1/2 xícara de açúcar
3 colheres de sopa de farinha de trigo peneirada
1 e 1/2 xícara de iogurte grego natural
raspa da casca e suco de 1 limão
1 1/2 colher de chá de água de flor de laranjeira
8 figos frescos cortados ao meio

Pré-aqueça o forno em 355ºF/ 180ºC. Numa tigela bata as gemas com o açúcar até ficar cremoso e leve. Adicione a farinha e misture. Junte o iogurte, as raspas e o suco de limão mexendo até combinar. Adicione a água de flor de laranjeira. Bata as claras em neve e envolva gentilmente à massa, usando uma espátula. Unte uma forma de 20 cm de diâmetro com manteiga. Coloque a massa na forma e as fatias de figo por cima. Leve ao forno por 50 minutos ou até o topo ficar dourado. Deixe esfriar bem e sirva.