Mildred Pierce

Mildred Pierce é um melodrama clássico dirigido pelo Michael Curtiz em 1945 e estrelado pela divina Joan Crawford, que na época estava com a popularidade em pouco em baixa. O filme começa com um crime e a história é contada em flashback. Mildred é casada desde os 17 anos com um marido corretor de imóveis, tem duas filhas e uma vida simples. Ela faz e vende bolos para juntar uma grana extra. O marido, pulador de cerca, casca fora logo no inicio do filme, deixando a pobre Mildred não só numa situação financeira delicada, mas naquela condição desconfortável de “largada”.

Mildred Pierce Mildred Pierce
Mildred Pierce Mildred Pierce
Mildred Pierce Mildred Pierce
Mildred Pierce Mildred Pierce

Mas Mildred não se faz de rogada e sai à procura de um emprego. Como a única coisa que ela sabe fazer é cozinhar, servir, limpar, arrumar mesa, acaba de garçonete num restaurante durante o dia e fazendo tortas na cozinha da própria casa, com a ajuda da empregadinha, para fornecer ao restaurante e ajudar no orçamento. Mildred não dorme, não come, não descansa. Tudo porque sua filha mais velha Veda [Ann Blyth] precisa ter tudo do bom e do melhor. Mildred não conta para a garota que trabalha como garçonete.

Mildred Pierce Mildred Pierce
Mildred Pierce Mildred Pierce
Mildred Pierce Mildred Pierce

Joan Crawford com seu rosto rígido e olhos esbugalhados é a epítome da determinação e do sacrificio, a mãe que faz o possível e o impossível pelas filhas. Quando a mais nova morre de pneumonia, Mildred fica devastada, mas não desiste nos seus planos de abrir um restaurante. Ela compra uma propriedade de um ex-ricaço e também se envolve romanticamente com ele.

Mildred Pierce Mildred Pierce
Mildred Pierce Mildred Pierce

O restaurante de Mildred se torna um sucesso. Ela mesma serve mesas, frita o frango e só descansa depois de anotar todos os detalhes financeiros do dia. Mas apesar de toda riqueza e sucesso, a filha Veda nunca está cem por cento contente. Ela quer mais e mais e rejeita as origens humildes e o trabalho honesto e braçal da mãe.

Mildred Pierce Mildred Pierce
Mildred Pierce Mildred Pierce
Mildred Pierce Mildred Pierce

Tudo o que Mildred toca vira ouro e logo ela tem uma cadeia de restaurantes espalhados pela região. Mas a vida amorosa da magnata está no limbo e a filha Veda continua gastona, arrogante, ambiciosa e sem escrúpulos. Os embates entre mãe e filha são dramaticos e novelescos.

Mildred Pierce Mildred Pierce
Mildred Pierce Mildred Pierce
Mildred Pierce Mildred Pierce

O filme trouxe um Oscar de melhor atriz para Joan Crawford e é até hoje um marco da melodramaturgia noir. Divertido de assistir, especialmente para se prestar atenção nos detalhes das cozinhas da Mildred, na casa e no restaurante. Comida é o que não falta nessa rocambolesca história.
O buxixo agora é com o remake de Mildred Pierce, transformado numa mini-série pela HBO, com Kate Winslet como Mildred e Evan Rachel Wood como Veda. Eu li que a reconstituição de época—os anos 30 no sul da Califórnia, é perfeita e preciosa nos micro detalhes. E também que a série mostra todo o sexo que fica totalmente abafado pela moralidade rígida da época do filme. E não seria uma grande idéia se a série disponibilizasse um food blog com as fantasticas receitas da Mildred?

7 comentários sobre “Mildred Pierce”

  1. Fernanda,
    Concordo com a Manu aí de cima! Tive vontade de estapear a Veda desde o primeiro episódio, mereceu umas palmadas a série inteira hehehe…
    Assisti a série porque você me deixou com a pulga atrás da orelha!
    E sim, concordo que deveria ter um site com as receitas, o waffle e o frango que ela prepara na série são bem apetitosos… =9
    Acho que você deveria assistir, os atores estão muito bem!!!
    bjs,
    manu

  2. Fer,
    Já vi! O meu marido torceu um pouco o nariz, por pensar que era sobre comida, mas asssitiu a tudo, e gostou. Obrigada por partilhares este filme que n conhecia connosco, agora seguimos para a série 🙂

  3. Ana e Fer, me lembrou Vale Tudo. Raquel a mãe pobre e rejeitada da Maria Fátima, fica rica vendendo sanduíches na praia e chega a ser dona de uma rede de restaurantes, enquanto a filha má morre de vergonha da mãe.
    Adoro essa novela.
    bjs
    R: é mesmo, Paula. a relação mãe/filha dessa novela é no mesmo esquema do filme. bjo!

  4. Fer,
    Nem li tudo porque fiquei com curiosidade de ver o filme e não quis saber demais.
    Com o primeiro paragrafo lembrei-me de uma telenovela que vi quando era criança e adorei, na qual uma personagem, penso que a actriz era a Marilia Pêra, depois de ficar na penuria começa a cozinhar para fora.
    Não tem nada a ver, desculpa, apeteceu-me contar isto…
    bjs
    R: Ana, essa novela era Brega&Chique e foi muito divertida, eu tambem vi. nada a ver com esse filme dramalhão. Pode ler ate o final, que eu não conto nada! 🙂 bjo

  5. Oi! Eu adoro o blog e passo aqui pelo menos duas vezes por semana. Mas esta é a primeira vez que eu comento. Tô apaixonada pela série da HBO, tô gravando pra acompanhar melhor. Infelizmente nunca vi o filme, mas agora fiquei mais curiosa ainda. E a tal da Veda é um nojo, vontade de bater na menina!
    Parabéns pelas receitas sempre lindas e gostosas! Já testei algumas! Infelizmente não tenho toda essa força pra encarar o fogão depois de dias estafantes.. mas você demonstra que isso é possível!
    bj carinhoso!
    http://www.sou-como-voce.blogspot.com
    R: Manu, muito obrigada! que bom que comentou! veja o filme original pra você poder comparar. eu ainda nao vi nada da mini-série, mas estou bem curiosa. um beijo!

Deixe a sua pitada: