Korbel – tour

korbel_7.jpg
korbel_4.jpg korbel_6.jpg
korbel_8.jpg
korbel_10.jpg
korbel_13.jpg korbel_14.jpg
korbel_16.jpg korbel_17a.jpg
korbel_18.jpg korbel_20.jpg

Sempre achei a champanhe Korbel super cafona. Preconceito meu, eu sei. Mas sempre olhei para as garrafas de Korbel com um certo ar de superioridade. Nunca comprei essa champanhe californiana, nem mesmo pra fazer Mimosas. Então quando passamos pela Korbel Winery, numa região lindíssima do Russian River Valley no meio de uma floresta de red woods, eu dei uma risada, tipo, que deboche hein, parar justamente nessa vinícola. Nos juntamos correndo à uma tour, que o Uriel não queria fazer, mas que eu achei legal. Ouvimos a história da vinícola e até tivemos que aturar um vídeo horrorildo de dez minutos com uma música de missa no background. Mas valeu à pena. Os prédios onde estão instalados os cellars sobreviveram à um incêndio ainda no século 19 e depois ao grande terremoto de 1906 que destruiu San Francisco. Aprendi como se faz champanhe, que é um processo diferente do vinho, uma informação óbvia sobre a qual eu nunca tinha refletido. Um grupo de franco canadenses que também estava fazendo a tour perguntou o que estava na ponta da minha língua—vocês podem chamar essa bebida de champanhe? A resposta foi, sim podemos. Por dois motivos: porque a Korbel tem um acordo com a França e porque essa champanhe californiana é feita usando exatamente o mesmo processo das champanhes da região de Champagne, na França. Visitamos a vinícola de cabo a rabo, depois fomos fazer um private tasting. O guia nos serviu quatro tipos de champanhe, todas exclusivas da vinícola, que não se acha pra comprar em supermercados. Eu gostei de todas elas. Saí da Korbel com uma impressão menos negativa da champanhe. Mas vou confessar que continuei achando tudo extremamente cafona—os jardins, os lustres, a mobília. Num dos pontos estava instalada num pódio uma garrafa gigante e uma taça de vidro acompanhando, ao lado de um anuncio em letras douradas que a champanhe Korbel foi a champanhe oficial do novo milênio. Realmente…..

9 comentários sobre “Korbel – tour”

  1. hahaha..Muito engracado, mas pura verdade. Tb passo batido..mas..quem nunca “provou” uma Korbel, que quebre a primeira taça;))
    Adorando o passeio:)) pra ser honesta, nem sei se ja provei uma Korbel (preconceito, neh??:) mas tinha que fazer rimar..hehe
    Bjs Amiga!!
    Bri

  2. Fer,que delícia de viagem…vi todos os posts. Concordo com a tchurma, as fotos estão lindíssimas. valeu pela dica do Zinfandel…já estou a caça.
    Beijos!!!

  3. Ai Fer, quando vi o post achei q vc ia falar as mil maravilhas da champagne Korbel… ufa! haha!
    Nao sei se tenho o sentimento “cafona”, mas sempre q tinha q escolher champagne eu passava reto da korbel. Ano passado eu e uma amiga fizemos um brunch de aniversario p/ outra colega e eu levei uma receita na casa dela p/ fazer de sobremesa que levava champagne. Eis q a amiga (encarregada dos groceries necessarios) comprou qual champagne… tcharans: Korbel!
    Ai Fer… no doce com o acucar e frutas e tal ate q disfarcou o gosto, mas assim, purinha, so ela… tenho q fazer um “argh”, nao curti nao (mas eu sou meio chata p/ champagne… – q no fundo tem q ser da Franca, ne nao?!).
    Mas acredito q vc tomou o fino da bossa da Korbel la e certamente nao teria como comparar com a q eu experimentei.
    Estou adorando seu passeio pelas vinicolas, DEMAIS de LEGAL!
    Beijos!
    Ana

  4. Nunca ouvi falar nessa champagne e acho que esse video de 10 minutos é comum em todas as vinicolas. Na Mum tambem tinha o video mas foi interessante.
    estou adorando teus posts.

Deixe a sua pitada: