banana da terra frita

banana_frita_1S.jpg

A variedade de frutas nestas terras californianas certamente não incluí as tropicais. No caso da banana, estamos mais ou menos limitados à nanica—que eu tenho o cuidado de comprar fair trade, já que não posso comprar local. Acha-se a banana maçã, que eu já desisti de comprar, porque pra mim não tem gosto nenhum da banana maçã que eu conheço. E acha-se também a banana da terra, conhecida aqui como plantain. Não sei se elas são a mesma coisa, mas o sabor é bem parecido. Só que as plantains chegam aqui vindas sei lá de onde e normalmente estão verdes. Eu sei que há maneiras de se preparar essa banana verde, mas essas não são o meu objetivo. Quero a banana madura, no ponto ideal para se comer crua se quiser. Mas isso é quase uma missão impossível. As plantains geralmente estão muito verdes ou extremamente maduras. Quando eu dou de cara com uma banana no ponto [quase] ideal, dou pulos de alegria. Essas não estavam perfeitas, mas deu pra fazer frita, do jeito que eu gosto. Cortei em rodelas e fritei dos dois lados na manteiga. Na hora de servir, salpiquei com flor de sal.

Banana é uma das minhas frutas favoritas. E eu tento comer uma por dia. E adoro banana frita e banana flambada, que eu faço com a banana nanica mesmo. Êta coisa boa!

gelado de banana & pecan

banana_pecan_1S.jpg

Com esse sorvete eu provei que é possível fazer uma coisa assim, gostosa e simples, até naqueles dias em que a sua cabeça está completamente nublada e você acha que não vai conseguir nem mesmo cortar um tomate ou fazer um café com leite.

Duas bananas, um pouco de mel—porque essa fruta já é bem doce, 1 xícara de creme de leite fresco, 1/2 xícara de leite integral. Bater tudo no liquidificador. Juntar um punhado de pecans torradas na frigideira ou forno. Deixe as pecans esfriar bem e quebre-as com as mãos. Junte ao creme de banana. Coloque tudo na sorveteira.
Usei as pecans, porque já tinha feito o sorvete de banana antes e queria mudar um pouco. As pecans torradas ficam muito mais aromáticas que as cruas e combinam muito bem com a banana.

moqueca de camarão & banana

camarao_moqueca_s.jpg

camarao_moqueca_banana_1s.jpg

camarao_moqueca_banana_s.jpg

Me inspirei nesta receita de moqueca de banana da Neide Rigo pra fazer a minha moqueca, onde adicionei alguns camarões. Fiz no estilo capixaba, com o urucum e sem leite de coco ou azeite de dendê. Não tenho a maravilhosa panela de barro do Espírito Santo, então adaptei usando uma frigideira de terracota. Usei tomate em lata, porque os frescos agora vêm de algum canto do mundo e têm gosto de nada. Os de lata que eu uso são tomates californianos enlatados no pico da estação, quando eles estão no auge da gostosura. Adaptações são necessárias, mas isso não significa perder em qualidade e sabor.

Refoguei um punhado de sementes de urucum numa boa quantidade de azeite. Deixei esfriar e removi as sementinhas. Adicionei cebolinha picadinha no azeite que ficou avermelhado pelo urucum. Usei a parte verde e a branca—minhas cebolinhas são gigantes, apenas uma bastou. Quando as cebolinhas estavam molinhas, acrescentei uma lata de tomate, deixei engrossar. Temperei com sal e pimenta vermelha seca. Quando o molho ficou grosso, afundei ali os camarões que tinham sido previamente temperados com sal, pimenta e suco de limão. Espremi por cima mais suco de limão. Cobri com rodelas de banana nanica e polvilhei com bastante coentro fresco. Tampei e deixei cozinhar por uns minutinhos apenas, com cuidado pros camarões não virarem chicletes borrachudos. Servi com arroz branco e uma salada simples de folhas de alface. Minha opinião sincera: os camarões poderiam ter ficado de fora. Só a banana já fez dessa moqueca o fino da bossa.

bolo [clássico] de banana

bolinho_banana_dorie_as.jpg
bolinho_banana_dorie_s.jpg

Receita da Dorie Greenspan publicada no Seroius Eats. Um dos melhores bolinhos que já comi. Não coloquei o chocolate, mas me arrependi.

Classic Banana Cake [em versão pequena]
1 1/2 xícara de farinha dee trigo
1 colher de chá de fermento em pó
1/4 colher de chá de sal
1 tablete (4 oz/ 113 g/ 1/2 xícara) de manteiga sem sal em temperatura ambiente
1 xícara de açúcar
1 colher de chá de puro extrato de baunilha
1 ovo grande em temperatura ambiente
2 bananas bem maduras amassadas – 3/4 xícara
1/2 xícara de sour cream ou iogurte natural
3 oz/85g de chocolate em pedacinhos *opcional

Pré-aqueça o forno em 350°F/ 176ºC e coloque a grade no meio do forno. Unte 12 forminhas de muffin com bastante manteiga e reserve.
Numa vasilha misture com o batedor de arame a farinha, o fermento e o sal. Reserve.

Coloque o acessório de pá na batedeira e bata a manteiga até formar um creme. Acrescente o açúcar e bata em velocidade média até ficar cremoso. Adicione a baunilha e o ovo, continue batendo. Baixe a velocidade e acrescente a banana amassada—a mistura vai talhar, mas sem pânico, siga em frente. Adicione o sour cream ou iogurte e a mistura de farinha alternadamente. Bata até ficar uma mistura bem lisa. Se for colocar o chocolate, adicione e misture manualmente. Distribua a mistura entre as 12 forminhas e asse por uns 30 minutos, ou até que a massa esteja firme. Deixe esfriar numa grade.

Esses bolinhos devem ser guardados em container com tampa e deixados em temperatura ambiente por até 3 dias. Congelados eles podem ser guardados por até 2 meses.
Para fazer numa forma grande, tipo Bundt, dobre os ingredientes e asse por 70 minutos.

Bolinhos de banana e manteiga de amendoim

banana_peanutbutter_cake.jpg

Eu não escondo de ninguém que sou uma banana head—louca & pirada por banana, qualquer tipo de banana, como pelo menos uma por dia. Sendo ela a fruta da alegria, pois ajuda a produzir serotonina no cérebro, tá explicado porque eu sou essa hiena boba alegre que está sempre rindo de si mesma.

Outra coisa que eu não escondo é que de vez em quando curto uma colherada da infame manteiga de amendoim. Já confessei meu crime de partilhar do mesmo mau gosto do rei rebolante, justamente por causa dessa mistura incrívelmente deliciosa que é a da banana com a manteiga de amendoim.

Portanto esses bolinhos se materializaram rapidamente na minha cozinha, assim que que vi a receita no The Daily Green. Bolinhos fofos e macios, uma verdadeira love song—love me tender, love me sweet, never let me gooooo. you have made my life complete, and I love you soooooo!

75g de manteiga de amendoim – peanut butter
75g de manteiga
2 ovos
100g de açúcar
3 bananas médias amassadas com um garfo
1 colher de sopa de óleo vegetal
125 ml/ 1/2 xícara de leite
1 colher chá de bicarbonato de sódio
250g de farinha de trigo
3 colheres de chá de fermento em pó – químico

Na batedeira, bata os ovos, a manteiga, a manteiga de amendoim e o açúcar. Os ingredientes devem estar na temperatura ambiente. Quando obtiver um creme, adicione as bananas amassadas e o óleo. Bata mais um pouco. Numa vasilha separada misture o leite com o bicarbonato de sódio. Noutra vasilha misture a farinha de trigo com o fermento em pó. Com a batedeira ligada vá adicionando as misturas de leite e farinha alternadamente. Bata até ficar tudo bem misturado. Despeje a massa em forminhas de muffins. Asse em forno pré-aquecido em 350ºF/180ºC por uns 25-35 minutos. Retire do forno, deixe esfriar numa grade e deseforme.

* coloquei muita massa nas forminhas, por isso meus muffins ficaram com essa cara de cogumelos encantados.

exatamente o que eu queria
[sorvete de banana]

bananaicecream.jpg

Dia quente e cansativo, cheguei em casa decidida: nada de jantar, vou fazer sorvete de banana! Estava com essa idéia fixa de fazer um sorvete com bananas há tempos. Adoro essa fruta e sua cremosidade. Pra mim, banana é comfort food. Dizem que banana é a fruta da alegria, pois ela estimula a produção da seratonina, que ajuda a combater a depressão.

Meu sorvete de banana é a coisa mais simples de fazer. Aliás, preciso testar uma receita mais sofisticada, dessas com base de ovos e tal. Mas por enquanto, essa receita básica está funcionando muito bem.

3 bananas
mel a gosto
1 xícara de leite integral
2 xícaras de creme de leite fresco

Bater tudo no liquidificador e colocar na sorveteira.

carne com banana

carnecombanana2.jpg
carnecombanana4.jpg carnecombanana5.jpg

Usei um pedaço de skirt steak, que não é a carne mais adequada para esse tipo de cozimento, pois ela é muito dura. Mas foi e pronto. Não ficou incomível, mas com uma carne mais macia teria ficado muito melhor. Mas o principio é esse—a carne temperada com sal grosso e pimenta, um fio de mostarda amarela, fatias do melhor bacon, rodelas de cebola, bananas cortadas ao meio, folhas de manjericão. Enrola, amarra, frita dos dois lados na panela de ferro, joga vinho tinto e um pouco de molho inglês, põe em forno médio com a panela tampada. Depois de uns 30 minutos, destampa e assa por mais uns 40 minutos, ate o molho ficar bem reduzido e a carne bem tostada. Servir acompanhada de arroz branco.

Risoto de chá verde com camarão e banana

risottocamaraoebanana.jpg

Receita fabulosa da Lara, que eu fiz um pouquinho modificada, mantendo os ingredientes principais e a base do risoto. Ficou excelente, apesar do meu marido não-gourmet ter reclamado da presença da banana. Mas pra mim a banana é que deu aquele toque especial.

