Kathmandu Kitchen

Mal humorada e cansada, nada me apetecia. Os restaurantes do centro da cidade lotados na sexta-feira à noite, todo mundo sentado nas mesinhas das calçadas, nos patios dos restaurantes legais. Eu azeda, olhos ardendo. Decidimos ir à um tailandês inédito, onde nunca tínhamos ido antes – são muitos deles aqui em Davis. Mas estava acontecendo um show na praça exatamente em frente ao restaurante, uma muvuca total, então desistimos de ir lá. Acabamos por acaso no Kathmandu Kitchen, que é um restaurante nepalês. Já comi bem e mal lá. Acho que o truque é não pedir carne. Eles têm muitos pratos com carneiro, que é onde eu geralmente me dou mal. Decidi pedir um prato vegetariano, o vegan thali. Foi uma boa decisão.
Como pedimos o thali [dinner], eles retiraram os pratos da mesa. A refeição veio numa bandeja enorme de metal, tudo arrumadinho de forma assimétrica:
Uma porção generosa de arroz basmati alojada no meio;
Duas samosas, super crocantes rodeando o arroz;
Cinco momos, bolinhos recheados de legumes e cozidos no vapor que lembram um pouco os dumplings chineses;
Um naan [pão frito] bem largo, macio e saboroso, deitado em cima do arroz;
Três cumbuquinhas com molhos: um vermelho muito apimentado, outro adocicado e um chutney;
Um potinho com chana masala – um refogado de grão-de-bico que eu adoro;
Um potinho com um curry de ervilha.
Na bandeja do Uriel veio arroz e naan, curry de legumes, sopa de lentilha amarela, um molho de iogurte e palak paneer, um creme de espinafre com queijo paneer.
Ele bebeu um mango lassi e eu uma Himalayan Blue, uma cerveja indiana bem light, mas que vem numa garrafona de 650 ml e que eu simplesmente não consegui terminar. Foi uma refeição leve e farta, que infelizmente não ajudou a melhorar o meu humor, e me deixou um pouco mais cansada. Mas mesmo assim foi bom!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *