Pissaladière

Eu tinha copiado a receita daquele livro inglês para gourmets de 1931 que ia mais ou menos assim: use uma massa, frite muitas cebolas no azeite, cubra a massa com essa cebola, coloque azeitonas pretas e fatias de aliche, asse. E até tinha decidido tentar fazer a especialidade de Provence assim mesmo, no tapão, afinal o que poderia dar errado? Mas coincidentemente naquela nesma noite, chegou no correio mais um exemplar de inúmeras revistas de culinária que eu recebo como sample, e nunca assino. Essa era a Cook’s Illustrated e nela vinha uma receita super hiper micro detalhada da pissaladière. Então eu fiz. A massa ficou incrivelmente boa – fácil de fazer, de manusear, fininha e crocante depois de assada, e acho até que vou adotá-la para as minhas pizzas. O recheio pedia quase um quilo de cebolas e eu só usei 2 grandes, então da próxima sei que precisa mais. Usei só uns ticos de aliche, pois apesar de gostar desse peixe, acho o sabor um tantinho “overwhelming”. Devorei duas fatias com uma taça de vinho branco e foi a melhor refeição desta semana.
pissaladiere_1S.jpg
Pissaladière
Massa:
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher de chá de fermento Fleischmann para pão, o de grão, seco
1 colher de chá de sal
1 colher de sopa de azeite
1 xícara de água morna.
No food processor com a lâmina de plástico, coloque a farinha, o sal e o fermento e pulse por 5 segundos para misturar. Ligue na velocidade normal e pelo tubo adicione devagar o azeite e a água, até formar uma passa compacta – uns 15 segundos. Retire a massa do processador e amasse de leve numa superfície enfarinhada. Forme uma bola e coloque numa vasilha pequena untada com azeite. Cubra com plástico bem apertado e deixe crescer por 1 hora e meia.
Recheio:
1 quilo de cebola cortada em fatias
2 colheres de sopa de azeite
1/2 colher de chá de sal
1 colher de chá de açúcar mascavo.
Frite a cebola no azeite, acrescente sal e açúcar e refogue em fogo alto por 10 minutos. Abaixe o fogo e refogue por mais 20 minutos até a cebola ficar caramelizada.
Abra a massa. A receita diz pra fazer duas, mas eu fiz uma só. Segure a massa pela ponta e vá puxando, ela vai esticando e tomando forma. Pode pôr em cima de uma folha de papel manteiga e ir puxando. Coloque numa forma. O forno deve estar pré-aquecido em 500ºF/260ºC. Cubra a massa com a cebola caramelizada. Salpique com azeitonas pretas, aliche. Se quiser pode pôr tomilho fresco, ou fennel seeds, que foi o que eu usei. Asse por 15 minutos. Sirva imediatamente.

12 comentários sobre “Pissaladière”

  1. Tenhos receitas de pissalediere reservadas mas ainda nao me aventurei.Deu vontade de comer esta da foto. Na questão do aliche tens razao.A fronteira entre o sabor que acrescenta e como pode facilmente destruir um prato/receita é bem fininha.

  2. Fer, ando com tanta vontade de pissaladière… tenho em casa umas quatro, cinco receitas diferentes (e agora mais uma), todas de dar água na boca. Parabéns, ficou linda!
    ;***

  3. Querida Fezoca, esta especialidade de Provence é um encanto!
    PS: no outro dia, fiquei cuiriosa com aquela coisa da pizza portuguesa. Procurei a receita e a história na Internet. Testei e devo concluir que os Paulistas têm bom gosto, pois é uma das mais saborosas pizzas que alguma vez comi! O meu marido também adorou! Em breve, publicarei a fóto e a receita no Bistrot. Obrigada por me a ter feito descobrir! 🙂

  4. Deve ser mesmo bom!
    …………………-.’…..’.-.
    ……………-(………./…..)-.
    …………./…..’….oOo…’…..
    ..,………..–.oOOOOOo.-‘-./.
    ..|..,…..(..’..:oOOOOOo:…’).
    ._./|…../’–‘oOOOOOo’-‘-‘.
    .’-…;/|………..”oOo”……./.
    ..–`’..:/|..’-(…../………)-.
    ..’–..`../..//..’–‘.__.’–´.
    ….`’-,_’;//.
    ………..'(( .
    …………. .
    …………… . Um abraço apertadinho,
    ……………. . Daniela

  5. Fer, eu nunca fiz pissaladière mas me deu muita vontade de testar essa receita. Tem cara de receita especial para os finais de semana, especialmente para o domingo à noite.
    Beijos

Deixe a sua pitada: