O famoso sanduba do Elvis

Apesar de não ser uma consumidora frequente do produto, tenho que ter sempre um vidro de peanut butter na despensa, para a eventualidade de dar uma vontade de comer o sanduiche favorito do Elvis Presley!

As receitas:

Peanut Butter and Banana Sandwich
do The Presley Family Cookbook
3 colheres de sopa de peanut butter
2 fatias de pão branco
1 banana — amassada
2 colheres de sopa de margarina — derretida

Misture a peanut butter com a banana amassada. Toste o pão levemente. Espalhe a peanut butter com a banana amassada na torrada. Frite na margarina derretida, virando dos dois latos até ficar dourado.

menu_du_jour_2

Elvis’s Favorite Peanut Butter Sandwich
2 fatias de pão branco
2 colheres de sopa de peanut butter cremosa
1/2 banana – bem madura
2 colheres de sopa de manteiga ou margarina
-Espalhe a peanut butter sobre uma das fatias de pão
-Coloque fatias da banana sobre a peanut butter
-Cubra com a outra fatia de pão
-Derreta a margarina numa frigideira sobre fogo médio.
-Frite o sanduiche até ficar dourado dos dois lados

NOTA : Elvis comia esse sanduíche com garfo e faca. Não é a toa que ele ficou bem gordutchinho nos seus últimos anos de vida!

menu_du_jour_2

Minha versão do Sanduiche Favorito do Elvis
Espalhar peanut butter em duas fatias de pão branco de forma. Cortar uma banana em rodelas e colocar entre as fatias. Tostar o sanduiche fechado, numa frigideira ou aparelho de fazer sanduiche. Devorar com direito a lamber os dedos!!

cogumelos galore!

cogumelos1.JPG cogumelos2.JPG

Cogumelos são interessantes e saborosos, mas eu tenho pouquíssima experiência com eles. O máximo que faço é refogar criminis, shitakes ou os cogumelos brancos comuns com azeite e alho. Ou colocar enokis na sopa. Mas já ousei com os portobellos, que fiz assados.
A receita é da revista Everyday Food nº 14 – julho/agosto de 2004:
Portobellos com alho-poró e espinafre
4 cogumelos limpos
3 colheres de sopa de azeite
3 coilheres de sopa de vinagre balsâmico
sal grosso e pimenta do reino à gosto
2 alhos porós – somente a parte branca – cortados em fatias bem finas
2 xícaras de espinafre fresco picado
1 xícara de queijo de cabra em pedaços
Aqueça o forno no alto [450F]. Coloque os cogumelos num refratário de cabeça para baixo, a parte das fibras pra cima. Molhe com azeite e vinagre e tempere com sal e pimenta. Asse por mais ou menos 10 minutos. Coloque as fatias de alho poró, o espinafre e o queijo no topo de cada cogumelo. Tempere com mais sal e pimenta e asse por mais dez minutos, até o espinafre murchar e o queijo começar a derreter.

pimentãozada

Outro legume de verão que precisa ter um pouco de criatividade para usar é o pimentão. Eu recebo muitos pimentões, verdes, vermelhos e amarelos na cesta orgânica, mas este ano fiz a besteira de plantar dois pés no meu quintal, então passei o verão inundada por pimentões que ainda tenho na geladeira.
Os pimentões vermelhos e amarelos eu grelho na churrasqueira ou tosto na chama do fogão. Vou virando até ele ficar todinho preto e embrulho numa folha de papel toalha ou coloco num saco de papel e deixo esfriar embrulhado. Depois de frio, desembrulho e vou tirando a pele preta com uma folha de papel toalha. Não precisa colocar embaixo da água. Tiro as sementes, corto em fatias e tempero com vinagre balsâmico, sal, pimenta do reino, azeite e ervas secas. Faz uma salada bem saborosa para comer com pão.
Já o pimentão verde eu ponho no molho pra cachorro-quente ou corto em fatias bem finas pra salada. Fora isso tenho apenas uma outra receita, que é da minha tia, irmã da minha mãe, uma autêntica cozinheira frugal que faz as melhores receitas italianas do planeta!
A receita:
Pimentão Recheado – da Tia Dirce
Fritar no azeite bastante alho picado. Adicionar miolo de pão amanhecido. Refogar até o pão ficar bem úmido. Deixar esfriar e adicionar azeitonas picadas [pode ser verde ou preta], uma latinha de aliche escorrido e picado e orégano à gosto. Tirar as sementes dos pimentões verdes, rechear com essa mistura e assar.
Fica muito bom!

