tomates provençal
[numa outra versão]

Provencal-tomatoes

Essa receita pode ser considerada um exemplo de frugalidade. Um resto de baguette ficou dura num tanto que só deu mesmo pra cortar picotando com a ponta da faca. Guardei os pedacinhos, porque pensei que aquilo daria uma ótima farinha de rosca. Na cozinha do meu trabalho há um eterno desovar de produtos, ou dos quintais de colegas que têm hortas e árvores frutíferas, ou dos centros de pesquisa, que têm seus próprio pomares e campos agrícolas. Esses tomates foram desova de um ou de outro. Apareceu uma caixa na cozinha com muitos tomatões e tomatinhos, todos bem imperfeitos, com algumas cicatrizes externas e uma base mais fibrosa. Não estavam bons pra fazer salada, mas deram bons molhos e os últimos viraram esses tomates provençais. No processador transformei o pão duro picotado em farinha, adicionei umas fatias de aliche [anchovas] e bastante ervas frescas—manjericão, cebolinha e salsinha. Cortei os tomates ao meio, removi a polpa [que congelei pra fazer molho]. Deixei escorrer bem de cabeça pra baixo e depois enchi cada metade de tomate com a farofa de aliche e ervas. Ao invés de assar, grelhei na churrasqueira. Ficaram ótimos servidos com uma saladinha verde.

Tenho uma outra receita de tomate provençal mais autêntica aqui no blog, que foi feita com as ervas de Provença na versão seca.

tomatoes-BBQ tomatoes-BBQ

salada de agrião & ervas
[com pistaches e água de flor de laranjeira]

watercress-salad

Agrião me lembra muito meus anos no Brasil fazendo comidinha pro meu filho. Alías, eu cresci comendo saladas de agrião e aqui ele é vendido em maços minúsculos na seção das ervas no supermercado. Nunca entendi por que. E não é sempre que se acha um maço grandinho e bonito. Quando eu acho, eu compro. Usei umas folhinhas pra decorar uns tacos que fiz na sexta-feira à noite, com muitos legumes grelhados, guacamole feita em casa [amasse o abacate com o garfo e tempere] e queijo de cabra. Com as sobras fiz essa salada absolutamente maravilhosa do Ottolenghi. Não precisa usar todas as ervas, mas se tiver todas, melhor. Ficou uma salada muito aromática, leve e refrescante. Acho que nunca tinha usado água de flor de laranjeira dessa maneira e adorei. Vai ter repeteco.

4 colheres de sopa de azeite de oliva
1 e 1/2 colheres de sopa de suco de limão
1 colher de chá de água de flor de laranjeira
sal e pimenta do reino moída na hora a gosto
3 1/2 xícaras de agrião, os talos mais grossos removidos
1 xícara de folhas de manjericão fresco
1 e 1/2 xícaras folhas de coentro fresco
1/4 xícara de endro fresco
1/4 xícara de folhas de estragão fresco
1/2 xícara pistaches levemente torrado e picado grosseiramente

Em uma tigela pequena misture o azeite de oliva, o suco de limão, a água de flor de laranjeira e o sal e a pimenta. Bata bem com o batedor de arame para emulsificar. Numa travessa coloque o agrião e as ervas. Um pouco antes de servir despeje o molho e os pistaches sobre as folhas e misture delicadamente .

frango grelhado da Elvira

Elviraschicken

A Elvira sempre foi uma presença criativa e agregadora na blogosfera de culinária em português. O Bistrot da Elvira era uma referência e eu fiz muitas das receitas publicadas lá. Fiquei ainda mais fã e amiga, quando nos encontramos em Coimbra, num longo almoço muito divertido, cheio de conversas e comidas. Minha irmã estava lá e também ficou fã da Elvira e até hoje faz muitas das suas receitas, como a desse churrasco de frango português, que ela fez num domingo e me passou a receita. Ficou tão gostoso que fiz duas vezes. Só tive que substituir a piri-piri por outra pimenta, porque não achei a original. Usei uma pasta de aji panca peruana, que deve ser menos picante, mas no resto segui a risca. O alecrim fresco é imprescindível, portanto se for usar o frango em partes, como eu fiz, adquira com a pele.

serve de 6-8 pessoas
3 frangos pequenos abertos ao meio
[*usei dois peitos, 4 sobrecoxas]
2 malaguetas verdes
3 dentes de alho descascados
1 colher (sopa) de molho de piri-piri
[*usei a pasta de aji panca peruana, e coloquei mais]
1 mão cheia de sal grosso
vinagre (ou vinho branco)
azeite o quanto baste
Raminhos de alecrim fresco

Num pilão ou no processador amassar os dentes de alho juntamente com as malaguetas, o sal e o molho de piri-piri. Juntar um fio de vinagre e 1/2 xícara de azeite. Misturar.

Introduzir um raminho de alecrim debaixo da pele de cada frango. Massagear muito bem os frangos com o molho preparado. Deixar repousar num lugar fresco por 2 horas.

Escorrer os frangos e reservar a marinada. Preparar a churrasqueira. Aquecer uma grelha, que deve ficar mais ou menos a uma distância de 4 dedos do fogo..

Grelhar os frangos até ficarem no ponto. Pincelar com a marinada frequentemente para a carne não secar. Virar os frangos uma única vez, a meio da cozedura.

*Dica da Elvira: acompanhar com batata frita, salada mista e arroz branco.

salada de feijão, vagem e limão

salada de feijão e vagem

Adaptei a receita essa salada num prato mais simples, porque eu só queria mesmo era gastar vagens que vieram na cesta orgânica. Como a vagem fica ainda durinha durante o branqueamento e o feijão também não é molengo, essa salada se sustenta por vários dias na geladeira, o que significa ((( M A R M I T A ! ))).

2 xícaras de feijão branco cozido [usei de caixinha]
1 xícara de vagem branqueada [cozida rapidamente em água fervente]
1/4 xícara de salsinha
1/4 xícara de azeite
3 colheres de sopa de cebolinha picado
2 colheres de sopa de alcaparras picadas
1 colher de sopa de raspas da casca de limão
2 colheres de sopa de suco de limão
1/2 colher de chá pimenta de Alepo ou flocos de pimenta vermelha
Sal a gosto

Misture os feijões com a vagem. Junte todos os outros ingredientes e tempere com sal. Sirva.

berinjela grelhada [com alcaparras & balsâmico]

eggplant-caper-balsamico

O que fazer com um monte de berinjelas orgânicas acumulando na geladeira? Receitas não faltam e dessa vez foi essa uma super simples que me salvou. Modifiquei o modo de fazer, trocando a frigideira pela churrasqueira, porque nesta época do ano eu prefiro cozinhar no quintal e não esbaforir e esquentar a cozinha.

1/2 xícara de vinagre balsâmico
1 xícara de azeite de oliva
2 berinjelas cortadas em fatias grossas
Sal kosher e pimenta do reino moída na hora a gosto
2 colheres de sopa de alcaparras
olhas de manjericão fresco

Colocar o vinagre numa panelinha e levar pra ferver em fogo médio até formar um xarope espesso, cerca de 10 minutos. Aquecer metade do azeite em uma panela ou frigideira em fogo médio-alto e fritar as rodelas, virando uma vez, para dourar dos dois lados. Coloque as rodelas fritas sobre folhas de papel para escorrer e tempere com sal e pimenta. Eu fiz essa parte na churrasqueira, grelhando as fatias temperadas com azeite dos dois lados. Arrume as berinjelas numa travessa, regue com o xarope de vinagre balsâmico, decore com alcaparras e folhas de manjericão. Sirva.

salada de ervas

herb-salad.JPG

Neste Thanksgiving, eu usei o guia do NYT Cooking para preparar o meu jantar. Uma das receitas listada lá que eu escolhi fazer foi a dessa salada de ervas. Apesar da manteiga, ela fica bem leve e refrescante. Fiz a receita inteira, que serve 6 pessoas, e comemos tudo, somente eu e o Uriel.

para a salada:
2 xícaras de folhas de coentro fresco
1 xícara de folhas de salsinha
1 xícara de raminhos de endro/dill fresco
1 xícara de folhas de manjericão ou hortelã [*usei hortelã]
1 xícara de folhas de rúcula ou alface [*usei alface]
para o molho:
4 colheres de sopa de manteiga sem sal
1 xícara de amêndoas fatiadas
Sal e pimenta do reino moída grosseiramente
1/4 colher de chá de pimenta vermelha em flocos
3 colheres de sopa de suco de limão
2 colheres de sopa de azeite

Colocar todas as folhas—ervas e verdura, numa vasilha grande ou saladeira. Misture com as mãos e reserve. Derreta a manteiga em uma frigideira e adicione as amêndoas. Refogue em fogo baixo até que as amêndoas fiquem douradas e manteiga marrom. Retire as amêndoas e escorrer em papel toalha, reserve a manteiga num potinho. Na hora de servir, temperar as folhas com sal, pimenta, flocos de pimenta vermelha, as amêndoas, suco de limão, azeite e a manteiga marrom derretida. Misture delicadamente e sirva imediatamente.

harissa verde

green-harissa.jpg

Nem sempre eu me lembro como cheguei num certo link, mas é sempre certeza que quando vejo algo interessante, copio e envio para um endereço de e-mail só para receitas. E elas ficam lá aguardando uma oportunidade de sairem do mailbox e brilharem no palco iluminado da minha cozinha—acho que já disse algo parecido antes, não? Achei essa receita da harissa verde & sanduíche o fino da bossa. Foi justamente quando andei recebendo muitas ervas na cesta orgânica, coincidentemente muito coentro fresco. Fiz a receita da harissa e do sanduíche, que devoramos alegremente. Então apareceu uma oportunidade de refazer a experiência, quando uma ex-colega de trabalho marcou de vir nos visitar e combinamos um almoço na cozinha. Uma das minhas colegas organizou o esquema delegando tarefas—eu trago duas saladas e você traz sanduíches vegetarianos. Yay! Refiz a harissa e os sanduíches, que foram devorados alegremente pela convidada vegetariana e por quem mais se juntou à nossa mesa. Essa harissa é fantástica. Pode ser feita com todo tipo de erva, o importante é a pimenta e o limão. Pode até ser feita no olhômetro, sem receita, só juntando tudo no processador. E ela acompanha bem qualquer coisa, legumes assados, saladas, recheio de sanduíche, como patê em bolachinhas, eteceterá, eteceterá, eteceterá. Para esse sanduíche é importante cortar tudo na hora que for montar o sanduíche, porque o abacate pode escurecer e o recheio pode deixar o pão muito úmido.

para fazer a harissa verde:
1 dente de alho
1 xícara de coentro
1/2 xícara de folhas de hortelã
1/2 xícara de salsinha
1 pimenta jalapeño fresca
suco de um limão
1/2 colher de chá cada de sementes de cominho e sementes de erva-doce
1/2 xícara de azeite extra virgem
Sal marinho a gosto
Colocar todos os ingredientes num processador de alimentos e pulsar até virar um molho grosso. Colocar num recipiente com tampa e guardar na geladeira até a hora de usar.
para fazer os sanduíches:
Fatias de pão da sua preferência
1 abacate grande e maduro
Folhas de alface
1 bulbo pequeno de erva-doce fatiado bem fino

Corte o abacate em fatias, passe harissa verde nas duas fatias de pão. Recheie com as fatias de abacate, fatias de erva-doce e uma folha de alface. Feche, corte ao meio e sirva.

green-harissa-sand.jpg green-harissa-sand.jpg

peras assadas com verjuice
açafrão & alecrim

peras assadas

Em todos os livros do Yotam Ottolenghi eu via receitas que mencionavam um ingrediente chamado verjuice, mas nunca tive a curiosidade de procurar e comprar. Até outro dia quando aportei no mercadinho de produtos internacionais onde vou de vez em quando. Vou lá porque gosto de olhar as mercadorias indianas e do oriente médio, mas vou também por que eles vendem uns ingredientes brasileiros e eu às vezes peço pra proprietária indiana encomendar coisas com o fornecedor brazuca dela. Neste dia eu fui lá pedir pra ela trazer bananinha do tachão de ubatuba [podem rir, mas quem tem boca vai à Roma, né?]. Ela não é boba e está trazendo cada vez mais produtos brasileiros, como carne seca, queijo catupiry e goiabada cascão. Bom, nesse dia eu finalmente vi as garrafas de verjuice e a luz verde piscou dizendo—compra, compra, compra! e eu comprei. Essa foi a primeira receita que fiz com esse suco de uvas verdes que é muito usado para substituir sucos cítricos ou vinagre em inúmeras receitas salgadas e doces. As peras usadas aqui precisam estar bem firmes, porque elas vão assar por um período longo e precisam ficar inteiras, não podem desmanchar. O verjuice e o mel formam uma calda muito deliciosa. Essa receita faz uma sobremesa bem delicada, intrigante e sofisticada, muito boa para uma ocasião festiva.

