precisamos falar sobre crueldade [e compaixão]

Compaixão é a força que promove mudanças. Eu acreditava que as mudanças vinham do conhecimento e da informação, mas acredito agora que mudanças só ocorrem realmente quando uma combinação desse saber é impulsionada pelo poderoso sentimento da compaixão.

Nunca fui uma pessoa de hábitos carnívoros e costumava dizer que nasci vegetariana e fui “espancada” de volta à “normalidade”. A ideia de cozinhar sem carne sempre foi uma coisa natural e um exercício de criatividade pra mim, mas a de cozinhar sem leite, ovos e queijo era um túnel escuro onde nunca me atrevi a entrar. Por isso, e por que não gosto de rótulos nem de me encaixar em nenhum grupo, nunca me posicionei como vegetariana, muito menos como vegana.

Mas algo aconteceu. Acidentalmente eu escutei uma entrevista com o Nathan Runkle, fundador da organização Mercy For Animals. Não sei o que eu estava esperando ouvir dele quando não parei enquanto podia e prossegui ouvindo, mas levei uma chacoalhada quando finalmente escutei os fatos que por anos me esquivei de ouvir sobre a crueldade praticada com os animais de fazenda, o odioso sistema de Factory Farms.

Passei alguns dias aparvalhada. Nas minhas visitas ao supermercado naqueles dias tudo o que eu via era sofrimento nas embalagens coloridas à venda nas prateleiras e geladeiras. Demorei umas semanas para aceitar que estava fazendo parte de uma engrenagem muito bem lubrificada e sem nenhuma transparência, que nos engana dia após dia, não mostrando como é que esses animais acabam nessas caixas e bandejas.

Não me tornei vegetariana nem vegana, mas não quero mais fazer parte desse sistema, nem contribuir com essa indústria pavorosa. A humanidade vai pagar muito caro por todo esse sofrimento que estamos causando à esses bilhões de seres vivos que são destituídos de absolutamente qualquer direito. Vamos levar muitos séculos para quitar essa magnitude de carma negativo que estamos produzindo desde que transformamos os animais em apenas mais uma mercadoria.

Eu continuo comendo ovos bem moderadamente, porque sei de onde os que eu compro vêm, conheço as galinhas da fazendinha. E tenho comido peixe selvagem ocasionalmente. Mas a maioria dos outros produtos animais já não fazem mais parte do meu dia a dia. Nem mesmo os queijos, o que é bem triste, pois eles são deliciosos. Quero explicar essa mudança, que vai ter algum impacto nas receitas do blog. E erguer aqui essa bandeira da compaixão com relação à todos os animais.

Pra quem quiser ouvir, algumas entrevistas e TED Talks que ouvi e achei importante divulgar [todas em inglês]:

»Nathan Runkle and The Power of Compassion ⭐️

»The Power of Our Food Choices: Lauren Ornelas

»Olympic Level Compassion | Dotsie Bausch

»Paul Shapiro On The Future Of Food

»Why I’m A Vegan | Moby

»Toward Rational, Authentic Food Choices | Melanie Joy

»Cowspiracy: How Animal Agriculture Is Destroying The Planet & What You Can Do About It

»Matthew Kenney – Crafting the Future of Food

7 comentários sobre “precisamos falar sobre crueldade [e compaixão]”

  1. Seus textos, fotos e atitudes são muito inspiradoras! Ainda como peixe, ovos e derivados de leite. Mas espero um dia virar vegana. Obrigada por compartilhar sua transição e postar deliciosas receitas veg.

    R: obrigada por comentar Tata, quero iniciar esse novo ano do blog, que começa amanhã, com muito mais receitas veganas! 🙂

  2. Sou vegetariana há muitos anos! O único produto animal que consumo é ovo caipira! Mas a coisa é maior, nada de couro, nem passeios de charrete e compaixão aos seres que vivem nas ruas, cães, gatos, etc. A humanidade precisa ser digna deste nome! Abraços

    R: verdade, Marcilia! muito obrigada por deixar seu testemunho aqui. abraço

  3. Querida Fer, todos nós precisamos de respeito! obrigada pelo texto e que venham receitas maravilhosas! Aqui em casa fazemos nosso leite… no aguardo da sua criatividade maravilhosa que tanto me ajuda!

    R: obrigada Daniella! um beijo :-*

  4. Estou deixando de comer a carne vermelha a cerca de 01 mês justamente por todos os motivos que você elencou no seu post. Não estou sentindo falta. Porém é um caminho longo e eu estou sendo coerente com o meu estilo de vida e deixando lentamente de comer coisas que uma vida inteira eu como, mas eu acredito fortemente no poder da transformação de todas as pessoas, principalmente quando lemos e ficamos sabendo das atrocidades cometidas com estes seres vivos. Leite só vegetal, ovos só caipira frango e embutidos estou deixando lentamente…vamos juntos Fer, o caminho é longo e vou adorar a nova “cara” deste blog. Tenho certeza que a sua criatividade e pró atividade me dará mais forças. Beijo no coração!

    R: é esse o caminho Daniela! obrigada por me contar a sua experiência. um beijo! :-*

  5. Fico bastante feliz por sua decisão, também tenho compaixão por todos os animais e, durante anos venho tentando diminuir ou tirar todos os tipos de carne e derivados. Confesso, no entanto, que não tenho coragem de assistir nenhum desses links e que tem sido difícil tirar o peixe, apesar de comer somente 1 vez por semana e os derivados. E, ainda, algumas vezes ainda cedo a alguns embutidos como salame e mortadela. Poucas vezes. Também não levanto bandeiras, mas, na medida do possível quero fazer a minha parte para minimizar o sofrimento desses animais. Este post me deu uma chacoalhada para entrar na linha mais duramente, obrigada.

    R: obrigada Elisa, esse é um processo longo. pra mim faltava dar o mergulho final, com os queijos. foram esses links que me dram coragem, porque é MUITO DURO ver. escuta o Paul Shapiro no podcast On The Future Of Food, ele nao fala nada chocante, mas mostra que ha esperança com a carne de laboratorio, sem sofrimento. pra mim, carne nem faz falta, mas é bom saber que havera outras opcoes alem dessa crueldade toda. um beijo!

  6. Adorei o post. Tb nao curto rotulos, mas se for pras pessoas entenderem meu MO, abraço ser vegan com paixão. 💕👏👏👏

    R: obrigada, Bri! você me inspira! :-*

Deixe a sua pitada: