O respeito que eles merecem

allnaturalpork1_s.jpg
allnaturalpork2_s.jpg

O Dilema do Onívoro de Michael Pollan é um livro impressionante, cuja leitura com certeza vai causar algum tipo de mudança na vida de quem estiver predisposto. Pra mim, o efeito foi devastador na minha rotina de semi-carnívora.
Eu sempre acreditei que não nasci carnívora, pois desde as minhas mais tenras lembranças eu olhava para a dieta com carnes de animais com uma certa repulsa. Mas também não posso afirmar que sou uma vegetariana. Fico ali em cima do muro, me equilibrando entre ascos de nojo e comendo animais com uma certa desconfiança. Nunca pensei em adotar uma dieta vegetariana, embora tenha passado por longos períodos de abstinência. Não foi decisão, foi só acontecendo.
Ainda não tenho intenção de adotar uma dieta cem por cento vegetariana, mas a leitura do livro do Pollan me fez ver claramente um fato que eu sempre soube que existia, mas nunca fui buscar informação sobre detalhes: a brutalidade e a crueldade na indústria de criação de animais para consumo. Sempre pensei nas galinhas e nas vacas, mas nunca soube, ou quis saber, exatamente o que acontecia com elas. Mas agora eu tenho um pouco de informação, que é apenas uma olhadela no horror dos criadouros e abatedouros, mas pra mim já foi suficiente.
Chorei de desidratar em muitas partes do livro. O único livro que tinha me feito chorar desse jeito foi o Ensaio sobre a Cegueira, do José Saramago, que li há muitos anos e que me impressionou muito. Depois dele veio O Dilema do Onívoro.
Quando Pollan revelou a chocante informação de que os porcos são TÃO ou MAIS inteligentes que os cachorros, eu desfaleci de tristeza… Se você tem ou teve um cachorro, sabe como eles reagem ao sofrimento. Pois o porco, confinado num campo de concentração sem espaço, estressado ao ponto de comer o rabo do outro porco que está na sua frente, também estressado e sem espaço, nunca vai ter a vida de um cachorro. Poderia ser um filme de terror, mas não é.
O que acontece comigo agora é que eu não consigo tolerar nem olhar pra aquelas bandejinhas com cortes de carne no supermercado. Sinceramente, não dá. Eu continuo comprando carne, mas eu preciso ter certeza que estou comprando um produto decente, que fez o animal passar pelo processo todo com um mínimo de humanidade, com um pouco de respeito, porque eu não acho completamente errado que animais morram pra nos alimentar, mas tudo tem que ser feito com dignidade e com compaixão.
Pollan discute o fato de que um animal criado em condições melhores vai encarecer o produto final, mas a verdade é que ninguém precisa comer carne todo santo dia. Assim, quando comêssemos carne—diz Pollan—faríamos com consciência, com cerimonia e com o respeito que os animais merecem.

tomatada

Eu moro na tomatolândia, a região que mais produz tomates no país. Daqui sai o tomate que vai virar catchup e rechear hamburgueres e molhar batatas-fritas pelo mundo! Pudera, tomate adora um calorzinho seco, e esse é o nosso verão. Então todo ano eu planto tomate na minha hortinha e os pés crescem enlouquecidamente e dão muitos frutos [quando não acontece de um rato aparecer e comer tudo, como foi no ano passado.. argh!].

Durante o verão eu faço muitos pratos com tomate. Tortas, macarrão, saladas. . Quando não está muito quente, faço também tomates secos no forno. Aqui vão algumas das minhas receitas com tomates. Mas antes das receitas, um conselho IMPORTANTÍSSIMO: nunca guarde tomates na geladeira. eles têm que ficar na temperatura ambiente, senão perdem todo o sabor.

. . . . . . . . .

Bruschettas espanholas
Outro dia aprendi a fazer um tipo de bruschetta, só que é receita espanhola, e não paro de fazer e comer. É muito bom.
– tomates maduríssimos
– azeite
– um dente de alho
– pão de crosta dura [italiano, sour dough, etc]
Cortar o pão em fatias e tostá-las numa chapa ou frigideira de ferro, com um fiozinho de azeite [espanhol!] em cada lado. Deixar esfriar um pouco. Cortar dente de alho no meio e esfregar levemente em um dos lados do pão. Cortar o tomate no meio e esfregar o tomate num dos lados do pão [o lado do alho] ate o tomate se despedaçar e todo o sumo e pedaços da fruta passarem para o pao. A torrada está pronta! Para não desperdiçar o tomate que sobra da esfregação, eu pico bem picadinho e tempero com sal, pimenta, vinagre e azeite e faço de acompanhamento. Isso e um copo de cerveja gelada num dia quente, não preciso de mais nada!

. . . . . . . . .

Torta de Tomate
Essa receita eu aprendi num programa de tevê e não anotei nada, então não tem quantidade…. Mas como é muito simples, não tem como errar. Fiz para o almoço de Thanksgiving do ano passado e foi um sucesso.
dois tomates grandes e maduros
queijo Gruyere ralado
mostarda dijon
sal
azeite
ervas frescas picadas
uma massa para torta [pode ser a massa pronta, já na forma]
Assar a massa de torta com um peso na base [pode ser grãos de feijão – colocar uma folha de papel manteiga e os feijões por cima, para a massa não embolhar]. Deixar esfriar. Cortar os tomates em rodelas grossas, temperar com sal e deixar descansar por uns minutos. Forrar a base da massa com uma camada fina de mostarda. Colocar por cima uma camada grossa de queijo Gruyere ralado, acrescentar os tomates. Assar até os tomates ficarem bem cozidos. Retirar do forno, salpicar as ervas e o azeite por cima do tomate. Deixar esfriar e servir.

. . . . . . . . .

Pesto de Tomates Secos
Outra receitinha fabulosa, direto da cozinha de Fezoca, residente do centro da tomatolândia americana.

tomates secos, queijo parmesão, nozes, alho, azeite, cream cheese

Cozinhe os tomates secos em água por 10 minutos, para amolece-los. Coe a água e coloque os tomates num mixer junto com uma xícara de queijo parmesão ralado, 3/4 xícara de nozes ou pine nuts [eu usei pecans], um dente de alho picado, 3 colheres de sopa de azeite e um cubo de tofu [com cream cheese também fica bom]. Se quiser pode acrescentar um pouquinho de coentro fresco, ou manjericão ou salsinha. Sal à gosto.

Dá pra usar como pesto, para misturar no macarrão cozido, ou como pastinha, para comer com bolachinhas. Mangia Benne!

berinjelada

O verão é temporada de abundância dos tomates, milho, pimentão, abobrinha e beinjela. Nunca me falta uma boa receita para usar os tomates, mas os outros legumes às vezes me deixam prostrada, sem idéias. A berinjela é um deles. Não dá pra passar o verão inteiro fazendo pastinha de berinjela. Felizmente o Uriel adora esse legume, então qualquer jeito que eu o prepare, ele come. Eu faço moussaka e raramente um refogado estilo ratatouille.

Apesar de já estarmos oficialmente no outono, ainda estou recebendo berinjelas na cesta orgânica. Tenho então usado a churrasqueira, para grelhar tudo em fatias e guardar na geladeira. A berinjela grelhada dura bastante refrigerada e pode ser usada para pratos quentes ou frios.

Nesta semana fiz a seguinte receita [inventada]:
Cortei as berinjelas [três variedades, roxas, brancas e verdes] em rodelas grossas e deixei uns minutos de molho numa salmora de água fria.

Preparei um tempero com:
bastante azeite, sal grosso, pimenta do reino, basil seco e um pouquinho de vinho tinto.

Coloquei as fatias de berinjela na churrasqueira já bem quente e pincelei a mistura de azeite em cada uma, dois dois lados. Deixei grelhar [cuidado para não deixar queimar, a berinjela grelha bem rápido].

Retirei da churrasqueira, separei umas fatias e guardei o resto na geladeira para outro dia. Coloquei as fatias separadas numa forma refratária de cerâmica, coloquei queijo raclette [pode ser qualquer outro queijo forte, como o gruyere] em cima de cada fatia e por cima fatias de tomate. Coloquei no forno por uns minutos até o queijo derreter. Servi quente-pelando com salada verde.

Era só o que faltava!

Pois é, eu nem sou aquela cozinheira de mão cheia que faz pratos maravilhosos e saborosos. Na cozinha eu sou aquela que se esforça. Queimo comida, salgo demais, substituo quantidades e ingredientes e enfrento as consequências, me queimo, me corto e tropeço no tapete com uma forma de caramelo quente na mão…..
Não sou perfeita, não sou gourmet, não freqüento restaurantes finos, mas ADOOORO falar de comida, ler sobre comida e até timidamente arriscar pratos e receitas mas elaboradas. Minha cozinha é inventiva, no sentido que eu invento um monte de modas. Às vezes dá certo, mas nem sempre. Gosto de comer orgânico, comprar ingredientes de qualidade, sou a rainha das novidades e das gadgets inúteis.
Há tempos olho sites de culinária e outro dia pensei, por que não ter um também? Escreverei as histórias mais bizarras e diferentes, ilustradas por fotos dos meus tomates e nectarinas. Me inspirei na maravilhosa receita de Chucrute com Salsichas que achei num dos cadernos de receitas da minha mãe. Ela, tão ocupada, mas sempre antenada, me mostrou que tudo é possível e tudo é valido. Então já vou colocando o meu avental e colocando as mãos na massa!

