ninguém sabe, ninguém viu

Quem é que já não passou por uma confa dessas na vida?
Se eu estivesse nesse jantar, podes crer que o baratão iria acabar no MEU prato. Na minha lua de mel num hotel em Ilha Bela, eu faminta e grávida de seis meses devorava pãezinhos com manteiga e geléia e bebericava meu café com leite. Resolvi querer mais uma xícara, quando da jarra do leite caí uma mosca morta, que estivera lá boiando desde a minha primeira servida. Fiquei tão passada, nunca me conformei com aquilo. Serviram leite com mosca à uma grávida!
Esse assunto é nojento, mas faz parte do processo culinário. Como minhas saladas são orgânicas, eu lavo, lavo, olho com a lupa, afogo tudo no vinagre, mas de vez em quando algum inseto minúsculo resiste e aparece no prato, quase sempre no do meu marido.
Ele, pobre criatura, estava numa viagem de trabalho pelas usinas de cana de açúcar do interior de São Paulo – anos atrás – e parou pra almoçar no Restaurante Pinguim de Ribeirão Preto, reduto famosérimo por seu chopp gelado na serpentina de não sei quantos metros. Pediu um bife com fritas e quando foi cortar a carne, achou achatada por baixo uma enorme barata! Ele ficou sem comer por uns dias.
Queremos comida limpinha, barata-free, mas nem sempre os inconveniente insetos aparecem nos ambientes sujinhos. Pode-se ter o azar de ir comer com a alta roda e acabar de boca seca, sem saber o que fazer, enquando encara o alienígena cheio de pernas bem no meio do seu prato.

3 comentários sobre “ninguém sabe, ninguém viu”

  1. Fer – que transtorno e justo na sua lua de mel, dureza… pensando nisto e lendo seu blog, que ocorreu de lhe pedir dicas de restaurantes (Como o Tommaso´s) e até hoteis em São Francisco,CA e Los angeles (caso seja possível) – visto que estarei justamente em minha Lua de mel por estes lados. O Passeio a Napa Valley é imperdível? Abraços, e continue escrevendo, muito bom blog.

Deixe a sua pitada: