bolo de milho fresco [com coco]

Essa receita foi outra garimpagem pra gastar ingredientes que comprei a mais, sem realmente precisar. Foram várias espigas de milho, das quais removi os grãos com a faca e usei para algumas receitas, essa foi uma delas. Quis achar uma receita de bolo de milho brasileiro, mas tinha que ser uma do jeito que eu queria naquele dia. Sou assim, imagino uma coisa e saio atrás de ideias que me guiem pelo caminho. Achei uma receita boa num desses sites populares brasileiros, mas ela usava milho em conserva e a lata como medida. Quase desisti dela, porque queria usar o milho fresco, mas repensei e achei que dava pra adaptar. E foi o que eu fiz. O bolo não só deu certo e ficou exatamente como eu queria, mas também serviu pra eu fazer um agrado pra uma amiga que não pode comer nada com gluten ou laticínios. Fiz o bolo pela primeira vez usando cornmeal, que era o que eu tinha. Mas quis refazer usando a masa harina, que é o mais próximo que temos aqui do fubá. A versão com a masa harina ficou muito melhor e é a que eu recomendo.

1 xícara de milho verde fresco
1/4 xícara de água
1/2 xícara de óleo vegetal
1 xícara de açúcar
1/2 xícara de masa harina [fubá]
4 ovos caipiras
2 colheres de coco ralado em flocos grandes
1 e 1/2 colher de chá de fermento em pó

Pré-aqueça o forno em 356ºF/180ºC. Coloque os seis primeiros ingredientes no liquidificador e bata muito bem por alguns minutos. Desligue o motor e crescente o coco ralado e o fermento. Misture delicadamente com uma espátula. Coloque numa forma untada com óleo. Leve ao forno por uns 30 minutos ou até a massa ficar dourada e o centro completamente cozido. Remova do forno, deixe esfriar e sirva. Essa receita faz um bolo pequeno, por isso usei uma forma de metal própria para tortas.

bolo [duplo] de milho

bolo milho

Este bolo é exatamente aquele do flocão que eu fiz no ano passado. Só não sei se o flocão era o mesmo ou se comprei outro pacote. É sempre um grande mistério a aparição ou reaparição de ingredientes na minha cozinha. Usei a mesma receita do pacote, só fiz uma modificação—substituí o leite por um creme de milho. Mais uma das mil e uma coisas que tenho guardada, o milho orgânico congelado do último verão. Descongelei um saquinho com mais ou menos 2 xícaras de milho, bati no liquidificador com um pouco de água e coei. Medi duas xícaras de creme de milho e coloquei no lugar das duas xícaras de leite. Esse bolo ficou muito macio.

2 xícaras de kimilho flocão*
[*se não achar o flocão tente substituir por cormeal moída grossa]
2 xícaras de creme de milho** [**bata o milho no liquidificador com um pouco de água e passe por uma peneira bem fina]
1 xícara de açúcar
1/2 xícara de óleo vegetal
1 xícara de coco ralado
3 ovos caipiras [gemas e claras separadas]
1 colher de chá de fermento em pó

Pré-aqueça o forno em 355ºF/ 180ºC. Unte uma forma de 20 cm com um furo no meio com óleo vegetal e reserve. Em uma panela, misture o kimilho flocão, o creme de milho, o açúcar e o óleo. Leve ao fogo médio por 5 minutos. Desligue o fogo e deixe esfriar completamente. Enquanto isso bata as claras em neve. Quando a mistura estiver fria, junte o coco ralado, as gemas e o fermento em pó. Misture bem com um batedor de arame. Junte então as claras em neve usando uma espátula. Coloque a massa na forma untada, leve ao forno e asse por 45 minutos. Quando o bolo estiver dourado e cozido no meio remova do forno e deixe esfriar completamente antes de desenformar.

