tacos de salmão

wildsalmon.JPG
smokedseafood.JPG

Eu tenho uma receita muito boa pra usar um ingrediente que é super carne-de-vaca por aqui: o salmão defumado. Aprendi com uma colega de trabalho anos atrás. Ela era super criativa na cozinha e me passou essa receita ótima para uma jantar corrido de dia de semana de verão. Não precisa cozinhar nada e fica muito leve e saboroso. Mesmo quando o salmão é defumado, eu tento comprar o selvagem [wild], por causa daquele problema de contaminação do salmão criado em fazenda.

A receita:
Tacos de Salmão
Um pacote de tortilla para taco [a mesma tortilla flexível, de trigo ou milho, só que num tamanho menor]
Uma posta de salmão defumado bem picadinha
Uma lata de feijão preto cozido sem o caldo
Uma lata de milho escorrido
tomate picado
bastante coentro ou salsinha picada
suco de limão, sal e tabasco para temperar.

Misturar todos os ingredientes e rechear as tortillas. Adicionar um queijo meio firme, como o manchego, ralado grosso. Colocar no microondas por alguns segundos, somente para o queijo dar uma derretida e a tortila ficar quentinha. Servir com sour cream e salsa mexicana.

the pistachio nut

Já comentei sobre eles aqui, quando postei a receita de pesto e contei que meu marido tem um projeto de colheitadeira mecânica de pistacho, que ele testa todo final de verão numa das fazendas do maior produtor da Califórnia. Ele trazia o pistacho cru, que é bem gostosinho de comer, mas não tão bom como o cozido e torrado. Eu inventei de processar os pistachos há uns três nos e desisti. Dá muito trabalho e é melhor comprar na loja mesmo… Umas fotos antigas de um campo de pistachos no inverno, da planta com as frutas frescas e uma moda por aqui: chili & lime pistachio!

pistachiosfield.jpg
um campo de pistachos numa manhã de inverno no norte da Califórnia
plantapistachio.jpg
uma planta de pistacho com os frutos frescos
hotpistachios.JPG
hot chili & lime pistachios que eu adoro!

Beef Stroganoff

O Sam acha estrogonofe uma comida cafona, e eu até concordo. Aquela monstruosidade feita com catchup e creme de leite de latinha é realmente um horrore!

Recobrei a minha coragem de fazer e comer essa comida quando achei uma receita realmente boa. Fina, delicada e SEM CATCHUP!
A receita é da MS [whoelse?], testada e aprovada na minha cozinha.

Beef Stroganoff
Tempere meio quilo de top sirloin ou outra carne macia cortada em tiras curtas com sal e pimenta do reino. Aqueça um pouco de óleo ou azeite numa frigideira de ferro e refogue a carne até ela ficar cozida e bronzeada. Retire a carne da frigideira ou empurre tudo para um canto [que é como eu faço]. Acrescente um pouquinho mais de azeite e refogue uma cebola média cortada em fatias finas. Deixe amolecer e acrescente meio quilo de cogumelos brancos frescos [eu já fiz até com baby portobello-crimini] cortados em fatias. Deixe refogar um pouco, acrescente uma xícara de caldo de galinha ou de legumes. ** esse detalhe não estava incluido na receita, mas eu sempre acrescento um pouco de Brandy, ou qualquer outra bebida robusta nessa etapa do cozimento ** Deixe ferver por uns 5/8 minutos. Acrescente uma colher de sopa de mostarda Dijon e cozinhe por mais uns dois minutos. Desligue o fogo e acrescente meia xícara de sour cream [dá também pra usar iogurte natural, que fica bom, ou iogurte grego, que fica excelente], salpique com folhas frescas de erva doce ou mesmo a seca [dill] e sirva com um macarrão bem largo [wide egg noodles].

Queijo Duro com Vinho & Pão

Li na revista…

“Camponeses suíços criaram o fondue séculos atrás e transformaram numa refeição o queijo que ficou duro, misturado com o vinho de mesa. Já o fondue de chocolate foi uma invenção americana, que ficou muito popular nos anos sessenta.”

Essa é a prova de que nem todo prato servido hoje em restaurante caro ou que a plebe pensa que é chique teve suas origem em sofisticados salões das cortês reais. Muita coisa era comida de camponês, de gente pobre, pra aproveitar restos, usar os ingredientes da estação ou da ocasião – que nem sempre era de fartura.

Eu quase não faço fondue porque o Uriel detesta, mas de vez em quando no inverno até que me dá vontade. Nunca me esqueço de um fondue que fiz uma vez pra um casal de amigos, quando aconteceu um forrobodó inexplicável na hora de sentarmos, acho que alguém esbarrou na fonduzeira sem querer e ficamos olhando petrificados a toalha de mesa [novinha!!] PEGAR FOGO!! Eu acordei do transe letárgico de incredulidade à tempo de correr pra cozinha, encher uma vasilha com água e CHUÁÁÁ! Não consegui salvar a toalha, que foi pro lixo.

Eu acho fondue uma comida meio cafonona, apesar de ser inegavelmente gostosa. Acho que é porque aqui, onde ele virou moda nos anos sessenta, vemos e revemos ad nauseam os resquícios dessa moda em centenas de fonduzeiras cor de abóbora e verde oliva à venda nas garage sales e thrift stores. Parece que todo mundo quer se livrar dessas aberrações, mas ninguém consegue, então elas permanecem firmes e onipresentes na sua feiura e insistência. Eu já tive uma dessas quando éramos estudantes e pobres no reino canadense. Mas hoje tenho uma normal – preta, com cumbuquinhas de cerâmica. Mesmo assim continuo achando o business do fondue uma coisa um pouco over the top, quando todo mundo come demais, se lambuza, queima os beiços e põe fogo na toalha.

Eu tinha uma receita de salada que eu servia com o fondue, pra contrabalançar as zil calorias do queijo e todo aquele pão. Não tenho mais a receita, mas acho que consigo lembrar…..

Salada Alice
Um pé de Alface cortado em pedaços
Um bulbo de erva doce picadinho em fatias
Uma laranja em gomos cortados em quatro
Cenoura ralada em fitas
Fatias finas de maçã
Misture tudo e tempere com o seguinte molho:
Sal/pimenta do reino
Azeite
Suco de limão/suco de laranja
semente de erva doce
iogurte natural
Bater bem e temperar a salada.

Quiches

Minha amiga Fabi me ligou para pedir as receitas de uns quiches que eu fiz para uma festa em novembro. Os quiches ficaram ótimos, mas como sempre tive que dizer que não tinha as receitas, pois inventei e não anotei. Mas no problema, pois com certeza fiz o meu ritual culinário de pegar uma receita básica e adaptar para os meus ingredientes e o meu gosto. Por exemplo, não vai queijo nenhum nas receitas que achei de quiche de cebola ou alho poró, mas no meu vai. E eu sempre uso o que tenho na geladeira. Aliás, os quiches são uma ótima pedida para desafogar a geladeira!
Então, pra querida Fabiana, duas receitas de quiches que peguei nos meus livros, mas que podem e devem ser livremente adaptadas.
Quiche de Cebola ou Alho Poró
Aqueça o forno em 450ºF/232ºC [alto].
Forre uma forma de 9 inch/23 cm com uma massa pronta de torta. Fure com o garfo e ponha na geladeira.
Corte em fatias finíssimas bastante cebola ou alho poró. Derreta numa panela 3 colheres de sopa de manteiga. Adicione as cebolas ou alho poró e cozinhe, mexendo em fogo baixo até ficarem translucidas. Misture numa outra panela 3 ovos, 1 xícara de sour cream, 1 colher de chá de sal, 1/4 de colher de chá de pimenta do reino, 1 colher de sopa de sementes de dill ou celery, ou as ervas frescas picadinhas se for possível. Misture tudo nas cebolas ou alho poró já cozidos, pincele o fundo da massa gelada com uma clara de ovo batida, coloque a mistura na massa. Asse por 10 minutos em 450ºF/232ºC, abaixe para 300ºF/150ºC e asse por mais meia hora. Sirva bem quente com uma salada verde. Receita do livro The Joy of Cooking.
Quiche de Queijo Suiço e Cogumelos
Aqueça o forno em 375ºF/200ºC.
Derreta 1 colher de sopa de manteiga, adicione 1 1/2 xícara de cebola picada, refogue bem. Adicione 14 lb de cogumelos, sal, pimenta do reino, tomilho e 1/2 coljer de chá de mostarda em pó. Refogue por 5 min e remova do fogo.
Misture 4 ovos, 1 1/2 xícara de leite e 2 colheres de sopa de farinha de trigo no liquidificador ou food processor, batendo muito bem.
Forre uma forma com massa pronta para torta e espalhe no fundo 1 1/2 xícara de qurijo suiço ralado no ralo grosso . Adicione a mistura de cebola e cogumelos, coloque a mistura de ovos por cima e salpique com paprika.
Asse por 35 ou 45 minutos ou até que o centro fique firme. Servir quente, morno ou na temperatura ambiente [ao gosto do freguês]. Receita do livro Moosewood Cookbook.

Ras El Hanout Spice

Estava encaroçando no World Market e procurando maneiras interessantes de gastar o meu dinheirinho, quando vi uns vidrinhos de temperos numa das seções de comida internacional da loja. Eram temperos libaneses e marroquinos. Um deles me fisgou a atenção e comprei, claro. Era o Ras El Hanout Spice, uma mistura especial de grãos aromáticos e pétalas de rosas típica do Marrocos, que dizem ter propriedades afrodisíacas. Hoje usei o Ras El Hanout numa receita com filé de frango. Só esfreguei o pó nos bifes, deixei descansar uns minutos e fritei no azeite numa panela grande e com tampa. Quando os filezinhos ficaram cozidos, virei e acrescentei couve de bruxelas, aspargo, cenoura e cebola roxa em fatias. Deixei fritar por mais uns minutos com a panela tampada e desliguei. Ficou delicioso. Eu servi apenas com uma salada de alface, mas deve ficar uma combinação perfeita com arroz basmati. Li que esse tempero fica excelente com o couscous marroquino. Vou testar em breve!

Para quem não achar o Ras El Hanout para comprar e quiser arriscar fazer em casa, é só moer bem fininho os seguintes ingredientes*:

galangal, rose petals, black peppercorns, ginger, cardamom, nigella, cayenne, allspice, lavender, cinnamon, cassia, coriander seeds, mace, nutmeg, cloves.

* em inglês, porque tô com pregui de traduzir…