roasted red pepper salad

threeredpp.JPG
umamaotomilho.JPG

A minha amiga Bia está tentando montar um cardápio de comidinhas simples e saudáveis para a semana corrida dela. Quando conversamos sobre isso eu estava assando uns pimentões vermelhos na churrasqueira, pra fazer salada. Ela adorou a idéia! Eu faço muito essa salada no verão, para aproveitar os pimentões vermelhos e amarelos que recebo na cesta orgânica. É bem simples e fica muito bom.
Toste os pimentões na churrasqueira ou na chama do fogão até eles ficarem com a pele bem queimada. Enrole um a um numa folha de papel toalha, ou coloque todos num saco de papel e deixe esfriar. Esfriando, abra o papel, despele a casca preta, retire as sementes, corte em fatias ou dexe em pedaços grandes. Tempere com sal, pimenta do reino, azeite e vinagre balsâmico. Salpique com alguma erva fresca. Eu usei tomilho desta vez, pois estou com uma super produção dessa erva na minha horta. Deixe marinar por algumas horas e sirva. Fica melhor de um dia para o outro. Gostamos de comer essa salada com pão tostado com um fio de azeite. Se quiser o pimentão mais durinho, toste no fogo por menos tempo.

salada de atum com grão de bico

Hora do jantar, 40ºC. Não dava vontade fazer nada, nem mesmo de olhar para o fogão, ou para a churrasqueira, e muito menos para o forno. Eu super cansada, no final de uma semana estressante, sem nenhuma idéia e sem ânimo até pra sair para comer em restaurante. Meu gentil marido se ofereceu para sair para comprar leite e ver o que conseguiria achar para o nosso jantar num supermercado muito legal que temos aqui, o Nugget. Quando ele me liga de lá – pois ele SEMPRE liga – pra perguntar o que eu achava disso ou daquilo, me deu um ziriguidum. Pára já, falei. Compra um bom pão e vem pra casa que eu vou fazer uma bela salada. Quequiéisso, um monte de legumes na geladeira e eu marcando essa touca? Fui fazer então uma salada robusta, porém leve.

Salada de atum com grão de bico
Uma lata de atum da melhor qualidade escorrido e esmagado ligeiramente com o garfo
Uma lata de grão de bico cozido
Uma maçã cortada em cubinhos
Um pepino com casca cortado em cubinhos
Uma cenoura pequena cortada em fatias finas diagonais
Azeitonas gregas pretas
Salsinha, cebolinha e basilicão picados
No fundo de uma saladeira coloque um quarto de cebola roxa ralada em fatias finérrimas. Acrescente:
Uma colher de chá de mostarda
Suco de um limão verde
Raspas de meio limão [raspe a casca e depois esprema o limão]
Sal e pimenta do reino a gosto
Uma colher sopa de um bom vinagre de vinho
Uma colher de sopa de um vinagre adocicado – desses com champagne e fruta, eu usei um de pêra
Adicione bastante azeite de oliva extra-virgem
Misture bem esse molho com a cebola. Deixe macerar uns minutos.
Então vá adicionando, os ingredientes: a maçã em cubinhos, o atum, o grão de bico, a cenoura, as azeitonas e os temperos verdes picados. Misture bem ate o molho ficar bem incorporado. Acrescente o pepino em cubinhos uns minutos antes de servir.

salada vietnamita

Este é o prato que eu peço sempre no meu restaurante vietnamita favorito. É basicamente uma salada e vem acompanhada de rolinhos primavera fritos. O charme de tudo está no molho – picante e doce ao mesmo tempo. A receita está hoje na Paradoxo.

Bun Thit Nuong – Salada Vietnamita de Macarrão de Arroz
2 xícaras de macarrão de arroz [rice noodles ou vermicelli]
1 pepino descascado e cortado em cubinhos ou tiras
1/4 xícara de broto de feijão
1/4 xícara de alface americana picada fininha
6 camarões grandes
1/4 xícara de amendoim torrado
Folhas de hortelã fresco
1 xícara de molho Nuoc cham*

Para a salada, amoleça o macarrão, deixando ele de molho em água fervendo por 3 minutos. O macarrão de arroz não precisa ser cozido, como outros.

Cozinhe o camarão da maneira que preferir, fervendo por um minuto, fritando ou, como é feito no restaurante da esquina de casa, abertos ao meio, como uma borboleta e grelhados.

Monte a salada em camadas em pratos individuais:
Ponha o pepino no fundo, em seguida a alface picada, depois os brotos de feijão. Coloque o macarrão de arroz amolecido por cima, e no topo os camarões. Regue com o molho nouc cham e salpique com o amendoim e as folhas de hortelã.

*Nuoc cham é um molhinho tradicional que é servido com quase todos os pratos vietnamitas. Serve para temperar as saladas, pra molhar os rolinhos fritos, parece uma sopinha rala e é uma delícia!