velhos cadernos de receitas

Resolvi fazer uma cata de posts culinários no meu blog ancião, o The Chatterbox , e achei coisas incríveis. Eu já escrevia sobre comida lá desde os tempos em que tinha apenas dez leitores e praticamente não me importava em publicar um monte de tontices. Hoje já não escrevo dessa maneira, mas vale a pena ler de novo um post de dois mil e um onde eu faço comentários sobre comida e até dou uma receita ótima de salada ayurvedica.
. . . . . . . . . . . . .
January 22, 2001 – Several hours of sun…
Mais receitas [ow,no!]: pegue um pentelhudo bem maduro, adicione flash-trash, uma pitada de x-files, um dedinho de technomusic e voilá…… EnJoYiT! …. Blurp!!! 🙂
“Do vegetarians eat animal crackers?”
[placa na frente de uma igreja em Los Angeles]
Será que comer muito tofu faz mal? Eu adoro tofu! Como derivados de soja várias vezes por semana. Faço sopa de missô, que eu adoro, com tofu frito, tofu defumado, tofu fresco, tofu barbecue, tofutofutofu! 🙂 Aprendi a fazer a tradicional hot & sour soup dos restaurantes chineses, que eu faço com cenouras, cogumelos e TOFU! 🙂 E tem os noodles de arroz, que eu faço com o que tiver de vegetais mais TOFU! 🙂 E quando eu faço sushi, se sobra arroz eu recheio aqueles deliciosos quadradinhos de TOFU frito! 😉 E como um trail mix malasiano, onde eu misturei grãos de soja torrados [a soja não é muito saborosa sozinha] e devoro yorgut feito de leite de soja, porque eles são ótimos! A Iri disse que soja é muito boa para a mulher… Mas será que comer demais….. hum…
E eu como animal crackers quando tenho a oportunidade. Eles têm gosto de bolacha de maizena…. And I like it! 🙂
Às vezes eu penso que deveria fazer um curso de Chef [no Napa Valley, aqui pertinho, tem um hotel que forma cozinheiros(as)] porque eu curto tanto falar de comida! Não curto tanto cozinhar e comer quanto ficar procurando receitas, lendo, comprando ingredientes e falando de comida! Já me disseram que cozinhar seria uma ótima atividade pra mim, porque ela preencheria as minhas necessidades de FOGO [eu tenho 1 de fogo no meu chart… e 10 de terra, o que explica as minhas medronices…] e da lua em câncer na VI, que adora ficar cuidando dos outros. Eu tenho pensado seriamente nessa possibilidade…..
Outro dia experimentei uma salada nova num jantar aqui em casa [ah, não posso esquecer de mencionar que sou uma soberba misturadora de saladas!] e ela fez um sucesso. É uma salada ayurvedica. Quer provar?
Fennel Cole Slaw with Pecan Dressing
Misture 1 1⁄2 xic de repolho picado fininho, 1 1⁄2 xic de erva doce picada fininha, 1 1⁄2 xic de cenoura ralada, 1/3 xic de gengibre cristalizado picadinho, 1 colher de sopa de sementes de erva doce torradas, 3⁄4 xic de coentro fresco picado.
Para o molho: bata no liquidificador ou no mixer 1/3 de óleo de gergelim [misture com um pouco de azeite de oliva, pois o óleo de gergelim tem um sabor muito forte], 1/3 xic de nozes pecan, 3 colheres de sopa de suco de limão, 2 colheres de sopa de mel e sal à gosto.
Tempere a salada com o molho e salpique com um pouco de pimenta do reino moída. Sirva!

bolo de aniversário

bolo1.JPG bolo2.JPG
bolo3.JPG bolo4.JPG
bolo5.JPG bolo6.JPG
bolo7.JPG bolo8.JPG
bolo9.JPG bolo10.JPG
. . . . . .

Fiz esse bolo pela primeira vez em março deste ano. Peguei a receita na edicao número vinte da revista Everyday Food da Martha Stewart. Fiz ele novamente para o aniversário da minha amiga Marília amanhã. Desta vez melhorei o recheio, que não tinha ficado muito bom da primeira vez. Misturei lemon curd com pessêgos em calda e adicionei uma camada de doce de leite. Como sempre ficou um bolo meio torto – tudo o que eu faço sai meio torto. Mas saberemos se o bolo ficou gostoso amanhã, depois dos parabéns!
A receita:
Coconut Layer Cake
3/4 xicara [1 tablete e meio] de manteiga sem sal na temperatura ambiente
2 1/2 xicaras de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó
1 colher de chá de sal
1 1/2 xicara de açúcar
1 colher de chá de extrato de baunilha
2 ovos inteiros mais 3 gemas [separar as três claras para a cobertura]
1 xícara de leite
cobertura para bolo [receita logo abaixo da massa do bolo]
lemon curd [creme de limão], coco ralado para o recheio e enfeite.
Pré-aqueca forno no médio [350F]. Unte duas formas redondas. Coloque papel manteiga no fundo das formas, unte com manteiga e salpique com farinha.
Numa vasilha grande misture bem a farinha, o fermento e o sal. Numa outra vasilha bata a manteiga e o açúcar num creme, vai acrescentando os ovos um a um e batendo. Acrescente a baunilha, sempre batendo, vai colocando a farinha em três partes alternando com o leite. Bata bem. Divida a massa entre as duas formas já untadas e asse por uns 30 min. Deixe os bolos esfriarem numa grade, tire o papel manteiga do fundo. Deixe esfriar completamente antes de montar as camadas do bolo.
Para a cobertura, coloque uma panela com uns 5 cms de água para ferver. Não deixe borbulhar e abaixe o fogo. Coloque um pirex de vidro ou vasilha de metal em cima da panela, não deixe a água tocar na vasilha. Misture na vasilha as três claras de ovos, 2 colheres de chá de light corn syrup [Karo light], 1/2 colher de chá de crem of tartar, 1/3 de xicara de água gelada e 1 1/2 xícaras de açúcar. Vai batendo com a batedeira em potência maxima por mais ou menos sete minutos, até a clara ficar com consistência bem firme e cor perolada . Remova do fogo e continue batendo ate a cobertura esfriar. Use imediatamente.
Recheie o bolo com 1/4 xicara de lemon curd [creme de limão] e 3/4 xicara da cobertura. Eu usei pessêgo em calda picado, mas pode ser qualquer recheio. Cobrir com o segundo bolo e confeitar com a cobertura. Salpicar coco ralado por cima. Voilá! Dá um bolao e fica muito saboroso, principalmente no dia seguinte, depois que o recheio molhar o bolo.

caldos para sopa

Preguiçosa e distraída como eu sou, preciso pensar em maneiras eficientes de fazer coisas na cozinha, que me permitam poder fazer outras mil coisas e ter esquecimentos. Com a chegada do inverno ficamos pedindo por sopas. Elas são fáceis de fazer e sustentam, acompanhadas de uma boa salada e pão fresquinho. Mas depois que eu li este livro maravilhoso [que ainda vou comentar extensamente], fiquei encantada com os caldos que ela cita como base de tudo – sopas e molhos. Fazer um caldo me faz pensar imediatamente num panelão cozinhando por intermináveis horas sobre a chama do fogão. Não daria certo pra mim, que estou sempre entrando e saindo de casa em mil atividades e tarefas. O caldo levaria dias pra ficar pronto, se eu fosse seguir as regras de segurança básicas de não deixar fogo ligado sem vigilância na minha casa de madeira.
Mas como tudo pode ser adaptado, descobri uma maneira eficiente e segura de fazer caldos base para as minhas sopas. Espanei as teias de aranha da minha panela elétrica, chamada aqui de crockpot ou slow cooker. Ela cozinha em baixíssima temperatura num pote de cerâmica. Você joga lá os ingredientes e deixa cozinhando o dia inteiro ou a noite inteira e depois de muitas horas, voilá, é só coar o caldo.
Tenho feito caldos ótimos com os inúmeros legumes e verduras que teimam sobrar da minha cesta de segunda-feira. O básico é:
cenoura, salsão, pimentão, uma cebola espetada com cravos, basilicão fresco, ervas secas amarradas com um barbantinho, batata doce ou abóbora, nabos e verdura verde em fatias. Se tiver resto de frango ou carne, para um caldo de frango ou carne. Senão somente os legumes dão um caldo ótimo. Adiciona água, vinho branco, um pouco de sal e deixa cozinhar por pelo menos doze horas. Eu tinha esse crockpot há um ano e ainda não tinha achado um utilidade pra ele, que estava entrevado junto da máquina de fazer pão, da fazer macarrão e da centrífuga. Mas nada como um dia após o outro…

defeitinho….

Somente ontem que pude ver o Chucrute num IE 6.0 para Windows e foi então que topei com um defeito no layout. Fiquei irritadíssima, porque o layout visualiza bem até no morto e enterrado IE para Mac. Então mil desculpas para quem usa IE. Vou arrumar o defeitinho em breve. Mas enquanto isso, fica a sugestão de fazer o download do Firefox, que é um browser excelente, sem falar que ele lê perfeitamente as CSS, o que o IE parece não fazer direito.