bolo milho bolo milho

farofa fria de limão
[da Dona Luci]

farofa fria de limão

Nossa ceia de Natal brasileira foi super simples—um pernil assado, que compramos temperado e que ficou no forno por nove horas, um arroz sete grãos que cozinhei somente com sal e manteiga, uma salada de beterraba assada acompanhada de ricota de búfala, outra salada de rúcula com laranja, erva-doce, cebola roxa e azeitonas pretas e essa farofa, que foi o centro das atenções e elogios. Na casa do meu cunhado, a sogra dele, Dona Luci veio me perguntar se eu achava que se ela fizesse uma farofa fria de limão com um dia de antecedência correria o risco dela ficar amarga, Quando eu ouvi as palavras FAROFA FRIA DE LIMÃO a minha resposta foi —não vai ficar amarga não e EU QUERO ESSA RECEITA PELOAMORDEDEUS! Dona Luci muito querida e prestativa foi pra casa dela e de á ligou pra neta e ditou a receita, que chegou até as minhas mãos em tempo record, escrita numa folha de caderno decorada com ursinhos Puff cor-de-rosa na letra cursiva de menina caprichosa [obrigada, Luara!]. Fiz a farofa no dia seguinte e posso afirmar que se eu achar as farinhas de milho e de mandioca flocada por aqui, essa receita vai ser repetida muitas vezes, porque ela é da categoria Fino da Bossa. Fica uma farofa fofinha, bem cítrica e refrescante, um ótimo acompanhamento para uma carne mais forte. E não precisa nem usar o fogão!

1 cebola picada
3 ovos caipiras cozidos e picados
3 tomates sem pele picados [*omiti]
200 gr de azeitonas verdes sem caroço picadas
Cebolinha e salsinha picadas
1/2 xícara de suco de limão [*usei o tahiti]
1/2 xícara de azeite [pode misturar metade azeite, metade óleo vegetal]
2 xícaras de farinha de milho em flocos
2 xícaras de farinha de mandioca em flocos
Sal e pimenta do reino moída na hora a gosto
Amêndoas picadas [*pode usar nozes e castanhas de caju]
Uvas passas sem sementes picadas

Numa vasilha colocar as farinhas e hidratar com mais ou menos 1/2 xícara de água. Vai colocando água e mexendo bem a mistura de farinha com as mãos. Não pode deixar molhada, apenas levemente úmida. Numa outra vasilha coloque todos os outros ingredientes, junte as farinhas, misture bem, coloque numa travessa e sirva. Guarda bem de um dia para o outro coberta com um plástico, fora da geladeira.

bolo de milho & coco

bolo-milho-coco.jpg

Domingo foi dia de ziriguidum nos armários da cozinha e despensa, porque eu tenho uma mania de ficar comprando todo ingrediente interessante e diferente que vejo pela frente e muitas vezes mantenho por anos, guardado em alguma lata, prateleira ou gaveta. Foi então que joguei fora um monte de coisa [e meu coração chorou!] com data de validade vencida há mais de dois [três, quatro] anos. Mas algumas coisas se salvaram, como um pacotão de flocos de coco orgânico e outro pacotão de flocão de milho brasileiro. O coco eu devo ter comprado pra fazer alguma receita que acabei não fazendo. E o flocão comprei por engano na lojinha internacional achando que era uma variação da farinha de milho em flocos que a gente usa pra fazer cuzcuz paulista. Não era. Como eu não conhecia esse produto, tentei usar para fazer farofa, mas não deu muito certo. Sorte a minha que o pacote trazia duas receitas impressas no verso, uma delas a desse bolo. Adorei a textura flocãozuda dele. O coco, que eu moí grosseiramente no processador de alimentos também deve ter contribuido para a textura final. É um bolo não muito doce, mas bem fofo e pedaçudo, bem gostoso para servir de acompanhamento para aquela xícara matinal de café com leite.

2 xícaras de kimilho flocão*
[se não achar o flocão tente substituir por cormeal moida grossa]
2 xícaras de leite
1 xícara de açúcar
1/2 xícara de óleo vegetal
1 xícara de coco ralado
3 ovos caipiras [gemas e claras separadas]
1 colher de chá de fermento em pó

Pré-aqueça o forno em 355ºF/ 180ºC. Unte uma forma de 20 cm com um furo no meio com óleo vegetal e reserve. Em uma panela, misture o kimilho flocão, o leite, o açúcar e o óleo. Leve ao fogo médio por 5 minutos. Desligue o fogo e deixe esfriar completamente. Enquanto isso bata as claras em neve. Quando a mistura estiver fria, junte o coco ralado, as gemas e o fermento em pó. Misture bem com um batedor de arame. Junte então as claras em neve usando uma espátula. Coloque a massa na forma untada, leve ao forno e asse por 45 minutos. Quando o bolo estiver dourado e cozido no meio remova do forno e deixe esfriar completamente antes de desenformar.

bolo de pinhão

bolo-pinhao_1S.jpg

A maior parte daqueles pinhões que ganhei no verão estava congelada para virar algo especial no inverno. Afinal de contas pinhão é [era pra mim] comida de frio. Procurei muito por uma receita de bolo, mas olha foi um clica-clica sem fim, porque tudo o que eu via levava [primeiramente] uma lata de leite condensado. Mas será o benedito? No final achei uma receita que me agradou numa página do governo do Paraná. Mas era aquele esquema sem muito detalhes, nenhuma informação se a colher de fermento era de chá ou de sopa, se o forno alto era 200 ou 180ºC, muito menos tinha detalhes insignificantes como tempo de cozimento. Adaptei de acordo com o meu bom senso e experiência na cozinha e felizmente o bolo vingou. E ficou bem gostoso, com um jeitão de pão de ló e praticamente substituiu o panettone no nosso Natal.

1 xícara de pinhão cozido e descascado
2 xícaras de açúcar
2 xícaras de farinha de trigo
1 xícara de amido de milho [maizena]
1 xícara de leite integral
3 colheres de sopa de manteiga
4 ovos [claras e gemas separadas]
1 colher de chá fermento em pó

Pré-aqueça o forno em 400F? 205ºC. Unte uma forma redonda com furo no meio com manteiga e polvilhe com farinha de trigo. Reserve. Moa os pinhões num processador e reserve. Na batedeira bata as claras em neve e reserve. Numa outra vasilha bata bem as gemas, a manteiga e o açúcar até ficar um creme bem liso. Peneire a farinha de trigo e a maizena e vá colocando no creme de gemas e manteiga bem devagar, alternando com o leite. Junte os pinhões moídos e incorpore bem. Por último acrescente as claras em neve e o ferment em pó. Coloque a massa na forma untade e asse por 30/40 minutos, até o bolo ficar bem dourado e a massa cozida no centro. Remova do forno, deixe esfriar bem e vire o bolo num prato ou travessa.

bolo-pinhao_2S.jpg

quirera de milho
com costelinha de porco

quireradaane.jpg

Quando recebi aquela caixa cheia de pinhões enviada como presente por essa moça linda ganhei também barras de chocolate orgânico brasileiro da AMMA, mini-arroz do vale do Paraíba comercializado pelo Alex Atala e um pacote de quirera ou canjiquinha. Essa era ainda a única coisa que faltava para eu experimentar. E como nunca tinha preparado quirera na vida, ganhei também a receita enviada pela Ane. Fiz seguindo à risca. A minha quirera ficou mais seca. A Ane disse que a dela fica mais molhada. Neste caso é só colocar mais água na última fase. Preparei esse prato para um almoço de domingo e convidei meu filho e a namorada. Um vinho barbera do Shenandoah valley acompanhou essa comida robusta, que ficou incrivelmente deliciosa. A foto foi instagramada cinco segundos antes de sentarmos à mesa para a comilança. Segue a receita como foi enviada pela Ane.

menu_du_jour

Deixo 1,5 kg de costelinha de porco marinando com 1 cebola picada, 10 dentes de alho, suco de 2 ou 3 limões e 3 folhas de louro, por três horas [*eu deixei durante a noite, na geladeira].

Depois desse tempo, escorro as costelinhas da marinada (e reservo a marinada), salgo e douro em azeite. Deixo bem douradas. Pode fazer essa parte no forno baixo também, elas ficam mais macias.
Numa panela (pode ser na mesma), refogo a cebola e o alho da marinada e um pimentão vermelho assado (eu gosto do pimentão assim, tostado na chama para tirar a pele) bem picado e mais ou menos 80 gr de bacon picado.

Volto as costelinhas para a panela e quando elas estiverem aquecidas adiciono uma dose de cachaça. Deixo evaporar o álcool e adiciono a marinada. Pingo água e cozinho até que a carne esteja bem macia.

Adiciono então 500g de quirera lavada e deixada de molho em água por pelo menos 30 minutos [*eu deixei durante a noite]. Cozinho a quirera por 30 minutos, até que fique al dente. Corrijo o sal se precisar e acrescento salsa e cebolinha [*eu coloquei coentro fresco].

