pudim de baunilha [custard]

vanilla-custards

Para gastar as três gemas que sobraram quando fiz a charlotte de morangos saí procurando por uma receita de pudim de baunilha. Queria uma bem simples e achei essa aqui, que preencheu todos os requisitos. Servi esses pudinzinhos, decorados com apenas um morango orgânico, junto com a charlotte no almoço de páscoa. Para a minha surpresa, os pudins foram a estrela da festa. A namorada do Gabriel depois de dar a primeira colherada no pudim declarou toda animada—Gabe, I’m afraid I’m gonna have to leave you for your mother after eating this custard! E com isso encerro a narrativa introdutória para essa receita. The End.

2 xícaras de leite integral
3 gemas de ovos caipiras
1/4 de xícara de açúcar
3 colheres de sopa de amido de milho
1 colher de chá de extrato de baunilha [*usei a pasta]
1 colher de sopa de manteiga

Numa panela aqueça o leite até quase ferver. Enquanto isso bata as gemas, o açúcar e o amido de milho juntos. Vá juntando um pouco de leite quente nessa mistura e vá batendo com um batedor de arame até ficar tudo incorporado. Em seguida despeje essa mistura no restante de leite fervido. Em fogo baixo cozinhe o creme, mexendo sempre até engrossar, por cerca de 3 ou 4 minutos. Adicione a manteiga e baunilha. Misture bem e transfira para uma tigela. Deixe esfriar completamente e cubra a superfície do creme com filme plástico para evitar que se forme uma película. Refrigere até a hora de servir.

salada de alface & vagem
[com ovos e vinagrete de avelã]

salada-alface.jpg

A primeira coisa que preparei na minha cozinha assim que voltei de viagem foi uma salada. Uma salada de alface. Quando viajei o meu farmers market estava abarrotado com produtos de verão. Duas semanas ausente e sou recepcionada por um cenário um pouco diferente. Primeiro que metade dos fazendeiros já fecharam a barraca e só voltarão no próximo ano. Esse mercado é sazonal e o que acontece no final da estação é que vão acabando os legumes, frutas e verduras. E como o mercado não abre pro outono e inverno, poucos são os vendedores com produtos pra vender até o final. Mas a moça da minha fazenda orgânica favorita estava lá, com muitas alfaces, de diferentes variedades, todas fresquíssimas colhidas naquela manhã pelo marido dela. Foi uma alegria encontrar aquelas alfaces vistosas e garbosas, quase perfeitas. Levei um mação e fiz essa salada, que também usou um maço de vagens que tinha sobrado da ultima edição da cesta orgânica. A inspiração veio de uma receita que estava mofando nos meus alfarrábios. Eu mudei as nozes pra avelãs e tive a oportunidade de usar mais uma vez o verjuice, mas se você não tiver use suco de limão.

Um maço de alface
Um maço de vagens
3 ovos caipiras
1/2 xícara de avelãs tostadas
1/4 de verjuice [*ou suco de limão]
1/4 de óleo de avelã [*ou de nozes]
2 colheres de chá de mostarda Dijon
Sal e pimenta do reino moída na hora a gosto

Cozinhe as vagens rapidamente no vapor ou diretamente num dedo de água fervendo. Não deixe amolecer demais, apenas cozinhar levemente. Eu piquei em pedacinhos, mas pode deixar inteiras se quiser. Cozinhe os ovos. Lave e seque bem as folhas de alface. Coloque sobre uma saladeira ou travessa e salpique com as vagens, as avelãs torradas e os ovos cortados ao meio. Numa vasilha pequena misture bem o verjuice com o óleo e a mostarda. Tempere com sal e pimenta e regue sobre a salada. Sirva imediatamente.

a galinha dos ovos

galinha-ovos.jpg

Cheguei de viagem e a geladeira estava vazia, não tinha nem um ovinho, pois o Uriel cozinhou todos. No sábado fui ao Farmers Market e comprei duas dúzias. Os ovos vem sorteados—uns são azulados, outros acinzentados, outros são marrom claro, outros cor de pele clarinhos, com pintinhas ou esbranquiçados, um lá vem com uma pluminha colada. Pra mim esses ovos são de ouro.

salada de folhas de dente
de leão [com nozes & ovos]

dandelion-walnut-egg.jpg
Outra receita adaptada do meu mais novo livro favorito, o Vegetable Literacy da chef Deborah Madison. Na receita original a folha era de radicchio, mas eu substituí pelas de dente de leão que recebo regularmente na cesta orgânica durante o inverno. As folhas de dente de leão são bem amargas, como as do radicchio e então a substituição foi indolor. Essa é uma boa maneira de eu comer ovo, já que picadinho assim e temperado com um molho, o gosto “eca” da gema fica disfarçado.
1 maço de folhas de dente de leão [ou um radicchio Chioggia]
1 ovo caipira cozido
2 colheres de sopa de salsinha picada
Nozes picadas
Um fio de xarope de agave [opcional]
Vinagrete de nozes
faz cerca de 1/3 de xícara
1 cebolinha finamente picada
sal marinho a gosto
1 colher de sopa de vinagre de vinho tinto
1 e 1/2 colher de chá de mostarda dijon
3 colheres de sopa de óleo de nozes
Misture a cebolinha, sal e vinagre em uma tigela pequena e deixe descansar por 10 minutos. Em seguida misture a mostarda e óleo de nozes. Reserve
Numa travessa coloque as folhas picadas, os ovos picados, tempere com o vinagrete, salpique com a salsinha e as nozes picadas. Regue com um fiozinho de xarope de agave e sirva.

