salada de feijão, vagem e limão

salada de feijão e vagem

Adaptei a receita essa salada num prato mais simples, porque eu só queria mesmo era gastar vagens que vieram na cesta orgânica. Como a vagem fica ainda durinha durante o branqueamento e o feijão também não é molengo, essa salada se sustenta por vários dias na geladeira, o que significa ((( M A R M I T A ! ))).

2 xícaras de feijão branco cozido [usei de caixinha]
1 xícara de vagem branqueada [cozida rapidamente em água fervente]
1/4 xícara de salsinha
1/4 xícara de azeite
3 colheres de sopa de cebolinha picado
2 colheres de sopa de alcaparras picadas
1 colher de sopa de raspas da casca de limão
2 colheres de sopa de suco de limão
1/2 colher de chá pimenta de Alepo ou flocos de pimenta vermelha
Sal a gosto

Misture os feijões com a vagem. Junte todos os outros ingredientes e tempere com sal. Sirva.

pimentão recheado
com quinoa & grão de bico

pimentão recheado

Meu esquema na cozinha é normalmente partir dos ingredientes que recebo na cesta orgânica e daí saio a procura de receitas para usá-los. Mas no caso desses pimentões recheados eu fiz o inverso. Fui comprar os pimentões especialmente para poder testar essa ideia. Usei o último maço de manjericão que recebi na cesta para fazer o molho. Aliás, o molhinho é a cereja no topo dessa receita. Nós adoramos a combinação. E como esses pimentões assados sobrevivem bem à geladeira, podem ir pra categoria #Marmita #Team.

para os pimentões:
1 xícara de quinoa crua
1 xícara de caldo de legumes
2 colheres de chá de cominho em pó
1 xícara de grão de bico cozido
1/2 xícara de currants
1 xícara de folhas de espinafre picadas
1/2 xícara de queijo feta
1/4 xícara de azeite
Sal e pimenta do reino moída na hora a gosto
4 pimentões verdes grandes
para o molho:
1 xícara de folhas de manjericão picado
1/2 xícara de iogurte grego
3 colheres de sopa de azeite de oliva
1 colher de sopa de água
1 dente de alho picado
Sal e pimenta do reino moída na hora a gosto

Pré-aqueça o forno a 400°F/205°C. Numa panela colocar a quinoa, o caldo de carne e o cominho e levar ao fogo para ferver. Cubra a panela e abaixe o fogo, deixe cozinhar por 15 minutos ou até que o líquido esteja completamente absorvido. Retire do fogo e deixe descansar por uns minutos. Numa tigela grande despeje a quinoa cozida, adicione o grão de bico, as currants, o espinafre picado, o queijo feta, azeite, sal e pimenta do reino a gosto. Corte uma tampa nos pimentões e retire as sementes com cuidado. Recheie os pimentões com a mistura de quinoa, feche com a tampa e regue com um pouco de azeite, Coloque os pimentões em pé num refratário e despeje uns 2 cm de água na base. Asse por cerca de 1 hora [se as tampas começarem a ficar escuras muito rápido, cubra com papel alumínio e continue a assar]. Enquanto os pimentões estão assando, coloque todos os ingredientes do molho em um processador de alimentos ou liquidificador e bata até ficar homogêneo. Remova os pimentões do forno e sirva, acompanhado do molho.

pimentão recheado pimentão recheado pimentão recheado

curry de abóbora e grão de bico

pumpkin_garbanzo_curry

Imaginem uma receita da Nigella Lawson que não seja a de uma sobremesa altamente voluptuosa ou de um prato gorduroso com 642179 mil calorias. A receita seria então esta aqui, reproduzida pelo Cooking New York Times. Estou sendo injusta com a Nigella, porque eu sei que ela prepara todo tipo de comida. Essa versão de curry de abóbora cai na categoria de receitas eficazes e como sobrevive muito bem até o dia seguinte [e o dia seguinte do dia seguinte] é uma boa adição para aquela nossa estimada categoria do #Marmita #Team. Fiz apenas a metade da receita, mas vou colocar as medidas inteiras aqui e quem quiser ajusta de acordo.

3 colheres de sopa de óleo vegetal
1 e 1/2 xícaras de cebola picadinha
1/4 colher de chá de sal
2 colheres de chá de pasta de curry vermelho Thai[disponíveis nos mercados asiáticos]
1 colher de chá de cominho em pó
1 colher de chá de coentro em pó
1 quilo de abóbora descascada, sem sementes e cortada em pedaços
2 latas de leite de coco
1 xícara de caldo de legumes ou de frango
3 colheres de sopa de molho de soja
4 latas de grão de bico escorrido
1 xícara de folhas de coentro fresco picadas

Coloque uma panela grande em fogo médio e adicione óleo. Quando o óleo estiver quente adicione a cebola e o sal e refogue até a cebola ficar macia, mas sem dourar. Adicione a pasta de curry e refogue por 1 minuto. Adicione o cominho e coentro em pó. Aumente o fogo para médio-alto e adicione a abóbora. Mexa durante cerca de 1 minuto. Junte o leite de coco, o caldo de legumes/frango e o molho de soja. Cubra parcialmente com uma tampa e reduza para fogo baixo. Deixe cozinhar lentamente até que a abóbora fique macia, cerca de 20 minutos. Adicione o grão de bico, cubra parcialmente e cozinhe por mais 10 minutos. Mexa delicadamente e ajuste o sal se precisar. Adicione mais pasta de curry se quiser um sabor mais apimentado. Coloque em pratos individuais, decore com folhas de coentro fresco e sirva.

