pimentãozada

Outro legume de verão que precisa ter um pouco de criatividade para usar é o pimentão. Eu recebo muitos pimentões, verdes, vermelhos e amarelos na cesta orgânica, mas este ano fiz a besteira de plantar dois pés no meu quintal, então passei o verão inundada por pimentões que ainda tenho na geladeira.

Os pimentões vermelhos e amarelos eu grelho na churrasqueira ou tosto na chama do fogão. Vou virando até ele ficar todinho preto e embrulho numa folha de papel toalha ou coloco num saco de papel e deixo esfriar embrulhado. Depois de frio, desembrulho e vou tirando a pele preta com uma folha de papel toalha. Não precisa colocar embaixo da água. Tiro as sementes, corto em fatias e tempero com vinagre balsâmico, sal, pimenta do reino, azeite e ervas secas. Faz uma salada bem saborosa para comer com pão.

Já o pimentão verde eu ponho no molho pra cachorro-quente ou corto em fatias bem finas pra salada. Fora isso tenho apenas uma outra receita, que é da minha tia, irmã da minha mãe, uma autêntica cozinheira frugal que faz as melhores receitas italianas do planeta!

A receita:
Pimentão Recheado – da Tia Dirce
Fritar no azeite bastante alho picado. Adicionar miolo de pão amanhecido. Refogar até o pão ficar bem úmido. Deixar esfriar e adicionar azeitonas picadas [pode ser verde ou preta], uma latinha de aliche escorrido e picado e orégano à gosto. Tirar as sementes dos pimentões verdes, rechear com essa mistura e assar.

Fica muito bom!

velhos cadernos de receitas

Resolvi fazer uma cata de posts culinários no meu blog ancião, o The Chatterbox , e achei coisas incríveis. Eu já escrevia sobre comida lá desde os tempos em que tinha apenas dez leitores e praticamente não me importava em publicar um monte de tontices. Hoje já não escrevo dessa maneira, mas vale a pena ler de novo um post de dois mil e um onde eu faço comentários sobre comida e até dou uma receita ótima de salada ayurvedica.
. . . . . . . . . . . . .
January 22, 2001 – Several hours of sun…
Mais receitas [ow,no!]: pegue um pentelhudo bem maduro, adicione flash-trash, uma pitada de x-files, um dedinho de technomusic e voilá…… EnJoYiT! …. Blurp!!! 🙂
“Do vegetarians eat animal crackers?”
[placa na frente de uma igreja em Los Angeles]
Será que comer muito tofu faz mal? Eu adoro tofu! Como derivados de soja várias vezes por semana. Faço sopa de missô, que eu adoro, com tofu frito, tofu defumado, tofu fresco, tofu barbecue, tofutofutofu! 🙂 Aprendi a fazer a tradicional hot & sour soup dos restaurantes chineses, que eu faço com cenouras, cogumelos e TOFU! 🙂 E tem os noodles de arroz, que eu faço com o que tiver de vegetais mais TOFU! 🙂 E quando eu faço sushi, se sobra arroz eu recheio aqueles deliciosos quadradinhos de TOFU frito! 😉 E como um trail mix malasiano, onde eu misturei grãos de soja torrados [a soja não é muito saborosa sozinha] e devoro yorgut feito de leite de soja, porque eles são ótimos! A Iri disse que soja é muito boa para a mulher… Mas será que comer demais….. hum…
E eu como animal crackers quando tenho a oportunidade. Eles têm gosto de bolacha de maizena…. And I like it! 🙂
Às vezes eu penso que deveria fazer um curso de Chef [no Napa Valley, aqui pertinho, tem um hotel que forma cozinheiros(as)] porque eu curto tanto falar de comida! Não curto tanto cozinhar e comer quanto ficar procurando receitas, lendo, comprando ingredientes e falando de comida! Já me disseram que cozinhar seria uma ótima atividade pra mim, porque ela preencheria as minhas necessidades de FOGO [eu tenho 1 de fogo no meu chart… e 10 de terra, o que explica as minhas medronices…] e da lua em câncer na VI, que adora ficar cuidando dos outros. Eu tenho pensado seriamente nessa possibilidade…..
Outro dia experimentei uma salada nova num jantar aqui em casa [ah, não posso esquecer de mencionar que sou uma soberba misturadora de saladas!] e ela fez um sucesso. É uma salada ayurvedica. Quer provar?
Fennel Cole Slaw with Pecan Dressing
Misture 1 1⁄2 xic de repolho picado fininho, 1 1⁄2 xic de erva doce picada fininha, 1 1⁄2 xic de cenoura ralada, 1/3 xic de gengibre cristalizado picadinho, 1 colher de sopa de sementes de erva doce torradas, 3⁄4 xic de coentro fresco picado.
Para o molho: bata no liquidificador ou no mixer 1/3 de óleo de gergelim [misture com um pouco de azeite de oliva, pois o óleo de gergelim tem um sabor muito forte], 1/3 xic de nozes pecan, 3 colheres de sopa de suco de limão, 2 colheres de sopa de mel e sal à gosto.
Tempere a salada com o molho e salpique com um pouco de pimenta do reino moída. Sirva!

bolo de aniversário

bolo1.JPG bolo2.JPG
bolo3.JPG bolo4.JPG
bolo5.JPG bolo6.JPG
bolo7.JPG bolo8.JPG
bolo9.JPG bolo10.JPG
. . . . . .

Fiz esse bolo pela primeira vez em março deste ano. Peguei a receita na edição número vinte da revista Everyday Food da Martha Stewart. Fiz ele novamente para o aniversário da minha amiga Marília amanhã. Desta vez melhorei o recheio, que não tinha ficado muito bom da primeira vez. Misturei lemon curd com pêssegos em calda e adicionei uma camada de doce de leite. Como sempre ficou um bolo meio torto – tudo o que eu faço sai meio torto. Mas saberemos se o bolo ficou gostoso amanhã, depois dos parabéns!

A receita:
Coconut Layer Cake
3/4 xicara [1 tablete e meio] de manteiga sem sal na temperatura ambiente
2 1/2 xicaras de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó
1 colher de chá de sal
1 1/2 xicara de açúcar
1 colher de chá de extrato de baunilha
2 ovos inteiros mais 3 gemas [separar as três claras para a cobertura]
1 xícara de leite
cobertura para bolo [receita logo abaixo da massa do bolo]
lemon curd [creme de limão], coco ralado para o recheio e enfeite.

Pré-aqueça forno no médio [350F]. Unte duas formas redondas. Coloque papel manteiga no fundo das formas, unte com manteiga e salpique com farinha.

Numa vasilha grande misture bem a farinha, o fermento e o sal. Numa outra vasilha bata a manteiga e o açúcar num creme, vai acrescentando os ovos um a um e batendo. Acrescente a baunilha, sempre batendo, vai colocando a farinha em três partes alternando com o leite. Bata bem. Divida a massa entre as duas formas já untadas e asse por uns 30 min. Deixe os bolos esfriarem numa grade, tire o papel manteiga do fundo. Deixe esfriar completamente antes de montar as camadas do bolo.

Para a cobertura, coloque uma panela com uns 5 cm de água para ferver. Não deixe borbulhar e abaixe o fogo. Coloque um pirex de vidro ou vasilha de metal em cima da panela, não deixe a água tocar na vasilha. Misture na vasilha as três claras de ovos, 2 colheres de chá de light corn syrup [Karo light], 1/2 colher de chá de cream of tartar, 1/3 de xícara de água gelada e 1 1/2 xícaras de açúcar. Vai batendo com a batedeira em potência maxima por mais ou menos sete minutos, até a clara ficar com consistência bem firme e cor perolada . Remova do fogo e continue batendo ate a cobertura esfriar. Use imediatamente.

Recheie o bolo com 1/4 xicara de lemon curd [creme de limão] e 3/4 xicara da cobertura. Eu usei pessêgo em calda picado, mas pode ser qualquer recheio. Cobrir com o segundo bolo e confeitar com a cobertura. Salpicar coco ralado por cima. Voilá! Dá um bolao e fica muito saboroso, principalmente no dia seguinte, depois que o recheio molhar o bolo.

caldos para sopa

Preguiçosa e distraída como eu sou, preciso pensar em maneiras eficientes de fazer coisas na cozinha, que me permitam poder fazer outras mil coisas e ter esquecimentos. Com a chegada do inverno ficamos pedindo por sopas. Elas são fáceis de fazer e sustentam, acompanhadas de uma boa salada e pão fresquinho. Mas depois que eu li este livro maravilhoso [que ainda vou comentar extensamente], fiquei encantada com os caldos que ela cita como base de tudo – sopas e molhos. Fazer um caldo me faz pensar imediatamente num panelão cozinhando por intermináveis horas sobre a chama do fogão. Não daria certo pra mim, que estou sempre entrando e saindo de casa em mil atividades e tarefas. O caldo levaria dias pra ficar pronto, se eu fosse seguir as regras de segurança básicas de não deixar fogo ligado sem vigilância na minha casa de madeira.
Mas como tudo pode ser adaptado, descobri uma maneira eficiente e segura de fazer caldos base para as minhas sopas. Espanei as teias de aranha da minha panela elétrica, chamada aqui de crockpot ou slow cooker. Ela cozinha em baixíssima temperatura num pote de cerâmica. Você joga lá os ingredientes e deixa cozinhando o dia inteiro ou a noite inteira e depois de muitas horas, voilá, é só coar o caldo.
Tenho feito caldos ótimos com os inúmeros legumes e verduras que teimam sobrar da minha cesta de segunda-feira. O básico é:
cenoura, salsão, pimentão, uma cebola espetada com cravos, basilicão fresco, ervas secas amarradas com um barbantinho, batata doce ou abóbora, nabos e verdura verde em fatias. Se tiver resto de frango ou carne, para um caldo de frango ou carne. Senão somente os legumes dão um caldo ótimo. Adiciona água, vinho branco, um pouco de sal e deixa cozinhar por pelo menos doze horas. Eu tinha esse crockpot há um ano e ainda não tinha achado um utilidade pra ele, que estava entrevado junto da máquina de fazer pão, da fazer macarrão e da centrífuga. Mas nada como um dia após o outro…

