nunca é tarde para fazer pequenas [ou grandes] mudanças

new breakfast

Uma das minhas colegas apareceu com uns potinhos cheios de comida dizendo que estava fazendo um detox naquela semana. Essa palavra “detox” sempre me causou um enorme desconforto, pois me dava a impressão de fome, sofrimento, miséria. Mas não era esse o caso. O detox que a minha colega estava fazendo se chama Kitchari, uma dieta monotemática da medicina Ayurvedica para limpar o sistema digestivo. Você prepara uma receita com arroz basmati, feijão mung, legumes e especiarias e come isso por três dias, bebendo bastante chá nos intervalos. Pode comer quanto quiser dessa mistura. Minha colega acrescentou  que sempre faz esse detox quando exagera nas comilanças de porcarias ou está precisando de uma “limpeza”. Fiquei curiosa e interessada. Fui atrás de informação e li muita coisa, vi alguns vídeos e chegue à conclusão de que daria pra eu fazer um negócio desses muito facilmente. Eu não iria passar fome, me sentir desprovida, ficar com tonturas, desmaiar, vomitar, todas essas coisas [além de outras] que eu sempre associei com essas limpezas do sistema digestivo. Achei todas as informações que precisava e receitas que me animaram como esta aqui e esta aqui. Preparei tudo para o meu primeiro detox, fiz compras dos ingredientes que não tinha, tudo orgânico é claro, e me preparei psicologicamente pra fazer dois dias, ao invés dos três, pra não me sentir muito oprimida logo da primeira vez. Tava tudo certo, decidi também que iria fazer um café da manhã com aveia, pois nunca tive apetite e estômago pra comer coisas salgadas pela manhã. Mas daí cheguei no ponto que achei que iria ter problema—o café. Desde que me conheço por gente que bebo o tal do café com leite pela manhã, me condicionei a achar que eu não era gente antes de beber aquela xícara de café, que aquilo era imprescindível, se não bebesse esse café pra reconectar os neurônios iria com dor de cabeça. Meu humor matinal sempre foi péssimo, até eu beber o tal café. Troquei o leite de vaca pelo de amêndoas, porque nunca gostei do gosto do leite animal. Mas o café nunca faltou, na xícara ou na tigela. Como farei sem ele nesses dias? O detox Kitchari recomenda beber chá verde, que tem cafeína e algumas propriedades extras que ajudam mais do que atrapalham. Comecei o meu primeiro dia de detox com uma xícara de chá verde e fiz uma tigela de aveia cozida. Fiz na panela ao invés de no microondas, a aveia, água, passas, pedacinhos de maçã e uma colherzinha de ghee, a manteiga clarificada. Bebi o chá, comi a aveia cozida, passei o resto do dia comendo o cozido de arroz, feijão e legumes e bebendo muito chá. Não vou dizer que à noite não me deu aquela sensação de que eu poderia comer algo diferente, mas não era fome, não era algo desesperador. E passei o dia muito bem sem o café matinal, não tive nenhuma dor de cabeça, nenhuma sequela, nenhum incômodo. No dia seguinte bebi o chá verde e comi a aveia, e na noite do segundo dia quebrei o jejum, porque meu marido chegou mais cedo pro final de semana e milagrosamente pudemos jantar juntos. No sábado de manhã pensei, sabe o que? vou continuar com o chá verde. E assim foi no domingo, na segunda, na terça e passaram-se três meses. Nunca mais bebi café. Não sei se foi uma troca benéfica, a única coisa que notei foi que meu mau humor matinal melhorou muito. Agora levanto, faço coisas, ponho a água pra ferver, faço a aveia cozinha [agora no microondas—3 minutos], pico uma fruta, guardo louças, dou comida pros gatos, espero o chá esfriar, leio notícias, não tenho mais aquele desespero de BEBER O CAFÉ como era antes. Paralelamente continuei com a aveia, que era algo que eu já estava fazendo há mais de um ano pra levar pro trabalho e comer no meio da manhã. Antes colocava um pouco de açúcar ou mel, agora eliminei adoçantes totalmente. Uso uma fruta fresca, ou ameixas secas, cozinho a aveia na água, acrescento depois iogurte ou kefir, dependendo com o que combina, adiciono nibs de cacau ou fatias de amêndoas ou pólen de abelhas ou passas. Pra comer no meio da manhã no trabalho agora levo um ovo cozido e um tomate, ou o ayran—o iogurte batido com água e sal que fica muito refrescante, ou kombucha, qualquer bolachinha de arroz ou frutas secas. Nos finais de semana eu como pão com manteiga, com mel ou geléia. Comer a aveia não é uma coisa rígida, também não é uma dieta, porque não estou perdendo peso [se bem que seria bom se perdesse uns quilinhos]. Foi apenas um realinhamento na minha refeição matinal. Uma coisa que nunca pensei ou imaginei fazer e nem sei exatamente por que fiz, mas até agora está tudo ótimo, não sinto falta de tomar café, me sinto muito bem e estou achando tudo muito bom!

✹ the heat storm ✹

Todo verão é sempre a mesma ladainha, eu reclamando do calor, nunca falha. No ano passado tivemos um verão estável. Começou a fazer mais de 30ºC em maio e só melhorou em setembro. Este ano, depois de um inverno bem molhado [graçasauscéus!] o verão está um pouco diferente. Tivemos um dia com chuva e 19ºC e uma semana depois estava 42ºC. E a previsão dali pra frente foi de arrepiar os cabelos. Tivemos um evento climático chamado de “heat storm”––quando uma onda de calor intenso, com temperaturas acima dos 38ºC, dura muitos dias e atinge uma área bem grande. Foi uma semana de temperaturas tórridas, chegamos a 44ºC. Foi terrível, foi desanimador, foi chocante. Quando isso acontece todas as atividades outdoors ficam proibitivas, perigosas, impossível. Passei praticamente uma semana enfurnada em ambientes fechados e climatizados, exceto pelas minhas caminhadas às 6am e as nadadas na piscina. Nesses dias calorentos me deu um branco, perdi toda a vontade de cozinhar, improvisei muito, fiz inúmeras saladas, comi pão, fiz queijo com iogurte grego, sanduíche de pão com ovo, comi fora também com minhas amigas e com minha família. No dia dos país, num domingo ridiculamente quente, fiz salada, arroz com ervilhas e o Uriel grelhou rapidamente umas fatias de picanha. Consumimos muito chá gelado, kombucha, shrub, e água, água, muita água, além de um pouco de vinho branco gelado. Agora as temperaturas estão baixando aos poucos, ontem 39º, hoje 37º e até terça-feira vai estar 31ºC e todos sairão às ruas, felizes, dançando, se abraçando e sorrindo! O picnic do farmers market de Davis na quarta vai lotar de gente enlouquecida pelos dias tórridos! E é bem na quarta que me despedirei do calorão por agora, pois estarei voando rumo ao hemisfério sul, onde espero poder apreciar temperaturas decentes, uma brisa, uma chuvinha, e poder beber vinho sem gelo.

walking by

Em junho e julho abracei uma nova rotina, fazendo caminhadas às 6 am. Fiz isso por causa do calorão que me impede de caminhar durante o dia e depois do trabalho [tem dias que está quente até 9pm, não dá!]. Nesse período tirei muitas fotos da minha vizinhança—casas e plantas. A maioria das fotos, publicadas no instagram, tinha o título de 6:30am. A luz da manhã é belíssima! Parei com essas caminhadas matinais por causa da minha operação, mas estou sentindo falta e planejando voltar na próxima semana. Caminhar pela vizinhança, respirando o ar fresco da manhã é bom pro corpo, bom pra mente, bom pra alma.