Gosto de servir esse prato com couve (rasgada ou cortada fininha e refogada só uns segundos no azeite e alho) e pingar limão. Fica gostoso também colocar linguiça junto com a costelinha ou fazer só com a linguiça.

farofa de pinhão

farofadepinhao_1.jpg

Uma das lembranças da minha infância é estar sentada na frente de um fogão a lenha na casa de uma das empregadas que trabalhavam na minha casa, abrindo e comendo pinhão assado. Eu adorava quando elas me levavam pra dormir na casa delas. Uma vez perdi um almoço num restaurante com o resto da minha família [e chorei até desidratar] porque tinha ido pousar na casa de uma delas e só voltei no domingo à tarde. Elas moravam em casas simples, geralmente feitas de madeira, num cenário bem comum da cidade onde nasci ainda no estado de São Paulo mas fazendo fronteira com o Paraná.

Posso dizer que fazia muitos anos que eu não comia um pinhão. Matei minhas lombrigas graças à imensa gentileza de uma moça que vai ter o meu afeto para todo o sempre. Ela me enviou uma caixa com uma quantidade imensa deles e mais outras várias coisinhas. Cozinhei todos ao mesmo tempo num panelão gigante de ferro com bastante água. Não tenho panela de pressão, então os pinhões ficara no fogo por umas três horas. Depois fui mantendo a panela quente e abrindo um por um ainda quentes. Como também ganhei uma utilíssima engenhoca para facilitar o descascamento, o trabalho foi tranquilo. Completei em menos de duas horas, enquanto assistia um filme no laptop da cozinha. Essa proeza rendeu um saco enorme de pinhões cozidos e descascados, que dividi em três partes, duas delas eu congelei e a outra usei para fazer essa farofa.

Não inventei muita moda, porque nem tive muito tempo de me aprofundar em pensamentos e ideias. Queria mesmo era fazer algo bem pinhãozudo, com pedaços grandes pra poder morder e sentir bem o gosto e a textura. Usei 2 xícaras de pinhão cozinho e grosseiramente picado, meia cebola picadinha, 4 colheres de sopa de manteiga, 1 xícara de farinha de mandioca crua, sal e pimenta do reino moída na hora a gosto e bastante folha de salsinha fresca picada. Numa panela derreta a manteiga em fogo médio. adicione a cebola picada e refogue até amaciar. Junte o pinhão e refogue mais um pouco. Tempere com sal e pimenta, junte a farinha de mandioca e misture bem, vai cozinhando até formar a farofa e a farinha ficar mais tostada. Desligue o fogo, junte a salsinha e sirva.

cuscuz paulista

cuscuz-paulista1S.jpg

Eu cozinhei pouquíssimo pras celebrações de final de ano. Fiz tudo bem simples desta vez, realmente! Para o primeiro dia do ano decidi fazer um cuscuz paulista, que pra mim é uma comida com gosto de festa. Lembro dos cuscuzes que minha mãe fazia para os aniversários e que ficavam uma delícia. Como a minha irmã tinha me presenteado com um saco de farinha de milho em flocos, aproveitei a oportunidade. Procurei e achei muitas receitas na web, mas acabei escolhendo uma em inglês, porque as medidas e os ingredientes estavam mais adaptados à minha cozinha. Também considerei essa receita adaptada um achado, pois a autora substitui a farinha de milho pela polenta—uma bóia salva-vidas para muitos expatriados que não tem acesso à farinha brasileira. Um dia testarei. Usei camarões da Flórida no lugar da sardinha em lata e aproveitei para gastar o milho orgânico que recebi no verão e tinha congelado.

1/3 xícara de azeite de oliva
1 xícara de cebola picada
4 ramos de cebolinha picados
4 dentes de alho picados
1 xícara de ervilhas congeladas [deixe descongelar]
1 xícara de milho congelado [deixe descongelar
2 xicaras de tomate picado em lata [usei orgânico fire roasted]
2 xícaras de farinha de milho em flocos
1/4 xícara de salsinha fresca picada
1/3 xícara de azeitonas verdes picadas
4 ovos cozidos—2 fatiados e 2 picados
1 xícara de camarões limpos e descascados
Sal e pimenta do reino moída na hora a gosto.

Unte uma forma grande com um buraco no meio com azeite. Decore o fundo da forma com os 2 ovos cortados em rodelas e fatias de cebolinha [usei chives/ciboulette]. Reserve. Numa panela grande e robusta refogue a cebola, a cebolinha e uma pitada de sal. Deixe apenas suar por uns 6-8 minutos. Adicione o alho e refogue por mais um minuto. Adicione as ervilhas e o milho e refogue por 2 minutos. Adicione o tomate e deixe cozinhar por uns 3 minutos. Coloque os camarões, as azeitonas, os 2 ovos picados e a salsinha picada e deixe cozinhar brevemente. Acerte o sal e junte pimenta do reino moída. Adicione a farinha de milho aos poucos, mexendo sempre com uma colher de pau até formar uma massa bem molhada, porém firme. Coloque essa massa na forma untada e decorada e aperte bem com uma espátula. Cubra e leve à geladeira até a hora de servir. Desenforme e sirva em temperatura ambiente.

cocada de forno

cocada-forno_1S.jpg

cocada-forno_3S.jpg

Duas amigas comentando algo sobre cocada de forno na minha timeline no twitter me colocaram num estado de total e absoluto desespero—preciso fazer e comer esse negócio IMEDIATAMENTE! Me joguei no Google procurando por uma receita. Queria uma sem leite condensado. Minha busca se mostrou imensamente frutífera e provou mais uma vez que receita não tem dono. A maioria das que levavam leite condensado eram idênticas, assim como as que levavam apenas leite. Com a exceção de uma freako que levava farinha de trigo, o resto era basicamente a mesma lista de ingredientes. Peguei essa num website em inglês, porque prefiro quando a receita especifica temperatura de forno e usa medidas padrões. Cheguei em casa e preparei rapidinho essa cocada simplesmente deliciosa. Use coco ralado fresco se puder. Como essa fruta não abunda por aqui, usei os flocos de coco da marca Bob’s Red Mill, que é de excelente qualidade.

500 gr de coco ralado
4 gemas de ovos batidas
2 xícaras de açúcar
1 xícara de leite integral
2 colheres de sopa de manteiga amolecida

Pré-aqueça o forno em 350ºF/ 176ºC. Unte uma assadeira com manteiga. Numa vasilha misture o coco, o açúcar, o leite, as gemas batidas e a manteiga amolecida usando uma colher de pau. Leve ao forno e asse por uns 15-20 minutos ou até a massa ficar bem dourada. Retire do forno, deixe esfriar e sirva.

nós ♥ paçoca

welovepassoca_1S.jpg

A paçoca da nossa infância, da minha, da sua, de todo mundo. Pode-se até não gostar, pois não é todo mundo que curte amendoim, mas quem não provou paçoca, quem não abriu o embrulhozinho quadradinho, com cuidado pra não quebrar, colocando ele inteiro na boca e quase engasgando com a farofa derretendo, espalhando e colando nos dentes? Sempre achei que fazer paçoca em casa fosse coisa dificultérrima. Nunca cogitei, nem pensar fazer, imagina!

Mas daí vem a Neide, que ensina, esclarece e desmistifica tudo sobre absolutamente qualquer ingrediente, qualquer receita, e ainda oferece a facilidade e simplicidade de preparar coisas preciosas, como essa paçoca caseira.

Quis fazer em quadradinhos, como eu comia na infância. Acabei usando um molde para gelo de silicone. Deu certinho.

Coloquei no processador de alimentos 100gr de amendoim orgânico torrado [dried roasted], 100 gr de açúcar e 100 gr de farinha de mandioca torrada [não tinha a de milho, mas quando arranjar vou refazer com ela, como a Neide recomenda].

O segredo, acredito, é moer por bastante tempo no processador, até formar uma massa que dê mais ou menos para ser pressionada entre os dedos e ficar inteira. Eu processei por mais de 5 minutos, ia checando, a massa vai encorpando. Dai recheei as forminhas, apertando bem a massa com o dedo e alisando o topo com as costas de uma colher. Daí é só desenformar numa travessa e se deliciar.

Cheguei com a travessa com as paçoquinhas e servi uma pro Uriel. Não falei nada. Disse apenas—experimenta um. Ele colocou o coraçãozinho na boca e exclamou—PAÇOCA!

Forrei uma latinha de caramelos vazia com papel vegetal, ajeitei os coraçõezinhos de paçoca dentro, fechei a tampa e avisei o Gabriel que tinha uma surpresa pra ele. Ele veio, abriu a latinha, colocou um coraçãozinho na boca e exclamou—PAÇOCA!

Nós ♥ paçoca!!