[homemade] cup noodles

cup-of-noodles.jpg

Sou notoriamente conhecida no meu trabalho como a pessoa que leva comida fresca e feita em casa para o almoço. Não sou a única. Mas o grupo dos que cozinham e levam marmitas com comida caseira não é muito grande. Eu me sobressaio por ser praticamente uma neurótica com ingredientes frescos, orgânicos e preparados do zero. Sempre explico—gentê, eu não assisto televisão, quase não leio livros, não faço muitas coisas além de cozinhar. Tenho amigos que esquentam caixinhas de comida congelada no microondas, temperam saladas de pacote com molho pronto, comem gelatina com cores florescentes e frutas de lata, e tem até os adeptos dos cup noodles. Não julgo nem critico ninguém, cada um faz o que quer. Mas meu jogo é outro. Sei que para os padrões dessa sociedade onde vivo, minha comida é ridiculamente esnobe. Isso soa irônico demais, porque na verdade a minha comida é super simples. Como pode um tomate cortado na hora, temperado com azeite e sal [que guardo numa gaveta no meu desk] ser algo tão fascinante? Nem preciso dizer que no dia que fiz meu homemade cup noodles, ele foi o assunto da hora no nosso grupo de almoço.

Marmiteira fanática que sou, fiquei excitadíssima quando vi essa receita. Um cup noodles caseiro! Testei, adorei e vou refazer. As possibilidades são inúmeras. Eu preparei o meu com o que tinha na geladeira. Acho que dá pra improvisar com quase tudo. Só não pode faltar o gengibre, o limão e os noodles, é claro! A receita sugere usar um cubo de caldo de legumes, mas eu não gosto do sabor desses cubos, então usei somente sal de limão [caseiro—hahaha!]. Na hora de comer é só despejar água quente, pode por um pingo de azeite ou de óleo de gergelim. Acho que poderia também acrescentar um pouquinho de frango desfiado se quiser fazer uma sopa mais substanciosa.

1 colher de chá de gengibre fresco
1/2 pimenta vermelha ou a gosto
3 cebolinhas picadas
1 cenoura pequena
1/3 xícara de milho cozido
1 punhado de folhas de manjericão
60 gr de macarrão de arroz ou de feijão vermicelli
1 pitada generosa de sal
1 limão tahiti

Comece preparando o pote para os noodles. Pode fazer com até 48 horas de antecedência. Descasque o gengibre e pique bem fininho. Colocar num recipiente grande com tampa selada. Pique a pimenta e adicione ao pote. Junte a cebolinha, a cenoura, o milho [ou outos ingredientes a gosto]. Adicione o macarrão de arroz junto com a pitada de sal. Corte o limão ao meio e adicione ambas as metades do recipiente. E finalmente adicione o manjericão no topo. Na hora de servir, ferva a água no microondas ou na chaleira. Remova a tampa do frasco, remova as metades do limão e despeje a água fervente sobre a mistura de sopa até cobrir tudo. Misture a sopa com um garfo. Feche a tampa e deixe descansar por um minuto. Esprema o limão por cima e bom apetite!

uma salada portátil

salad-jar.jpg

A salad in a jar—não é uma ideia nova, mas é uma boa ideia, que vi na revista Whole Living da Martha Stewart da qual sou assinante na versão para ipad. Fiz essa minha primeira interpretação da salada portátil usando apenas cenouras amarelas cortadas em palitos. No fundo do vidro coloquei sal, pimenta do reino moída na hora, azeite de oliva extra-virgem, suco de limão, buttermilk e alecrim fresco picadinho. Na hora de comer é só abrir o vidro e ir molhando os palitinhos de cenoura no molho e crockn’nhock! Bom pra trazer na marmita pro trabalho ou pra levar em picnics e tals.

sopa fria de pepino
[com buttermilk]

sopa-pepino-butter_3S.jpg

sopa-pepino-butter_2S.jpg

Fiz tanto essa receita nas últimas semanas, que praticamente já tomei posse dela. É a minha sopa fria de pepino favorita! Tenho feito muito para trazer pro meu almoço-picnic no trabalho, alternando com uma versão simplificada da deliciosa salmorejo, sem ovo ou presunto. Levo assim mesmo, acondicionadas em potes de vidro com tampa de rosca. Na hora de comer uso a colher ou apenas bebo usando o pote como se fosse um copo. Acompanho com crakers e uma salada, às vezes umas fatias de queijo. É um almoço leve, delicioso e cheio de sustança. Segura você animada o resto do dia, sem pesar nem causar aquela sonolência vespertina. Uso um buttermilk da melhor qualidade. Aliás, todos os ingredientes devem ser da melhor qualidade. Adiciono por minha conta um punhado de ervinhas—ciboulettes ou manjericão fresco, dependendo de qual eu tiver mais abundante no dia. Uma sopa fria perfeita para os dias tórridos, e para os não tão tórridos também.

da revista Everyday Food
cucumber-buttermilk soup
faz 4 porções
2 pepinos médios descascados e cortados em pedaços
[se tiver muita semente, remova]
2 xícaras de buttermilk
Sal marinho e pimenta do reino moída na hora
Azeite de oliva extra-virgem
Um punhado de ciboulettes ou folhas de manjericão fresco

Coloque todos os ingredientes no liquidificador e bata até obter um liquido uniforme. Coloque numa jarra e leve à geladeira. Na hora de servir acrescente mais pimenta do reino moída e um fio de azeite. Pode decorar com fatias bem finas de pepino. Essa sopa se conserva por um dia ou dois, bem tampada e dentro da geladeira.