defeitinho….

Somente ontem que pude ver o Chucrute num IE 6.0 para Windows e foi então que topei com um defeito no layout. Fiquei irritadíssima, porque o layout visualiza bem até no morto e enterrado IE para Mac. Então mil desculpas para quem usa IE. Vou arrumar o defeitinho em breve. Mas enquanto isso, fica a sugestão de fazer o download do Firefox, que é um browser excelente, sem falar que ele lê perfeitamente as CSS, o que o IE parece não fazer direito.

mais gadgets inúteis

No maravilhoso Ferry Building Market Place no Porto de San Francisco, eu e uma amiga entramos na Sur La Table e enlouquecemos no paraíso das gadgets inúteis [e caras!]. Eu não resisti e comprei uma espátula para rechear e cobrir bolo e um ralador profissional de casca de limão e laranja, que eu já vi os chefs do Food Netwoork usando.
Já tenho trabalho pra espátula nesta semana, pois vou fazer um bolo de aniversário para uma amiga. Mas vou ter que arrumar receitas que vá lime zest pra poder estrear o meu maravilhoso ralador. Tô achando que essas novas gadgets vão pra mesma gaveta do medidor de macarrão e o cortador de ovo em fatias…

gadgets1.JPG gadgets2.JPG
gadgets3.JPG gadgets4.JPG
gadget5.JPG gadgets.JPG

bolos de liquidificador

Todas as receitas que eu pego na Cozinha da Gi dão certo. A Gisa tem as melhores receitas, não só porque são gostosas, mas porque são práticas e eu adoro esse detalhe. Bolo de liquidificador é o máximo. Eu quase não faço bolos porque detesto aqueles passos básicos de bater as gemas com o açúcar e a manteiga numa vasilha e as claras em neve numa outra. Isso é o meu pet peeve dos bolos, sujar duas vasilhas, ter que lavar os gafos da batedeira e separar gemas das claras…

A Gisa divulgou duas receitas de bolo de liquidificador que eu testei a aprovei – two thumbs up! A primeira foi o Bolo de Laranja com Casca que eu fiz para o picnic noturno do filme no parque, onde eu e minha amiga devoramos fatias grossas enquando assistíamos ao The Wizard of Oz na grama. Já passei essa receita pra frente, pois ela é perfeita, fácil e deliciosa!

Hoje estou assando o Bolo de Liquidificador Romeu e Julieta, que vou levar para um brunch de aniversário de uma amiga daqui a pouco. Tive que dar uma improvisada no recheio, porque não achei goiabada vermelha em pedaço [achei uma em lata mexicana, mas feita com goiaba branca] e então usei uma geléia de goiaba, artigo raríssimo aqui que só encontrei no Corti Brothers. A textura ficou muito liquida, então fiz uma gambiarra com um pedaço de marmelada espanhola que eu tinha na geladeira. Never mind, o bolo está com cara de estar delicioso!

Queremos mais receitas de bolo de liquidificador Gisa!!!

abobrinhada

Quando eu pego minha cesta orgânica nas segundas-feiras, a visão das inúmeras abobrinhas me faz tremer. E agora? O que eu vou fazer com elas? Refogar? Pôr na sopa? Cortar em rodela e fritar? Incluir no molho de macarrão? Abobrinha não é o meu legume favorido…. Mas eu tento usá-la como posso, cavo a polpa [com o quase inútil cavador de bolinhas de melão!] e recheio com a própria polpa, mais ervinhas, mais queijo ralado, mais restinhos de frango… Mas a primeira vez que recebi elogios com uma receita usando abobrinha foi com uma salada. A receita eu peguei num blog culinário em inglês, não lembro qual infelizmente, então vai ficar sem crédito. Fiz nos picnics que organizei no verão e recebi comentários animados. Mas o melhor deles veio da minha nora, que num almoço aqui em casa disse, enquanto se servia de mais salada de abobrinha: “como você consegue fazer abobrinha ficar saborosa?” Ganhei o dia! E aqui está a receita:
Salada de Abobrinha
A receita original pedia pedacinhos de frango desfiado. Eu fiz com frango e sem frango e ficou melhor sem. Corte as abobrinhas num cortador de legumes em fatias extremamente finas na diagonal. Corte as fatias em duas partes e depois em tiras finas. Tempere com sal, pimenta do reino, vinagre de framboesa [raspberry vinegar] e óleo de nozes [walnut oil]. Deixe na geladeira por pelo menos uma hora antes de servir. Essa salada fica melhor no dia seguinde e dá pra guardar refrigerada por vários dias. Super simples e consegue fazer a abobrinha ficar deliciosa!

tomatada

Eu moro na tomatolândia, a região que mais produz tomates no país. Daqui sai o tomate que vai virar catchup e rechear hamburgueres e molhar batatas-fritas pelo mundo! Pudera, tomate adora um calorzinho seco, e esse é o nosso verão. Então todo ano eu planto tomate na minha hortinha e os pés crescem enlouquecidamente e dão muitos frutos [quando não acontece de um rato aparecer e comer tudo, como foi no ano passado.. argh!].

Durante o verão eu faço muitos pratos com tomate. Tortas, macarrão, saladas. . Quando não está muito quente, faço também tomates secos no forno. Aqui vão algumas das minhas receitas com tomates. Mas antes das receitas, um conselho IMPORTANTÍSSIMO: nunca guarde tomates na geladeira. eles têm que ficar na temperatura ambiente, senão perdem todo o sabor.

. . . . . . . . .

Bruschettas espanholas
Outro dia aprendi a fazer um tipo de bruschetta, só que é receita espanhola, e não paro de fazer e comer. É muito bom.
– tomates maduríssimos
– azeite
– um dente de alho
– pão de crosta dura [italiano, sour dough, etc]
Cortar o pão em fatias e tostá-las numa chapa ou frigideira de ferro, com um fiozinho de azeite [espanhol!] em cada lado. Deixar esfriar um pouco. Cortar dente de alho no meio e esfregar levemente em um dos lados do pão. Cortar o tomate no meio e esfregar o tomate num dos lados do pão [o lado do alho] ate o tomate se despedaçar e todo o sumo e pedaços da fruta passarem para o pao. A torrada está pronta! Para não desperdiçar o tomate que sobra da esfregação, eu pico bem picadinho e tempero com sal, pimenta, vinagre e azeite e faço de acompanhamento. Isso e um copo de cerveja gelada num dia quente, não preciso de mais nada!

. . . . . . . . .

Torta de Tomate
Essa receita eu aprendi num programa de tevê e não anotei nada, então não tem quantidade…. Mas como é muito simples, não tem como errar. Fiz para o almoço de Thanksgiving do ano passado e foi um sucesso.
dois tomates grandes e maduros
queijo Gruyere ralado
mostarda dijon
sal
azeite
ervas frescas picadas
uma massa para torta [pode ser a massa pronta, já na forma]
Assar a massa de torta com um peso na base [pode ser grãos de feijão – colocar uma folha de papel manteiga e os feijões por cima, para a massa não embolhar]. Deixar esfriar. Cortar os tomates em rodelas grossas, temperar com sal e deixar descansar por uns minutos. Forrar a base da massa com uma camada fina de mostarda. Colocar por cima uma camada grossa de queijo Gruyere ralado, acrescentar os tomates. Assar até os tomates ficarem bem cozidos. Retirar do forno, salpicar as ervas e o azeite por cima do tomate. Deixar esfriar e servir.

. . . . . . . . .

Pesto de Tomates Secos
Outra receitinha fabulosa, direto da cozinha de Fezoca, residente do centro da tomatolândia americana.

tomates secos, queijo parmesão, nozes, alho, azeite, cream cheese

Cozinhe os tomates secos em água por 10 minutos, para amolece-los. Coe a água e coloque os tomates num mixer junto com uma xícara de queijo parmesão ralado, 3/4 xícara de nozes ou pine nuts [eu usei pecans], um dente de alho picado, 3 colheres de sopa de azeite e um cubo de tofu [com cream cheese também fica bom]. Se quiser pode acrescentar um pouquinho de coentro fresco, ou manjericão ou salsinha. Sal à gosto.

Dá pra usar como pesto, para misturar no macarrão cozido, ou como pastinha, para comer com bolachinhas. Mangia Benne!