no que ando pensando [muito]

Entrei numa farmácia pra comprar pastilha de tosse e a cena que vi na minha frente me pareceu naquele momento a pura imagem do inferno—uma variedade absurda de doces e chocolates, centenas de pacotes de salgadinhos, um infinito de bebidas artificiais, bebidas alcóolicas, enlatados, comida de caixa, em pó e congelada. E lá no fundão, os remédios. Claro que as farmácias não são novidades pra mim e sempre entro nelas por um motivo ou outro, mas naquele eu dia fiquei chocada. Fui tomada por um sentimento de profunda tristeza quando vi a tonelada de doces de natal serem substituídos por uma tonelada de doces de valentines numa estalada de dedos. Vi naquele cenário colorido uma armadilha atrativa e cruel de açúcar e corantes. As farmácias se transformaram em imensas lojas de conveniência [ou inconveniência], que te vende o problema e depois te vende a solução. São um retrato do que tem de mais paradoxal neste país. desculpa o clichê, mas são.

Passei os feriados de final de ano cozinhando e falando sobre comida com a minha mãe. Falei sobre a minha surpresa por ter virado uma celebridade no meu trabalho pelo simples fato de que eu como comida. E como comida no prato, usando garfo e faca, guardanapo, copo. Sou um assombro! Porque desde a década de 50 do século 20 que os americanos foram desaprendendo a cozinhar, deixando os velhos e laboriosos hábitos por outros mais simples e práticos. E hoje estamos a beira de um colapso na área de saúde, epidemia de obesidade, muitas doenças estranhas, muitas mortes. Isso que estou dizendo não é nenhuma novidade, os fatos estão escancarados. Eu vejo, você vê, mas não é todo mundo que percebe. Ainda há muita falta de informação, muita gente simplesmente não sabe que todo esse lixo se se ingere está nos transformando, nos adoecendo e nos matando. Agora não é mais somente a opção pela praticidade, mas é pela falta de instrução e de conhecimento. Quem vem de uma família onde não se cozinha há pelo menos quatro gerações faz o quê? Faz o que cresceu fazendo e o que acha normal fazer.

Ando muito pesarosa e desanimada, achando tudo uma aberração, uma caminhada cega em direção ao precipício. No trabalho, toda vez que vejo um colega colocando uma caixa de comida processada congelada no microondas, meu coração afunda. Nunca falo nada, mas mesmo de boca fechada, sem julgar ou criticar, posso mostrar delicadamente que há outro lado. Sento na mesa, onde outros colegas se juntam para almoçar e conversar, às vezes dividimos comida. Eu monto meu prato com salada fresca, minha comida simples e no final de sobremesa descasco uma laranja, o que muitas vezes gera olhares de genuíno espanto—olha, alguém que descasca laranja! Todo dia escuto um—oh, você se alimenta tão saudavelmente! ou um—uau, seu jeito de comer é tão legal, tão caprichado! Sempre comi assim, é a minha resposta. Não posso mudar o mundo, mas depois de dois anos dividindo a cozinha na hora do almoço com outros colegas, posso dizer que consigo pelo menos passar uma mensagem positiva e talvez ter uma pequena influência com relação à futuras possíveis mudanças de hábitos.

a verdadeira história da foto mais fantástica de todos os tempos

bolsa-ao-vento.jpg

Estávamos trabalhando, quietos e concentrados, quando o meteorologista entrou na sala todo esbaforido, pegou a câmera que ele sempre carrega na mochila e fez sinal para que o seguíssemos, pois aparentemente ele tinha visto algo absolutamente incrível do lado de fora do prédio.

Explicarei primeiro que tivemos semanas e mais semanas de uma ventania brutal, que arrancou árvores pelas raízes, forrou o chão de galhos, de folhas, de flores, desorientou os motoristas e ciclistas, levantou saias, derrubou pássaros no voo, descabelou penteados, mudou coisas de lugares e deixou as pessoas confusas.

Corremos atrás do moço com a câmera naquele dia de ventania. Ele parou bem em frente ao arbusto de feijoa e numa pose de paparazzi ajustava a lente para captar a imagem incrível daquela bolsa pendurada num dos galhos da planta. Ficamos todos com cara de ué olhando pra ele e pra bolsa, pra bolsa e pra ele, pra ele e pra bolsa, até que eu resolvi me pronunciar—essa é a minha bolsa de lanche que eu pendurei aí hoje pela manhã pra secar, porque vazou molho de salada e eu tive que lavá-la.

Fuén geral. Voltamos cada um pro seu cubo e pro trabalho, mas antes tive que ouvir o meteorologista e fotógrafo de imagens bizarras reclamar—você acabou de estragar a foto com a melhor história de todos os tempos: o vento trouxe a bolsa de longe e ela acabou aqui pendurada neste galho. [ SORRY! ]

[ almoço literário ]

arvre1.jpg arvre2.jpg arvre3.jpg

Sentei no meu banco favorito para almoços no campus e atrás de mim veio um grupo de jovens. Um deles sorriu pra mim e sentou-se na grama à uns poucos palmos de distância dos meus pés. Os outros o seguiram e sentaram-se também, formando um círculo. Junto deles estava a professora, uma moça indiana que falava inglês com sotaque britânico e tinha o lenço mais lindo do mundo enrolado displicentemente no pescoço. Era uma aula de literatura outdoors, bem ali na minha frente. A professora elogiou o dia lindo e frisou como todos estavam com a cara muito mais felizes do lado de fora do prédio. É assim mesmo que todos se sentem quando uma aula é libertada das quatro paredes e toma posse do verde da paisagem externa.
Eu tinha meu guardanapo estendido no colo, onde equilibrava potinhos abertos sobre um prato de bambu. Daquela distância não pude evitar de me tornar uma extensão do grupo e ouvir toda a discussão conduzida pela professora. Eu dava garfadas na minha versão improvisada de uma açorda de camarões e ouvia a opinião dos estudantes sobre os personagens do livro—The Ramayana. A saga de Rama, Sita, Lakshmana, Surpanakha e de como os alunos a percebiam e a interpretavam. Comi a açorda e mergulhei floretes de brócolis e palitos de cenoura cozidos num molhinho de tomate e devorei com cuidado os pedaços de abacaxi assados com açúcar de palmeira. Comi bem devagar, sem fazer barulho ou sujeira, como se estivesse mesmo naquela aula. E depois de ouvir algumas das manifestações dos alunos sobre a grande epopéia Indu, talvez eu precise [ou deva] ler também o livro.

a arte de mendigar [comida]

pedinte_1.jpg
pedinte_2.jpg pedinte_3.jpg
tem algo pra mim? tem? tem? Eles são incrivelmente fofinhos e abstraindo os potentes dentões parecem até um bichinho de estimação. Mas eles são uma verdadeira peste e infestam o campus Davis da Universidade da Califórnia onde eu trabalho. Agora que o tempo esquentou e já pude voltar a comer outdoors, os esquilos voltaram a participar do meu almoço. É uma participação de figurante, já que eles não protagonizam nenhuma comilança, apenas me rodeiam pedindo coisas. Uns são mais tímidos e ficam relutantemente me olhando de longe, na esperança que eu deixe algum farelo para trás. Outros são realmente audaciosos e chegam bem perto, quase me cutucam, me olhando com umas caras muito melodramáticas de pidões esfomeados. Fico com pena, mas não dou absolutamente nada, pois eles têm muitas outras comidas mais apropriadas pra eles no campus, como azeitonas, acorns, nozes, cerejas, e pêssegos. E porque sou contra alimentar animais silvestres com comida de humanos.

e os esquilos…

Esquilos Esquilos
Esquilos Esquilos
Esquilos Esquilos
Esquilos Esquilos

No outono eles dão mais sossego, porque o campus fica todo salpicado de acorns, que é a comida natural deles. Mas no verão eles me atazanaram pra valer enquanto eu almoçava no páteo atrás do meu prédio. Era uma pedição de comida, uma ousadia, um atrevimento sem parâmetros. Nunca vi tanta audácia, pois eles chegavam pertíssimo, uns cheiravam o meu pé, um outro até tentou abocanhar meu dedão. Mas nunca dei nada pra eles, porque sou contra alimentar animais silvestres com comida de humanos. Embora tenha deixado algumas vezes nos bancos de madeira um treat mais apropriado para a dieta eles—os caroços dos damascos que eu comia de sobremesa.