esse vai-e-vem que nunca enjoa

Todo ano eu faço uma caminhada pelo Arboretum para fotografar a beleza do outono. Todo ano eu publico essas fotos do outono nos meus blogs. Quem me acompanha há um certo tempo já notou, e eu fico pensando em dúvida se alguém ainda quer ver fotos de folhas? Folhas de outono de novo? Mas não parece que foi ontem que publiquei fotos idênticas? Será o benedito que todo ano vou fazer sempre igual?
Com toda sinceridade, me agrada muito esses ciclos que regulam as nossas vidas, mesmo que isso signifique que vou escrever sobre os mesmos assuntos e registrar as mesmas imagens, entra ano, sai ano. Quantas fotos de tomates, flores, pêssegos, abóboras e folhas de outono já publiquei nesses últimos anos? Quantos verões, quantos outonos, invernos e primaveras? Algumas viagens, novos amigos, mudanças de hábitos ou de rotina. Felizmente está tudo documentado, para se lembrar e relembrar. Como se estivessemos folheando um álbum de fotos de família, com as mesmas caras habituais, um pouco mais velhas, com cortes de cabelo e roupas diferentes, alguns acréscimos, outras subtrações, mas todos sempre presentes nas mesmas celebrações, os aniversários, as viagens de férias, os natais.
Por aqui todo ano começa a esfriar e as folhas das árvores ficam amarelas, vermelhas, douradas e caem, coloco meias nos pés, acendemos a lareira, um gato quase queima os bigodes, alguém assa um peru que dividimos com a família no dia de agradecer, ficamos com dor no lombo varrendo e empilhando folhas no quintal, começa a chover, tiro fotos dos enfeites de Natal que ajeito pela casa de véspera, publico um cartão e desejo tudo de bom para todos, depois de tantas celebrações fico aliviada quando o ano se inicia, como nove sementes de romã, reclamo que não pára de chover, reciclo, recrio, me animo com a chegada da primavera, encho o saco da humanidade com as minhas fotos de flores e, principalmente, das rosas. O jasmim abre e o cheiro das suas flores perfumadas impregna o ar, capino a horta, planto tomates, as pestes chegam devagarzinho. O Gabe faz aniversário, faço o meu próprio breakfast no dia das mães, reclamo que está ficando muito quente, ando descalça, arranco mais mato da horta, detono algumas pestes e colho tomates, o Uriel viaja, viaja, viaja e eu reclamo mais um pouco de estar sozinha e do calor, as aulas e o ano recomeçam na UC Davis, eu aguardo ansiosamente uma brisa de outono, faço compras, combino uma social com os amigos, vou dançar o Blues, reflito sobre o envelhecimento quando meu aniversário aponta na esquina, comemoro mais um ano de vida, e mais um ano de blogagens, compro doces pras crianças, começa a esfriar, troco as roupas leves pelas quentes no armário, coloco meias nos pés, fecho as janelas, vejo as folhas amarelas entupindo as calhas da casa, lembro que preciso ir fotografar o outono no Arboretum, vou caminhar e encontro os limões cravo, publico as fotos das folhas, mais uma vez, mais um ano, mais um outono.

33 thoughts on “esse vai-e-vem que nunca enjoa”

  1. que texto lindo!!!!!!!!! tambem fiquei com lagrimas nos olhos… adoro o carinho que exala de tua cozinha,das tuas fotos , e acho lindo o carinho que essas pessoas sentem por vc. Acompanho seu blog ha bastante tempo, mas esse e meu primeiro post. Hj nao deu resistir… Bjs

  2. Eu gosto desta constância na tua cozinha, deste passar dos dias, desta vida que se renova através dos gestos repetidos. Gosto das tuas folhas, das tuas flores, das festas de hippies e da correria do Natal. Dos teus gatos, dos teus sapatos, dos teus copos de libelinhas e dos pratos de terracota. Dos feijões, das abóboras, das pêras e dos damascos. Gosto ainda mais de ti e de te ler, sempre. E ler-te repetida, ano após ano, é acompanhar a vida através dos teus olhos.
    Beijo grande *

  3. Sua extrema sensibilidade fala muito alto e me toca sempre e, por vezes me leva a reflexao. Sinto uma alma transparente compartilhando sempre.
    Feliz de mim que tenho a oportunidade de poder ver um pouco da sua terra tao distante. Sorte a minha de poder me deliciar com textos tao lindos! Resta-me apenas agradecer.
    Obrigada por tornar meus dias mais coloridos com suas imagens tao perfeitas.