sanduíche de ovo cozido

eggsandwich.jpg

Tudo começou com um maço gigante de cress—uma folhinha bem verde e bem picante, que chegou na minha cozinha via cesta orgânica. Não é a primeira vez que recebo esse verde e geralmente apenas incorporo em saladas. Mas desta vez a fazenda me salvou enviando também uma receita para usá-la. Acho que ela pode ser facilmente substituída pela watercress, o nosso bem conhecido agrião. Esse sanduíche de ovo é muito popular por aqui e eu sempre compro pronto quanto preciso de uma refeição ligeira, que dê pra comer com as mãos e que não faça muita lambança. Mas nunca tinha feito ele em casa. Nem preciso dizer que essa versão caseira, feita com ovos caipiras e verdura orgânica, ficou muito melhor.

faz 4 sanduíches
4 ovos caipiras cozidos e picadinhos
1 xícara de cress [ou agrião] picadinho
2 colheres de sopa de azeitona verde picada
2 colheres de sopa de maionese
1/4 colher de chá de sal
1/4 colher de chá de pimenta do reino branca moída na hora
Algumas gotas de tabasco
Algumas folhas de rúcula
8 fatias de pão da sua preferência [*usei o preto de centeio]

Misture todos os ingredientes até ficarem bem incorporados, espalhe sobre uma fatia de pão. Cubra com uma ou duas folhas de rúcula e com a outra fatia de pão. Pressione levemente com a mão, corte ao meio com uma faca afiada e sirva com pickles de micro pepinos—cornichons.

salada de tomate e ovo

salada-tomateovo.jpg

Essa é a saladinha de número 51 na lista do Mark Bittman e apesar de extremamente simples, fica muito gostosa. Foi uma das minhas favoritas até agora. Numa travessa coloque fatias de tomates super maduros [usei um heirloom] e por cima fatias de ovos caipira cozidos. Salpique um punhado de azeitona verde picadinha por cima e tempere com um molho feito com azeite extra-virgem, vinagre sherry [Jerez], uma pitada de sal e uma colherzinha de chá de páprica defumada picante [pimentón de la vera]. Sirva.

tortilla de batata
com molho romesco

molho-romanesco.jpg

No domingo em que meu filho e minha nora vieram comer conosco, eu improvisei uma quantidade de pratos pequenos e decidi que teríamos um almoço de tapas. Essa receita, que eu tinha marcado de uma reportagem da revista Sunset, foi a primeira que fiz. A tortilla de batatas é figura carimbada na minha cozinha. O molho romesco depois que acompanhou a tortilla serviu de recheio para sanduíches e também de patê para comer com bolachinhas e torradas. Esse molho é outstanding. A foto é meramente ilustrativa, já que apenas registei a dupla antes de ser servida com o celular e não ficou uma imagem memorável.

para a tortilla de batata:
2 batatas médias cortadas em rodelas grossas
5 colheres de sopa de azeite de oliva extra-virgem
Sal e pimenta do reino moída na hora a gosto
6 ovos caipiras levemente batidos
Pré-aqueça o forno em 350ºF/ 176ºC. Numa frigideira coloque um pouco de azeite, adicione as batatas, tempere com sal e pimenta e frite até elas ficarem macias [ou cozinhe as batatas em água e sal e pule a fritura tão longa]. Adicione os ovos batidos sobre as batatas cozidas e cozinhe por uns minutinhos no fogo. Transfira a frigideira para o forno e asse até ela ficar bem dourada e firme. Remova do foro, deixe esfriar e transfira para uma travessa. Sirva em temperatura ambiente acompanhada do molho romesco.

para o molho romesco:
1/2 xícara de azeite extra-virgem
1 fatia de pão rustico amanhecido
1/3 xícara de amêndoa Marcona ou de outro tipo
1 e 1/2 xícaras de pimentão vermelho assados, sem sementes e picados
2 dentes de alho
2 colheres de chá de paprica espanhola doce Spanish paprika
3/4 colher de chá de flocos de pimenta vermelha
2 colheres de chá de vinagre jerez [sherry]
2 colheres de sopa de suco de limão
1/2 colher de chá de sal grosso

Numa panela refogue o pão e as amêndoas em uma panela até o põ ficar bem tostado. Junte um pouco de azeite, o alho, pimenta, paprica e pimentões assados. Cozinhe por uns 10 minutos. Coloque tudo num processador de alimentos, junte o restante do azeite, o vinagre o suco de limão e o sal. Pulse até formar um purê. Coloque num recipiente com tampa e guarde na geladeira até a hora de servir.