cenoura.. ouch.. feijão…

Eu planejava um jantar um pouquinho diferente. Fui interrompida por um cortão no dedo e precisei chamar o marido, que veio galopante—hm, quase. Terminamos tudo daquele jeito, eu dizendo faça isso, faça aquilo e bufando, porque ele fazia tudo atrapalhado. No final o jantar vingou e até que ficou bom.
Vi a receita Carrots in Vermouth no blog Accidental Hedonist e fiz um pouco diferente. Refoguei as cenouras cortadas em palitos num pouquinho de óleo. Quando elas começaram a dourar, joguei uma dose de whiskey, mexi bem, desliguei o fogo, coloquei sal e pimenta moída e salpiquei com salsinha fresca. Não deixei cozinhar mais, porque queria manter a crocância natural da cenoura. Nem preciso dizer que eu A-D-O-R-O usar bebida álcoolica em receitas. ADORO mesmo! Se a receita tem bebida, já vai pra minha lista.
A outra receita tirei do livro The New Vegetarian Epicure – Tuscan White Beans with Garlic and Sage. É simplérrima. Coloquei umas 400gr feijão branco de molho de manhã cedo. À noite, coloquei pra cozinhar com água, folhas frescas de sálvia, um dente de alho e uma colher de sopa de azeite. Cozinhou, cozinhou, em fogo baixo e com a panela tampada. Os feijões devem ficar macios, mas inteiros. Adicione sal. Transfira o feijão e o caldo que deve ficar grosso para uma travessa. Tempere com mais azeite e com pimenta moída. Nós comemos quente, mas esses feijões podem ser comidos frios, em saladas ou antipasti.

fagioli toscano

fagliolitoscana.JPG

Comigo acontece assim: eu leio uma receita, muitas vezes sem ilustração e fico encantada! Pode ser pela maneira de preparar ou pelos ingredientes, ou até talvez pela inovação ou pela simplicidade. E foi isso que aconteceu com essa receita de feijões toscanos, quando eu lia distraidamente o Is There A Nutmeg In The House?, da Elizabeth David. Fui fisgada e já marquei a receita com um post-it roxo, trouxe o livro para a cozinha e me preparei para fazê-la.

A receita chama-se Fagioli alla fagiolara toscana porque é feito numa jarra especial, onde se cozinha os feijões. Procurei imagens dessa jarra, mas não achei. Fiquei extremamente curiosa. Os feijões indicados pela David são os brancos—haricots, cannellini ou pink borlotti. Mas eu queria usar um feijão norueguês que comprei no final do ano passado, bem interessante de uma cor marrom completamente incomum. Mandei bala com o feijão escuro mesmo. E na falta da jarra toscana, fiz na panela de ferro.

Deixei uma xícara dos feijões de molho durante a noite. No dia seguinte, coloquei na panela os feijões com mais água, um ramo de sálvia, um talo de salsão, meia cebola e dois dentes de alho. Cozinhei em fogo baixo até os feijões ficarem bem molinhos. Salguei e deixei descansar. Na hora de servir fervi mais um pouco, tirei o salsão, sálvia e cebola [o alho derreteu] e escorri o feijão com uma escumadeira. Coloquei numa vasilha funda, temperei com bastante pimenta do reino moída na hora, com bastante azeite, umas gotas de vinagre de vinho e salpiquei com cebola em fatias fininhas – usei a roxa, mas a David recomenda qualquer cebola suave. Esse prato pode ser comido quente ou frio, com a colher e fatias de pão frito no azeite e alho [eu omiti o alho, vocês sabem..].

Eu devorei um potão, sozinha, com uma taça de vinho tinto. Ninguém viu, tá limpo!

Chili – sem carne

Para o domingo eu quis preparar coisas diferentes. Já tinha decidido fazer um chili, desde o dia daquele concurso. Coloquei o feijão para cozinhar na panela elétrica no sábado. Ficou muitas e muitas horas cozinhando. Usei uma variedade de feijão chamada “brown rice beans”, de sabor bem delicado. Consultei não sei quantos livros pra me inspirar pra fazer esse chili, no final usei como base uma receita do Moosewood Restaurant Celebrates. No domingo de manhã piquei em quadradinhos uma boa quantia de apple bacon e joguei numa panela funda. Deixei fritar bem. Quando o bacon estava bem fritinho, joguei meia cebola pequena picada e um talo de aipo picado. Refoguei. Juntei um pimentão vermelho picadinho e duas metades da pimenta cayenne –uma amarela, outra laranja. Usei luvas para abrir e retirar as sementes e membranas – não queria um sabor muito picante – essas pimentas me dão medo, pois não estou acostumada a usá-las para cozinhar. Refoguei mais um pouquinho e acrescentei o feijão cozido com o caldo. Salguei. Deixei ferver, juntei cominho em pó a gosto e três tabletes de chocolate amargo – não me perguntem o por que do chocolate, estava na receita e parece ser uma tradição mexicana colocar chocolate em comida salgada. Acrescentei as raspas e o suco de um limão verde grande. Deixei cozinhando em fogo baixo com a panela meio tampada por umas duas ou três horas. No final acrescentei bastante coentro fresco picado.
Servi com uma simples salada verde de rúcula e pepino japonês, com o bolo salgado de milho e comi com gula e gosto! Só achamos que eu fui exageradamente cuidadosa com a pimenta e quase não sentimos o picante da cayenne. Da próxima vez vou pôr um pouco mais e talvez até umas sementes.

um concurso de chili

Ontem tivemos duas festas para ir. Uma foi um Chili Cookoff with Bluegrass, na casa de um professor da UC Davis. Ele é o guitarrista da banda de bluegrass que tocou durante a festa. Mas o evento – além do encontro de amigos – era um concurso de chili. Os contestantes teriam que levar uma receita especial que seria provada e votada, a mais criativa, a mais saborosa, a mais apimentada! Haveriam prêmios. Nós ficamos para ouvir o bluegrass, que eu adoro. Provei dois dos chilis também. Eu não sou muito fanzoca dessa comida, mas conversei com o autor de uma das receitas e achei que ele foi muito inovador usando limão e laranja nos temperos. Perguntei se a receita era dele, e ele respondeu – que nada, eu sou um tipo de cozinheiro do Joy [of Cooking]. Ele usou uma receita básica do livro Joy of Cooking, e acrescentou o toque pessoal. Era um chili vegetariano. Hoje fui correndo procurar a receita!

chickentractor.JPG

A banda Chicken Tractor tocou no evento do chili. Essa foto é de uma outra festa, pois ontem eu não levei a minha câmera. Eles ainda têm um baixista e um bandolinista.
A receita básica de Chili con Carne do Joy of Cooking:
Derreta 2 ou 3 colheres de sopa de gordura de bacon ou manteiga. Acrescente 1/2 xícara de cebola picada e/ ou 1/2 dente de alho picado. Refogue. Adicione 1 quilo de carne moiída [vaca ou carneiro]. Refogue até a carne ficar cozida. Adicione 1 1/2 xícara de tomates em lata, 4 xícaras de feijão cozido – Kidney é o mais comum, mas qualquer feijão funciona – no cookoff de ontem, uma das receitas levava feijão branco, 3/4 colher de chá de sal, 1/2 folha de louro, 1 colher de chá de açücar, 1/4 xícara de vinho tinto sêco, 2 colheres de chá ou de sopa – conforme a resistência e o gosto – de pimenta em pó – chili powder – aqui também o céu é o limite, pois o chili powder pode [e deve] ser substituído por pimenta fresca, as jalapeños, por exemplo. Cubra e cozinhe por no mínimo uma hora. Quando mais cozinhar, mais grosso e saboroso o chili vai ficar. Pode preparar um dia antes. Servir com tortilas ou pão de milho, sour cream, queijo amarelo ralado, azeitonas pretas picadas, coentro, cebola picada.
Muitos contestantes trouxeram o seu chili na panela elétrica – slow cooker. Alguns tinham carne, outros eram vegetarianos – que que fez muito o meu gosto! O chili do rapaz que usou essa receita básica do Joy of Cooking não tinha carne e ele temperou com o suco e as raspas de uma laranja e um limão. Usou as jalapeño peppers. Ficou bem picante, mas com um sabor de cítricos acentuado que eu gostei muito!

salada de feijão branco com tomate cereja

feijaobrancotomates.JPG

Eu adoro as receitas da Elise, assim, como as suas dicas de compras, das quais já segui algumas. Ela bloga de Sacramento e tem sempre receitas facílimas. Quando eu vi essa salada de feijão branco com tomate cereja, não fiquei muito entusiasmada, pois não vi ali nada de especial. Mas quando li a maneira de preparar o molho, fui fisgada. Fiz tudo “from scratch”, cozinhando os feijões secos especialmente para a receita.

Eu não usei o aliche, e fiz sem medida. Ficou simplesmente uma delícia. O azeite infuso com alho frito o e alecrim deu um troque especialíssimo, e a mistura do feijão com o tomate foi bem surpreendente.

Para a salada:
1 xícara de feijão branco de grão pequeno, canelli ou similar, já cozidos
1 xícara de tomates cerejas cortados ao meio
Bastante salsinha picada
Para o molho:
Azeite extra-virgem
1 dente de alho descascado e amassado com a lâmina da faca
1 galhinho de alecrim fresco
3 filés de aliche [eu não usei]
1/4 xícara de queijo parmesão ralado na hora
Sal kosher
Pimenta do reino moída na hora
Raspas de 1 limão amarelo
Suco de 1 limão amarelo

Coloque o alho e o alecrim numa panelinha com o azeite e leve ao fogo até começar a fritar. Tire a panela do fogo e deixe esfriar e pegar gosto por 20 minutos.

Remova o alho e o alecrim do azeite. Jogue fora o alecrim. Coloque o alho num processador ou pilão, adicione o aliche, o queijo, sal, pimenta, raspas e suco de limão e misture bem.

Numa saladeira coloque os feijões cozidos e tempere com o molho. Deixe absorver por alguns minutos, então acrescente os tomates, a salsinha e o azeite.