  4. Querida Fezoca…
    eu não me importo nada de ver as tuas fotos sempre que o ciclo de algo recomeça e depois acaba e recomeça de novo…as fotos são lindas e nunca iguais e é sempre bom recordar imagens bonitas!!!
    Beijos grandes

  5. Esse vai-e-vem que nunca enjoa *mesmo*.
    Lindo texto, Fer.
    E alem do mais, eu tenho uma coisa meio infantil de gostar da rotina, de ter a seguranca – relativa – do que vem pela frente. Aqui eu encontro exatamente isso. :))
    Beijos!

  6. Fer, posso te garantir: é melhor repetir tudo do que NÃO repetir… Eu gosto de ver tudo de novo na próxima estação. Significa que ainda andamos por aqui…
    beijos

  7. fer, uma pena q aqui no brasil as estações do ano não sejam mais tão marcantes, elas agora andam misturadas demais e podemos até tê-las todas as 4 num único dia! é de enlouquecer!
    beijos
    adoro suas fotos
    olivia – campinas

  8. Que bom poder documentar e curtir esse ciclo da vida, não, Fer? Sinal de que as coisas estão caminhando e nós estamos aqui bem para vê-las acontecer!
    Um beijo grande!
    Ótimo dia!

  9. Amo o outono e amei o seu texto. Lindo!
    O dia de hoje valeu somente por 2 coisas: Ter ouvido a Maya Angelo recitar uma poesia para as mulheres e ter lido o seu texto.
    Bjs 🙂

  10. Fer, tem certeza de que são as mesmas folhas? hum, não parecem ser as mesmas do último outono.
    Assim como as árvores não estão iguais. A maioria delas está maior, com novos ramos, é outra roupagem.
    Não querida, a natureza não se repete, ela se recria. É por isso que ela não se esgota. Assim como o nosso encantamento em assitir a esse espetáculo. É um dos muitos segredos de uma vida bem vivida, enxergar o novo todos os dias.
    E talento para isso, vc tem de sobra.
    Obrigada por revelar essas novidades todos os dias para nós, suas amigas distantes.
    Bj grande.

  11. Fer,
    Não importa que elas sejam ou pareçam ser repetidas…
    Eu as acho sempre lindas… todos esses tons… Sou apaixonada pelo outono daí!! Só a delicadeza da postagem de fotos sempre lindas já me encanta em você!!
    O outono daqui de Formiga pirou o cabeção!Costuma ser quente pra daná!!!
    Bj

  12. Oi Fer…
    Tenha certeza que suas fotos e histórias nunca nos enjorão…pelo contrário, nos levam a refletir como a vida fica mais feliz quando damos importância as pequenas coisas.
    Bjãooooo.

  13. É isso aí, o ciclo da vida não pára, e ainda bem que é assim. Eu pela minha parte prefiro iniciar o ciclo na primavera, embora não resista às cores de Outono cheias de melancolia.
    Bjs desde Lisboa

  14. É esse o ciclo da vida, o desenrolar normal das nossas rotinas,a força que nos move para a frente! Parece que foi ontem que pôs fotos de folhas? É, o tempo voa…!

  15. Suas fotos são sempre lindas, Fer. Amo todas elas, sejam de folhas, flores, gatitos, comidas ou outra coisa qualquer. Você fotografa com a alma e isso é tudo de bom!
    Amo ler suas linhas e ver suas imagens. E graças a Deus que você não deixa passar nadica.
    beijo grande e carinhoso procê,

  16. E ainda bem que as estações se repetem mas, pensando bem, as fotos nunca são as mesmas. Nós mudamos sempre um pouquinho e os modelos também.
    Agora, uma coisa é certo: as tuas fotos são sempre bonitas !!

  17. Ah Fer, adoro a diversidade das cores, me encantam! Tom sobre tom. Adoro o amarelo, laranja e suas nuances. Ano que vem esperarei por elas novamente.bjss

Deixe a sua pitada: