curry de berinjela & batata [e pão indiano de arroz]

Fiz essas duas receitas usando dois livros diferentes. Estou um pouco obcecada pela culinária vegetariana indiana e comprando todos os livros que vejo no Kindle. Essa foi a primeira vez que fiz um pão indiano cozido na chapa. Esse não ficou tão bom no dia seguinte, achei que fica mais gostoso se for comido fresquinho. Os curries, por outro lado, sempre ficam melhores no dia seguinte, quando os sabores se intensificam.

curry de berinjela & batata — aubergine & potato curry — renghan bataka receita do livro Prashad Indian Vegetable Cooking da autora Kaushy Patel.

Primeiro faça uma masala com 3 pimentas verdes frescas, um pedaço de raiz de gengibre de 3 cm e um pouco de sal. Coloque tudo num pilão ou processador de alimentos e faça uma pasta fina. Reserve.

75ml de óleo de girassol
1 colher de chá de sementes de cominho
1 colher de chá de sementes de mostarda marrom
2 berinjelas médias cortadas em cubos
2 ou 3 batatas cortadas em cubos
1 e 1/2 colher de chá de cúrcuma em pó
1 e 1/2 colher de chá de sal
1/2 colher de chá de pimenta vermelha em pó
2 colheres de chá de açúcar mascavo ou de coco
3 colheres de sopa de coentro em pó
1/2 colher de chá de cominho em pó
2 tomates médios picados grosseiramente
2 punhados de coentro fresco picado

Aqueça o óleo por um minuto ou mais e adicione o as sementes de cominho e de mostarda. Quando as sementes de mostarda começarem a estourar, retire do fogo e junte as berinjelas e as batatas e retorne ao fogo médio. Junte a pasta de masala, a cúrcuma, sal, pimenta em pó, açúcar, coentro e cominho em pó e 150ml de água fervente. Cozinhe destampado por 3-4 minutos em fogo baixo. Aumente o fogo e continue a cozinhar por mais 5-6 minutos destampado, mexendo ocasionalmente. Junte os tomates e metade dos coentros, tampe e cozinhe por mais 5 minutos ou até que as batatas estejam cozidas. Retire do fogo e deixe descansar por pelo menos 10 minutos, tampado. Se necessário, re-aqueça antes de servir, decore com o resto do coentro picado.

pão de sobras de arroz — leftover rice flatbread — bhat wara thepla do livro Made in India, Cooked in Britain: Recipes from an Indian Family Kitchen da autora Meera Sodha.

faz 10 pãezinhos
1 e 1/4 xícara de arroz cozido [aproveite sobras]
1 xícara de farinha para chapati [atta flour—pode ser uma mistura de farinha branca e farinha integral, proporção meio/meio]
1/2 xícara de farinha de grão-de-bico [besan flour]
1 e 1/2 colheres de sopa de sementes de gergelim
1 colher de chá de sementes de cominho [soque um pouco no pilão]
1 colher de chá de sal
1 colher de chá de pimenta vermelha em pó
1 colher de chá de cúrcuma em pó
1 colher de chá de açúcar
2 e 1/2 colheres de sopa de óleo vegetal
1/2 xícara de água morna

Coloque o arroz numa vasilha e amasse com as mãos, para deixar os grãos bem soltos. Adicione as farinhas, as sementes de gergelim e cominho, o sal, a pimenta, cúrcuma e o açúcar. Misture bem com as mãos. Faça um buraco no meio e adicione 2 e 1/2 colheres de sopa de óleo, misture bem e comece a adicionar a água, amassando com as mãos. A massa vai ficar um pouquinho grudenta. Molhe as mãos com óleo e faça 10 bolinhas com a massa. Abra cada bolinha numa superfície enfarinhada, elas devem ficar com uns 15 cm mais ou menos. Transfira a massa aberta para uma frigideira ou chapa quente, deixe cozinhar por uns 20 segundos, vire a massa e coloque 1 colher de chá de azeite sobre a massa. Deixe cozinhar do outro lado, transfira para uma travessa e cubra com um pano. Abra a massa uma por uma, e frite uma por uma, para não ressecar nem grudar. Sirva com o curry de batata.

salada de tomate cereja com folhas de curry

Uma receita simplérrima do livro Indian Vegetarian da Madhur Jaffrey. Se conseguir umas folhas de curry frescas, faça. Se não achar, substitua por outra folhinha, tipo manjericão, ou mesmo com louro fresco.

300 gr de tomate cereja
Sal e pimenta do reino moída na hora a gosto
2 colheres de sopa de azeite
1/2 colher de chá de sementes de mostarda marrom
1 pimenta vermelha seca
7-8 folhas frescas de curry ou pequenas folhas de manjericão

Disponha os tomates com o lado cortado para cima em um prato. Salpique levemente sal e pimenta do reino.

Coloque o óleo em uma frigideira pequena e leve ao fogo médio-alto. Quando estiver bem quente, coloque as sementes de mostarda. Assim que começarem a estourar, coloque a pimenta vermelha e mexa até escurecer. Adicione rapidamente as folhas de curry [cuidado, pois espirra muito!], remova a panela do fogo e despeje esse azeite sobre os tomates. Sirva.

arroz achatado [poha dagdi] com broto de feijão moyashi [estilo indiano]

Esse arroz indiano é simplesmente o fino da bossa. No livro Vegetarian India da Madhur Jaffrey ela explica que o arroz é cozido de um jeito especial, depois achatado com um pilão e deixado secar. É praticamente um arroz cozido desidratado. Para usar só precisa re-hidratar, não precisa mais cozinhar. Nas lojinhas indianas esse ingrediente é abundante e vêm em sacos enormes. Comprei o menor que tinha e veio um montão. Mas como pra fazer um prato que serve umas 3 pessoas vão duas xícaras, então entendi o por que de se comprar os sacos grandes. E ele fica tão delicio que você vai querer refazer e fazer de outros jeitos. Os indianos comem esse arroz no café da manhã também. O nome pra achar na lojinha é poha dagdi [rice flakes thick]. Mas se não tiver o arroz achatado, pode fazer com arroz basmati já cozido.

A Madhur também explica no livro que os indianos germinam o feijão moyashi diferente dos chineses. Eles deixam germinar por apenas 24 horas, então os feijõeszinhos não ficam com o rabinho tão comprido, como os brotos de feijão que vemos pra vender Eu fiz o meu em casa. Deixa os feijões de molho em bastante água por pelo menos 8 horas. Eu sempre deixo durante a noite e completo 12 horas. Depois é só enxaguar, colocar numa peneira e ir molhando umas 3 vezes por dia até eles começarem a brotar. Então usa ou guarda na geladeira.

2 xícaras de arroz achadado [ou basmati cozido]
2 colheres de sopa de óleo vegetal
1/2 colher de sopa de urad dal [*é uma lentilha usada como tempero, mas pode ser omitida]
1 colher de chá de sementes de mostarda preta
10-15 folhas frescas de curry, levemente amassadas com as mãos para soltar os óleos [*se não tiver, omita]
1 cebola média picada
1/4 colher de chá de cúrcuma em pó
1 colher de chá de gengibre fresco ralado
1 ou 2 pimentas frescas picadas
1 xícara de brotos de moyashi germinados no estilo indiano
1 colher de chá de sal
Limão Tahiti para servir

Coloque o arroz achatado numa peneira e lave delicadamente. Coloque num recipiente e cubra com água. Deixe de molho por uns 2 minutos. Drene bem a água com uma peneira e reserve.

Coloque o óleo para esquentar numa panela e coloque o urad dal, deixe tostar até os grãos ficarem dourados. Adicione as sementes de mostarda. Quando elas começarem a pipocar, uns segundos, adicione as folhas de curry [com cuidado, porque nessa parte espirra muito!]. Junte a cebola e misture, deixe cozinhar por uns 6-7 minutos. Adicione a cúrcuma, o gengibre e as pimentas frescas. Misture por 1 minuto e então junte os brotos de feijão e 1/3 de xícara de água. Abaixe o fogo e deixe cozinhar por 10 minutos, checando sempre e adicionando mais água se a mistura secar. Adicione o arroz achatado e cozinhe em fogo baixo, mexendo delicadamente por 3-4 minutos, até que o arroz fique aquecido. Sirva com fatias de limão.

couve-flor assada
[com temperos punjabi]

Comprei o livro Vegetarian India da Madhur Jaffrey em versão impressa, porque quis ter o livro real. Que livro bonito! E as receitas são todas magníficas. Ainda não parei de testá-las e fazendo aprendi sobre um monte de ingredientes novos e diferentes pra mim. Fiz uma visita ao bazaar indiano pertinho da minha casa e até comprei [finalmente!] uma latinha indiana para colocar as especiarias.

1 couve-flor grande cortada em floretes
1 e 1/2 colher de sopa de suco de limão
1/2 colher de chá de açafrão da terra [cúrcuma] em pó
1 colher de chá de gengibre fresco ralado
1 colher de chá de sal
1/2 colher de chá de pimenta caiena
2 colheres de chá de cominho moído
2 colheres de chá de coentro moído
2 colheres de sopa de folhas de coentro frescas picadas
4 colheres de sopa de azeite ou óleo vegetal
1 colher de chá de sementes de cominho inteiras

Coloque todas as florzinhas da couve-flor em uma tigela grande. Misture o suco de limão, a cúrcuma e o gengibre em uma tigela pequena e despeje sobre a couve-flor. Adicione o sal, pimenta caiena, especiarias moídas e coentro fresco e misture bem. Reserve por 2 horas, misturando com uma colher de pau de vez em quando. Pré-aqueça o forno a 425°F/220°C. Coloque o óleo em uma frigideira pequena e leve ao fogo médio-alto. Quando estiver bem quente, acrescente as sementes de cominho, deixe chiar por alguns segundos e despeje esse óleo sobre a couve-flor. Misture bem. Espalhe a couve-flor em uma única camada em uma assadeira grande. Leve ao forno por 15 minutos, vire os pedaços e asse por mais 10–15 minutos ou até que estejam levemente dourados e cozidos.

ruibarbo assado [com chá preto & cardamomo]

O ruibarbo não cresce abundantemente aqui na minha região, pois ele prefere um clima mais frio. Mas na época [primavera e outono] eles aparecem vindos do Oregon ou [surpresa maravilhosa!] colhidos da horta da família do Laos de onde eu compro minhas frutas. Esses últimos são bem fininhos, bons pra fazer geleira. Com esses mais grossos eu quis fazer um tipo de conserva pra servir com sorvete. Quis manter os pedaços firmes, porque o ruibarbo quando é muito cozido se dissolve completamente. Por isso ele é tão bom para rechear tortas combinados com outra fruta mais doce, como o morango—um clássico.

Adaptei uma receita do Food52, fiz mais ou menos no olho. Limpe e pique o ruibarbo, espalhe sobre uma assadeira. Salpique com açúcar de coco ou normal. Eu não usei muito açúcar, ficou bem ácido. Polvilhe com cardamomo moído. Faça um chá preto bem forte, eu usei o Earl Grey. Despeje sobre os ruibarbos na forma. Leve ao forno pré-aquecido em 350ºF/176ºC. Asse por uns 10 minutos, fique de olho para os ruibarbos não desmancharem. Coloque numa travessa, deixe esfriar um pouco e sirva com sorvete. O que sobrar, coloque num recipiente com tampa e guarde na geladeira.