primeiro de setembro

Não sei se vocês sabem, mas eu leio todas as revistas que assino com meses de atraso. A única exceção é a Martha Stewart Living e a Sunset, que adoro e devoro assim que sou avisada que elas estão disponíveis no iPad. Já as outras vou lendo quando posso. Foi por isso que li essa matéria de julho sobre o dogpatch em San Francisco somente noutro dia. É uma área mezzo industrial/mezzo residencial que tem se desenvolvido e se modernizado desde a década de 90.

what a week what a week what a week
what a week what a week what a week
what a week what a week what a week

A reportagem da revista Bon Appetit deu algumas opções de lugares para comer e eu quis conhecer o restaurante Piccino, instalado numa casa vitoriana amarela numa esquina bem charmosa do bairro. Chegamos sem reserva, o que não é uma coisa que eu arrisco fazer sempre, mas não houve problema. O lugar estava bem cheio, mas nada comparado com as áreas mais turisticas da cidade. Dividimos uma salada de figos, queijo gorgonzola local, rúcula e avelãs. O Uriel pediu um panini de tomate com ragout de cogumelos e eu um gnocco de semolina com vagens francesas e um caldo com pesto saborosissimo. Eu bebi um vermentino de Alta Mesa, California. Não pedimos sobremesa porque eu queria tomar o sorvete da Mr. and Mrs. Miscellaneous, uma lojinha de gostosuras que fica na outra esquina. Escolhi gulosamente dois sabores—azeite e chá preto inglês, que acabou sendo o meu favorito. Meu marido, mais comedido, escolheu somente uma bola de gengibre cristalizado. Os sorvetes deles são muito bons.

what a week what a week what a week
what a week what a week what a week
what a week what a week what a week

Depois fomos dar uma volta pelas ruas do Mission district, que fazia uma parte coadjuvante na reportagem da Bon Appetit, mas não seguimos nenhuma das dicas. Eu queria mesmo era passar na Tartine Bakery para comprar os famosos pães, que dizem ser uns dos melhores dos EUA. Andamos pela 18th street que estava apinhada de gente. Entrei na fila da Tartine—que me pareceu nunca tem fim, e quando chegou a minha vez fui avisada de que eles só teriam pão depois das 4:30pm. Naquele momento só estavam servindo bolos, tortas, sanduiches. Resolvemos andar pelo bairro, olhar lojinhas de antiguidade, comprei um picolé na esquina, entramos na abarrotada Bi-Rite que vendia tomates, figos [esses um tanto amassados] e outras delicias frescas daqui da nossa região. Demos risada. Voltamos para a Tartine onde finalmente comprei dois pães, que são enormes e estavam quentinhos, crocante por fora, macio por dentro. Atravessamos o Dolores park e voltamos para o carro mastigando nacos de pão pela rua. Não conseguimos evitar!

what a week what a week what a week
what a week what a week what a week

Sou daquelas habitante da roça pra quem ir até a beirinha do continente e olhar para o oceano é algo altamente especial. Por isso neste dia aproveitamos para dirigir até a Ocean beach, que não é a praia mais linda da região, mas tem o charme de ter a Cliff House no seu extremo direito. A história dessa casa, que agora hospeda um restaurante e um bar e a do Sutro Baths, a incrível piscina pública que hoje só se pode visitar suas ruínas é absolutamente fascinante. Nessa altura já estava ficando tarde e decidimos jantar em algum lugar por perto. Como sábado pra nós é dia de comer pizza, o Yelp nos indicou a pequena Pizzetta 211 no Richmond district. O lugar é bem pequeno, no estilo da pizzaria Delfina, mas é ambientada como um bistrô francês. Os vinhos são também na maioria franceses, o que eu achei que destoava um pouco de um lugar que servia pizza. Mas deixando de lado os dogmas gastronômicos, bebi um vinho francês, branco e seco, muito gostoso, dividimos uma salada de farro com vagens e tomates e pedimos uma pizza para cada um—uma de berinjela assada, outra com mussarella e anchovas brancas. Voltamos pra casa já estava noite. Foi um dia muito bom.

7 comentários em “primeiro de setembro”

  1. Olá Fezoca…é sempre um encanto ler os teus textos…o seu dia a dia…
    Estou tão longe mas é quase como se estivesse aí…a tua escrita leva-nos inevitavelmente a imaginar esses lugares, com cheiros e cores…quase vislumbrei tu e o Uriel caminhando e trocando pedaços de pão quente…muito romântico!!! 🙂 Beijos
    R: Cris, que alegria te ver por aqui! quantas saudades! um beijo :-*

  2. Vou incluir no meu passeio a Frisco!!
    Fiquei com muita vontade dessa salada de figos! Mas não sei se em outubro ainda estarão frescos.
    Estou pensando em ir no foreign cinema, chez panisse. Onde mais devo ir?
    Bjos!!
    R: Amanda, tem um resumo de [quase] tudo que ja fiz na cidade AQUI. inclua o restaurante Aziza tambem, que nunca entrou no blog, mas foi um lugar que adorei. bjo

  3. Viajei (virtualmente) na sua descricao de um dia maravilhoso, sem duvida!
    Nunca comprei pao na Tartine, nao consegui encarar a fila, mas tenho o livro e acho um dos melhores livros de bread baking ever!
    Ocean Beach, Cliff HOuse, voce me fez lembrar dos meus tempos californianos de vinte e cinco anos atras! Amei!
    R: Sally, sua opiniao de exímia baker é decreto pra mim! nao tenho quase experiencia com paes, mas estou pensando em comprar esse livro. beijao!

  4. Fer, no dia em que fui visitar The Cliff House estava uma tempestade assustadora, com ventos fortíssimos, ondas altas batendo naquelas pedronas e tals.
    Pra mim a paisagem daquele mar furioso e cinza foi emocionante e inesquecível!!! Não deu pra ir lá fora ao ar livre, parecia que o vento e a chuva nos soprariam longe, mas ainda assim valeu demais!!
    Numa próxima, experimente comer por lá. O restaurante é uma delícia!!!
    R: nunca visitei a Cliff House em dia de chuva ou tempestade, mas sei que vira e mexe morre gente engolfada pelas ondas. ugh!

Deixe uma resposta para sallybr Cancelar resposta