A receita original:
Risoto de chá verde com camarão e banana
Para o arroz:
500 ml de chá verde
1 litro de caldo de legumes
300 g de arroz arbóreo
100 g de manteiga * usei azeite por engano – distração
30 g de alho
60 g de cebola
150 ml de vinho branco
sal
Para o risoto:
900 g de camarão grande
2 limões sicilianos *usei o verde e acrescentei a casca ralada
25 g de gengibre
15 g de curry *não usei
7 g de açafrão *não usei
10 g de pimenta dedo-de-moça *usei chipotle em pó
2 bananas nanicas em rodelas
salsinha
sal e pimenta

Preparo:
Coloque o camarão para marinar no suco de limão. Junte as raspas do limão, o gengibre, o curry, a pimenta cortada em cubinhos e o açafrão. Numa panela, doure o alho no azeite, junte a cebola e acrescente o arroz. Junte o vinho branco e deixe evaporar, mexendo sempre. Coloque todo o chá verde e deixe reduzir até a metade. Comece a regar o arroz com o caldo até atingir a consistência desejada. Corrija o sal e reserve. Em outra panela, junte as rodelas de banana com o restante do caldo de legumes, agregue os camarões (incluindo a marinada) e o arroz. Mexa até dar o ponto. Salpique a salsinha e sirva.

* fiz um pouco diferente, pois grelhei os camarões na churrasqueira antes de acrescentar ao risoto com a banana e a salsinha. Fiquei meio assim de acrescentar os camarões crus e o marinado no risoto.

Pudim de pão com banana

Um monte de banana ficando passada e um monte de resto de pão viraram um belo pudim, inspirado numa receita da Dona Marthinha Stewart. Minha irmã apontou a diferença desse tipo de pudim de pão, onde o pão fica em pedaços, e aqueles nossos tradicionais, onde o pão é moído e o pudim fica uma massa uniforme. Os dois tipos são gostosos, e esse é mais fácil de fazer.

pudimpaobanana.JPG

2 colheres de sopa de manteiga cortada em cubinhos
1 1/4 de creme de leite fresco ou half-and-half [creme de leite diluído no leite]
3 ovos
3/4 xícara, mais 2 colheres de sopa de açúcar mascavo
1/2 colher chá de sal
2 colheres de chá de extrato de baunilha
2 colheres de sopa de rum escuro – eu usei brandy
3 bananas cortadas de rodelinhas
Meia bengala de pão tipo rústico cortado em cubinhos

Pré-aqueça o forno em 350ºF/180ºC. Coloque uma forma de assar com uns dois cm de água fervendo no forno. Espalhe a manteiga no fundo de um refratário. Espalhe as 2 colheres do açúcar por cima da manteiga. Coloque as bananas por cima das camadas de manteiga e açúcar. Numa vasilha misture bem o creme de leite, ovos, sal, baunilha e rum [brandy]. Coloque os cubinhos de pão espalhados sobre a banana e cubra com a mistura de creme e ovos. Deixe incorporar por uns 5 minutos. Coloque o refratário na forma com água no forno e asse por uns 50 minutos. Sirva morno ou frio.

Pão de banana com coco

paodebananacoco.JPG

Assim que eu vi essa receita, apressei o passo e sem delongas me pus a fazê-la. Imagina só que a Molly, dona do blog, está testando receitas para o seu livro de culinária – pressinto que na minha próxima encadernação chegarei lá também, escreverei um livro com minhas próprias receitas, testadas e aprovadas. Bom, essa é outra história. O negócio é que esse pão de banana é o que há! Fica pesado, mas com um sabor cremoso – não dá pra explicar – faça o seu, coma e me diga se o sabor não é mesmo cremoso.

banana-coconut bread
3 bananas bem maduras
2 xícaras de farinha de trigo
¾ colher de chá de fermento em pó
½ colher de chá de noz moscada ralada na hora
Uma pitada de sal
1 tablete de manteiga sem sal na temperatura ambiente
1 xícara de açúcar
1/8 colher de chá de vinagre
1 ½ colher de sopa de rum escuro
½ xícara de coco seco ralado
1 colher de sopa de açúcar demerara ou mascavo

Pré-aqueça o forno em 350ºF/180ºC.
Unte uma forma de pão com manteiga.
Amasse as três bananas com o garfo até formar um purê.
Numa vasilha separada misture a farinha, fermento, noz moscada e sal.
Na batedeira bata o açúcar com a manteiga até formar um creme. Adicione o rum e o vinagre. Adicione o purê de banana e a mistura de farinha alternadamente e batendo sempre. Ajude com uma espátula, pois a massa fica grossa. Misture o coco ralado e mexa bem com a espátula. Coloque a massa na forma e espalhe o açúcar demerara por cima. Asse por 50-60 minutos. O açúcar vai dar uma casquinha crocante ao pão e a mistura de coco e banana é simplesmente perfeita. Tire do forno e deixe esfriar bem antes de cortar e servir.