minha cozinha

Estou lendo um livro de receitas desses cheios de histórias, onde Miss Bessie, uma negra sulista, descreve seu prendizado na cozinha da avó e da mãe. Ela fala sobre tradições da cozinha do sul com suas diferentes etnias e aromas. Ela também diz que é possível descobrir muita coisa a respeito de uma mulher, apenas observando a sua cozinha. Segundo Miss Bessie, a cozinha vai dizer mais verdades sobre uma mulher do que ela mesma se permitiria
Pensei então na minha cozinha e as verdades que ela pode revelar sobre mim. É um espaço amplo e cheio de luz. Flores na janela desnuda em frente a pia. Uma boombox sempre presente num canto, onde eu coloco cds de Jazz pra tocar enquanto cozinho. Uma estante cheia de livros, revistas, cadernos de receitas e papeladas avulsas enfiadas em sacos plásticos e porcamente organizadas em arquivos. Peças de cerâmica por todo canto. Muitas colheres e garfos de madeira. Pelo menos três garrafas de azeite sempre à mão, perto do fogão. Dois panos de prato sendo usados e uma toalha de mão. Poesia magnética minimalista na geladeira—pastilha dizendo Water, do lado que saí a água e gelo e outra dizendo Beer, onde fica o resto das comidas. Alguns postais de viagens e umas fotos dos meus sobrinhos. Gatos sempre dormindo nos tapetes, armários desorganizados, despensa com estoque de vidros de azeitonas, grão de bico, macarrão de diversos tamanhos, formatos e expessuras, lentilhas e ervilhas secas, feijões, arroz basmati e integral e latas de tomate em conserva. Gavetas terrivelmente desorganizadas, caixa de pão sempre cheia, muitas latas de biscoito italiano, cheias de biscoitos que nunca lembro de comer e que acabam ficando velhos. Garrafas de vinho branco e tinto de cozinhar. Pia sempre com louça suja. Uma chaleira vermelha com água sempre à postos em cima do fogão. Pilhas de pratos de cor beige. Vaso de flores com utensílios de cozinha, cerâmica para garrafa de vinho com inúmeras facas, muitas sem fio. Tábua enorme de madeira no meio da bancada. Vidros cheios de coisinhas. Minha cozinha é grande, mas é cheia de coisas, uma bagunça onde só eu consigo me orientar.

Comida!

Minha comida é frugal. Não tem nada de especial e não pode me tomar muito tempo, pois me condicionei a não fazer nada que leve mais de trinta minutos para ser preparado. Não vou dizer que minha comida não seja criativa – usando os legumes e verduras que eu compro da horta orgânica, ou mesmo saborosa – quando consigo não salgar muito, nem deixar queimar nada.

Mas quem vê a minha coleção de livros de cozinha com certeza pensa que eu sou aprendiz de chef ou uma sofisticada cozinheira, uma gourmet. Eu adoro livros de cozinha. Mas os coleciono muito mais por um prazer voyeur do que pelas suas qualidades práticas. Eu me inspiro nos livros, mas não cozinho baseada neles e raramente sigo uma receita ao pé da letra. Tenho uma tendência quase neurótica a mudar os ingredientes, as quantidades e depois ficar reclamando como uma ranzinza quando a receita vira uma gororoba incomível.

Pra não dizer que não uso receitas, até que andei fazendo algumas coisinhas da fantástica revista da senhora Martha Stewart, Everyday Food [que recomendo fortemente, apesar dos enroscos legais da sua criadora]. E quando me entusiasmo com um livro ou com um estilo de comida [como foi com a cozinha tailandesa], acabo seguindo algumas receitas. Mas tenho que fazer um esforço, também porque sempre falta um ingrediente ou esqueço de deixar a manteiga na temperatura ambiente ou de descongelar a carne, detalhes geralmente essenciais para o sucesso da empreitada.

Minhas aventuras na cozinha são mais divertidas do que saborosas. Como aquela inesquecível sobre a receita de chucrute com salsichas da minha mãe! Mesmo não sendo a cozinheira que gostaria de ser, continuo comprando livros, colecionando revistas e me deliciando com programas de culinária na tevê. Um dia, quem sabe, vou escrever o meu livro de receitas, que virão com certeza acompanhadas de muitas histórias.