vinte e quatro horas

Jantei um cachorro-quente e meio, algumas batatas chips naturebas e meia taça de um Sauvignon Blanc neozelandês. Li feliz a cartinha da Jean e o e-mail do Moa, arrumei a cozinha, coloquei meus keds fedorentos de molho na máquina de lavar, coloquei a roupa lavada para secar. Subi, liguei a tevê e chorei muito vendo o filme da Lassie enquanto dobrava roupas de cama lavadas. Tomei banho, terminei de ver Mata Hari com a Greta Garbo, revi Meet John Doe do Frank Capra pela enésima vez enquanto comprava meu novo IMac na loja da Apple da UC Davis. Comecei a ler Simca’s Cuisine, o Uriel ligou e disse que terminaram os testes na fazenda. Tomei remédio para dor de cabeça, comecei a ver Shall We Dance e enquanto Fred Astaire sapateava e cantava sorrindo, virei de costas e dormi.
Acordei, tomei café com leite com bolo de milho, li feliz muitos e-mails, tomei banho, vesti uma blusa que eu adoro e uma saia longa jeans que me dá sorte, arrumei a lancheira e fui pedalando devagar com medo da saia enroscar na corrente da bike. Cheguei no trabalho, disse bom-dia para a jornalista, meu chefe veio conversar comigo e falamos sobre envelhecer e sobre politica. Li feliz mais e-mails, trabalhei, bebi água, ouvi música, comi sementes de romã, fui ao banheiro com o celular no bolso da saia. Trabalhei mais um pouco, meus pais ligaram no celular, falamos sobre envelhecer e sobre politica. Trabalhei ainda mais um pouco, deixei o computador ligado para a técnica instalar o Panther e fui pra casa pedalando devagar com medo da saia enroscar na corrente da bike. Liguei pro Mustard Seed e fiz reserva para uma party of four, fui a pé até o Fuzio onde pedi um sanduíche com salada sem molho para levar para casa, enquanto esperei olhei as roupas na loja da GAP ao lado. Voltei pra casa, o Gabriel ligou. Não gostei muito do sanduíche, mas comi toda a salada. Fiz cortes em cruz e coloquei as castanhas portuguesas para cozinhar numa panela com água, fiz uma receita da panna cotta clássica da Alice Waters. Arrumei a cozinha, subi para ler e ver filmes. Vi dois filmes da década de 30 com a Anne Harding. Tomei comprimidos pra dor de cabeça. Li feliz mais um tanto de e-mails e comi castanhas. O Misty veio me fazer companhia. Minha amiga ligou. Meu irmão ligou, dai desligou e religou no Skype. Minha irmã ligou e ficamos, eu, meu irmão no Skype e minha irmã no telefone. Meu irmão quase dormiu de tédio com o nosso papo. Me despedi, tomei banho, coloquei meu colar super funky, liguei pro Uriel e ouvi o telefone tocando na cozinha—ele já estava em casa. Ele tomou banho. O Gabriel e a Marianne chegaram, fomos à pé ao Mustard Seed. Bebemos vinho, água com gás e suco de uva Pinot Noir. Eu e o Gabriel comemos um hallibut com crosta de macadâmia, o Uriel pediu steak e a Marianne comeu pato. Pedimos entradas, mas não pedimos sobremesa. Comemos e conversamos muito. Voltamos para casa, onde devoramos as panna cottas, conversamos mais um tanto, nos despedimos. Subi, desliguei o laptop que estava em cima da cama, tomei outro banho, liguei a tevê, deitei, começou a passar King Kong de 1933 com a Fay Wray, um clássico que já vi muitas vezes. Pisquei, pisquei, virei de costas e dormi.

19 comentários em “vinte e quatro horas”

  1. Fer,
    ‘E tao bom ler seu blog, fazer suas receitas e ainda por cima aprender bastante com suas experiencias e relatos. Muitas felicidades e saude!
    Beijos
    Sandra

  2. Fer… vou ter que repetir o que a Ana disse: ler você me faz feliz 🙂
    cada vez que venho aqui fico um tempão me deliciando. e adoro quando voce fala de cinema pelo meio das comidas 🙂

  3. QUE DELÍCIA!!!
    Fer, AMEI seu aniversário. :^) Só não gostei das dores de cabeça. Tem tido muitas?
    Queria TANTO, TANTO, TANTO ter passado uma parte do dia com você!! Hoje tomei duas taças de vinho durante o jantar e pensei em você. “Tim Tim!”
    Beijo GRANDE.

  4. Excellent Fer! Que bom:)) Amiga, estou passando pra desejar um otimo weekend, bem freskinho e saboroso. Nao estou no trabalho..;)
    Mais tarde escrevo..
    bri

  5. Puxa, começo a achar q seus dias têm mais que as 24 horas que os meus têm! Se bem q, descontando o trânsito de São Paulo, acho q meus dias se reduzem a, no máximo, umas 20 horas… 1 beijo

  6. Fer, te mandei parabéns no dia 1º através dos comments, mas acho que vc não recebeu, deu um erro na hora, depois avisou que tinha mandado, mas fiquei satisfeita em ler o relato das suas 24 horas, nada como um dia após o outro e sinceramente, eu adoro a rotina. Mas repito aqui o que eu tinha dito anteriormente: muitos anos de vida, com muito Dylan tocando, muitas comidinhas gostosas sendo preparadas e muitas traquinagens dos felinos. Beijos

  7. Puxa, que legal, seu dia foi agitado e terminou super bacana ao lado da sua familia! Melhor nao podia ser nao Fer?!
    Fico feliz por voce!
    Beijos!
    Ana

  8. Eu sabia que voce iria nos contar uma historia do dia…. mas essa superou as expectativas!
    que seu ano seja todinho cheio de coisas boas e sem nenhuma dor de cabeca!

  9. Adorei! é como se estivesse lendo um romance muito legal.Acho você ótima, autêntica objetiva, muito interessante o seu relato dessas 24 horas.
    Parabens mais uma vez e um grande abraço Fer.
    Leo

  10. Sempre acompanho o seu blog e acho fantástico!!!
    E essas 24 horas?!!! Muito divertido. quanta coisa a gente faz sem perceber! Se fizer um 24 horas de ontem pra hoje acho que não fiz nada rsrsrs.
    Bjs.

  11. Olá, Fernanda
    Adorei o seu blog. É tudo tão coloridinho, bem cuidado, que dá gosto de ver. Com o jeitinho que você junta as letras, então, fica ótimo. Voltarei sempre.
    Uma beijoca

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *