o menu completo

Peito de peru assado e recheado com arroz selvagem e ameixa – o recheio servido separado, o peru acompanhado de apple butter;
Quinoa vermelha refogada com salsinha e cebouletes;
Salada de batata [new potato – tão tenras e com a casca tão fina que nem precisa descascar] temperada com a maionese aioli da Alice Waters;
Salada de rúcula com cogumelos e beterraba;
Salada de alface com queijo de cabra, também da Alice Waters.
De sobremesa a pecan pie e a salada de frutas de inverno, onde acrescentei pêra e kiwi.
Para beber água com gás, refrigerante de laranja vermelha, cidra quente e o Cabernet Sauvignon Faust que comprei na vinícola Quintessa.

um prato colorido

umpratocolorido.jpg

Salmão selvagem, feito mais ou menos como nessa receita com a cama de batata e a manteiga com alcaparras e cebolinha. Fiz no papel alumínio, na churrasqueira. Carpaccio de abobrinha, que é coringa do meu menu de verão—e às vezes no de inverno também, conforme a demanda.
A receita básica pode ser manipulada a vontade. Desta vez eu usei abobrinha amarela e folhas de um tipo de manjericão escuro, muito perfumado e um vinagre de vinho e kiwi que comprei no Farmers Market e que valeu cada pataca investida nele!
Catalan chickpeas with tomatoes and almonds, receita deste blog lindo que eu adoro. Segui tudo à risca e ficou ótimo, perfumado e crocante.

Menu do Natal

Quiche de carangueijo – sem receita, massa pronta, 1 xícara de leite integral, 1 xícara de creme de leite fresco [heavy cream], 3 ovos, sal, nos moscada, misturar meio quilo de carne de carangueijo, decorar com tomatinhos, colocar na massa pré-assada, assar até o recheio ficar dourado.
Quiche de aspargos – sem receita, massa pronta, 1 xícara de leite integral, 1 xícara de creme de leite fresco [heavy cream], 3 ovos, sal, nos moscada, colocar os pedaços do aspargos frescos [usei uns bem gordinhos] na forma com a massa pre-assada e colocar o creme, assar até o recheio ficar dourado.
Salada de batata – feita pela Marianne – norwegian style.
Salada de rúcula com tomates secos.
Carpaccio de abobrinha – usei abobrinhas verdes e amarela, salpiquei com um pouquinho de coentro fresco, ralei queijo asiago fresco por cima.
Stuffing – arroz selvagem cozido, tomates secos, salsinha picada, tâmaras picadas, uvas passas brancas, sal, pimenta – rechear o peru com essa mistura, servir separado depois que destrinchar o peru. Como eu tinha uma convidada vegetariana, fiz parte do stuffing fora do peru.
Peru – receita tradicional da minha família, temperado por dois dias no vinha d’alho e coberto com bacon, assado por 4 horas no forno médio.
Polenta com gorgonzola e cogumelos. Como uma das convidadas era vegetariana, eu fiz essa polenta, que vi por acaso numa revista. Fiz de última hora e agradou a todos, ficou um ótimo acompanhamento pro peru. Receita a seguir.
Sobremesas: gelatina de vinho branco com suco de romã e uvas – imitei da Karen – usei 3 xícaras de suco puro de romã fervendo, 1 xícara de vinho branco espumante onde eu dissolvi 4 pacotinhos de gelatina em pó sem sabor, joguei o suco fervendo, um pouco de mel, mexi bem com um batedor de arame, acrescentei uvas brancas cortadas ao meio. Também fiz um Raspberry trifle, receita a seguir.
Ufa….

Dia de rango brejeiro

Eu sou expert em preparar rangos brejeiros, que é como eu chamo aquela comida frugal, feita com ingredientes comuns, e de preparo simples. Pra mim o rango brejeiro funciona até como comfort food, para aqueles dias quando você precisa de uma comida nutritiva, saborosa e rápida, sem firulas, sem trélelês e, principalmente, sem receita. Como ontem cheguei do trabalho e tive que ir ao supermercado – ôô tarefa odiosa – para comprar comida para os gatos, mais pão e leite, encurtei meu tempo na cozinha. Eu tenho um time frame para as minhas cozinhanças durante a semana. Gosto de jantar cedo, porque é melhor para a digestão e também porque tenho fome cedo. Gasto no máximo uma hora e meia nas preparações – geralmente das 5:30 às 6:30 pm. Não dá pra inventar muito, mas há dias e há exceções. Mas nos dias em que o tempo está curto e a fome está grande, tento tirar da manga da camisa variações do tal rango brejeiro. É vapt-vupt. O de ontem foi:
Arroz branco:
Sempre que digo arroz por aqui, é o basmati. Faço o arroz de preguiçoso, que dá até vergonha de dar receita, mas valá, é sempre 1 xícara de arroz lavado, uma pitada generosa de sal, uma pitada generosa de alho seco em pó, uma colher de chá de óleo, 1 1/2 xícara de água. Fogo alto até ferver. Dai abaixo o fogo, tampo a panela e em cinco minutos o arroz está pronto. Deixo descansar uns minutos com a panela tampada. Usando o basmati, essa receita faz um arroz sequinho e soltinho. Impressionante!
Bife acebolado:
Tempero os bifes fininhos com sal grosso e pimenta do reino moída. Deixo descansar uns minutos. Aqueço um pouco de óleo numa frigideira larga com tampa. Ponho os bifes, deixo fritar de um lado, viro, tampo a panela – vai juntar água, mas logo seca. Fico de olho, quando os bifes ficam dourados e começa a formar aquele molho escuro, jogo uma cebola grande cortada em fatias grossas. Tampo, vou mexendo de vez em quando, até a cebola ficar cozida e com uma cor dourada. Super simples, super bom pra comer até com pão.
Espinafre refogado:
Como eu lavo todas as verduras quando pego a cesta na segunda-feira à noite, tenho o espinafre já lavado e drenado guardado em sacos fechados. Aqueço azeite numa panela [uso as de ferro], ralo uns dentes de alho em láminas finas, refogo no azeite, adiciono o espinafre, salgo, deixo murchar bem. Nesse espinafre acrescentei um pimentãozinho vermelho picadinho em cubinhos pra refogar junto com o alho.
Salada de tomate:
Corte tomates em rodelas finas, pique cebolinha francesa e jogue por cima. Tempere com sal marinho, azeite extra-virgem e vinagre de vinho.