250ml de mel
400ml de verjuice
2 pitadas de açafrão
2 ramos de alecrim fresco
8 peras Bosc, firmes
Pré-aqueça o forno a 356ºF/180ºC. Numa panela média coloque todos os ingredientes, menos as peras, e deixe ferver. Remova do fogo e reserve.

Descasque as peras, corte ao meio longitudinalmente e retire o núcleo mas deixe a haste intacta. Coloque as peras em um prato refratário ou de cerâmica e despeje o líquido por cima. Cubra o prato com papel alumínio. Asse por 40 minutos, vire as peras algumas vezes na calda quente e deixe cozinhar por mais 30 minutos ou até ficar cozido, removendo o papel alumínio nos últimos 10 minutos. Retire do forno deixe esfriar um pouco e sirva com sorvete ou um creme inglês, se quiser. Eu não quis.

lombo de porco assado
com relish de tâmaras & coentro

porco-tamaras-coentro

Essa receita da revista Bon Appetit é muito simples e rápida de fazer e fica diferente e deliciosa. E as sobras podem ser comidas frias ou como recheio de sanduíche.

3 colheres de sopa de azeite de oliva
1 lombo de porco com cerca de 700gr
Sal kosher sal e pimenta do reino moída na hora
2/3 xícara de tâmaras Medjool cortadas em pedaços pequenos
2 colheres de sopa de suco de laranja fresco
3 colheres de sopa de coentro fresco

Preaqueça o forno a 425°F/ 220ºC . Aqueça 1 colher de sopa de azeite em uma panela grande e robusta em fogo médio- alto. Tempere o lombo de porco com sal e pimenta e coloque na panela, frite virando até dourar de todos os lados por uns 6-8 minutos. Transfira a panela para o forno e deixe assar por uns 15-20 minutos. Transfira o lombo para uma tábua e deixe descansar pelo menos 5 minutos antes de fatiar.

Numa vasilha misture as tâmaras, o suco de laranja, o liquido que sobrou da carne na panela e as 3 colheres de sopa de coentro picado. Junte as 2 colheres de sopa de azeite restantes e tempere com sal e pimenta do reino. Coloque essa mistura sobre a carne de porco fatiada e sirva.

bolo de abóbora com manteiga queimada & sálvia

sage-pumpkin-cakes.jpg

Não sei como achei a receita desses bolinhos, mas ela serviu para muitos propósitos—gastar o resto da sálvia fresca que tinha comprado para fazer o porco com leite, gastar uma das abóboras do halloween que decoravam a porta da casa, e fazer um bolinho ultra saboroso para o nosso chazinho de domingo a tarde. Perfeito!

3/4 xícara de manteiga sem sal
1 e 2/3 xícaras de farinha de trigo
1/4 de xícara de sálvia fresca cortada em tiras finas
2 colheres de chá de fermento em pó
1/2 colher de chá de canela em pó
1/4 colher de chá de noz-moscada ralada na hora
1/8 colher de chá de cravo em pó
1 colher de chá de sal
1 xícara de purê de abóbora [*fiz assada]
1 xícara de açúcar mascavo claro
2 ovos caipiras grandes

Pré-aqueça o forno a 350ºF/ 176ºC. Unte forminhas de muffin ou mini-pão com manteiga e polvilhe com farinha. Derreta a manteiga em uma panela em fogo médio-baixo. Adicione as tiras de sálvia e cozinhe até que a manteiga que marrom dourado por uns 5 ou 8 minutos. Transfira a mistura para uma tigela e deixe esfriar um pouco.

Enquanto isso numa tigela misture a farinha, o fermento, a canela, a noz-moscada, o cravo e o sal. Em outra tigela misture a abóbora, açúcar mascavo, ovos e a mistura de manteiga queimada e sálvia. Adicione a mistura de farinha e mexa bem até incorporar.
Divida a massa uniformemente entre as forminhas preparadas e leve ao forno por cerca de 30 minutos. Quando os bolinhos estiverem dourados remova do forno e transfira todos para uma grade para esfriar.

tea-time-pcake.jpg tea-time-pcake.jpg