1 parte de suco de limão
1 parte de vinagre de arroz
1/2 parte de molho de peixe [fish sauce – contém muito sal e é muito forte, então use com moderação]
1 parte de açúcar
2 partes de água

Misture tudo, acrescente fatias bem finas de pimenta verde [serrano peppers] e fatias bem finas de cenoura. Deixe descansar na geladeira por pelo menos uma hora antes de usar.

salada de beterraba com rúcula

Fomos ao restaurante Il Fornaio em Sacramento, para comemorar o aniversário do Gabriel. Éramos uma party of six! Eu adoro a atmosfera desse lugar, sem falar no rango italiano, que é realmente excelente. Pedi um ravioli e dividi com o Gabriel uma salada de entrada que realmente me surpreendeu. Como ainda estou um pouco cheia da inundação de beterrabas desse inverno passado – ainda tenho algumas na geladeira, pensei que uma salada com as vermelhocas não seria a melhor pedida. Mas como tinha rúcula, minha verdura favorita, fui em frente. E não me arrependi.
Insalata di Bietole
* Red and gold beets, arugula, toasted walnuts and Asiago cheese; lemon-olive oil dressing.
Beterraba vermelha e branca cozida e cortada em fatias
Rúcula [nessa salada eles usaram mini-rúcula – baby arrugula]
Nozes levemente tostadas
Fatias finíssimas de queijo asiago
O tempero era bem ácido, pra contrastar com o doce das beterrabas. Com certeza um vinagrete com o azeite perfumado de limão, sal, e gotas de suco de limão. A pimenta do reino moída na hora era opção do freguês. Uma salada bem simples, mas muito boa!

salada “mediterrânea”

O “mediterrânea” do título é só pra deixar com uma cara mais chique, mas essa é uma salada de grão de bico que eu faço há anos, mais ou menos como se fazia na casa dos meus pais. Fiz ontem para um picnic no parque e ficou deliciosa e satisfez o apetite faminto da hora do jantar.

Uma lata de grão de bico cozido [usei orgânico]
Um tomate cortado em cubinhos
Um punhado de mussarela fresca em cubinhos
Um punhado de azeitona preta grega
Um punhado de salsinha fresca picada

Misture tudo e tempere com sal, pimenta do reino, azeite e vinagre balsâmico. Eu usei um vinagre fabuloso com figo e limão, mas qualquer outro balsâmico serve. Deixe marinar por pelo menos uma hora e sirva com pão italiano.

apple & carrot slaw

Na minha atual situação de falta de tempo e cansaço, se eu consigo fazer uma salada criativa já está bom. Nesta semana inovei com uma receita que tirei de uma dessas revistas naturebas que pegamos de graça na porta dos supermercados.
Apple & Carrot slaw
uma maçã pequena cortada em fios
uma cenoura cortada em fios
meio repolho pequeno ralado fino
[este item não fazia parte da receita, mas tenho que usar a repolhada]
uma cebola roxa em fatias finésimas [não coloquei porque não tinha]
um punhadinho de coentro fresco picado
um punhado de cranberries secas
meio copo de suco de laranja
meia xícara de sementes de abóbora torradas
Deixe as cranberries de molho no suco de laranja.
Corte a maçã, cenoura, cebola [e repolho, se quiser me imitar]
Misture tudo. Coe as cranberries. Misture na salada. Adicione o coentro e as sementes de abóbora. Use o suco de laranja pra fazer o molho: bata bem com azeite, sal e pimenta do reino. Tempere a salada e sirva.

Queijo Duro com Vinho & Pão

Li na revista…

“Camponeses suíços criaram o fondue séculos atrás e transformaram numa refeição o queijo que ficou duro, misturado com o vinho de mesa. Já o fondue de chocolate foi uma invenção americana, que ficou muito popular nos anos sessenta.”

Essa é a prova de que nem todo prato servido hoje em restaurante caro ou que a plebe pensa que é chique teve suas origem em sofisticados salões das cortês reais. Muita coisa era comida de camponês, de gente pobre, pra aproveitar restos, usar os ingredientes da estação ou da ocasião – que nem sempre era de fartura.

Eu quase não faço fondue porque o Uriel detesta, mas de vez em quando no inverno até que me dá vontade. Nunca me esqueço de um fondue que fiz uma vez pra um casal de amigos, quando aconteceu um forrobodó inexplicável na hora de sentarmos, acho que alguém esbarrou na fonduzeira sem querer e ficamos olhando petrificados a toalha de mesa [novinha!!] PEGAR FOGO!! Eu acordei do transe letárgico de incredulidade à tempo de correr pra cozinha, encher uma vasilha com água e CHUÁÁÁ! Não consegui salvar a toalha, que foi pro lixo.

Eu acho fondue uma comida meio cafonona, apesar de ser inegavelmente gostosa. Acho que é porque aqui, onde ele virou moda nos anos sessenta, vemos e revemos ad nauseam os resquícios dessa moda em centenas de fonduzeiras cor de abóbora e verde oliva à venda nas garage sales e thrift stores. Parece que todo mundo quer se livrar dessas aberrações, mas ninguém consegue, então elas permanecem firmes e onipresentes na sua feiura e insistência. Eu já tive uma dessas quando éramos estudantes e pobres no reino canadense. Mas hoje tenho uma normal – preta, com cumbuquinhas de cerâmica. Mesmo assim continuo achando o business do fondue uma coisa um pouco over the top, quando todo mundo come demais, se lambuza, queima os beiços e põe fogo na toalha.

Eu tinha uma receita de salada que eu servia com o fondue, pra contrabalançar as zil calorias do queijo e todo aquele pão. Não tenho mais a receita, mas acho que consigo lembrar…..

Salada Alice
Um pé de Alface cortado em pedaços
Um bulbo de erva doce picadinho em fatias
Uma laranja em gomos cortados em quatro
Cenoura ralada em fitas
Fatias finas de maçã
Misture tudo e tempere com o seguinte molho:
Sal/pimenta do reino
Azeite
Suco de limão/suco de laranja
semente de erva doce
iogurte natural
Bater bem e temperar a salada.