Cache Creek lavender fields

lavender-cachecreek
lavender-cachecreek lavender-cachecreek
lavender-cachecreek lavender-cachecreek
lavender-cachecreek
lavender-cachecreek lavender-cachecreek
lavender-cachecreek
lavender-cachecreek
lavender-cachecreek lavender-cachecreek
lavender-cachecreek
lavender-cachecreek
lavender-cachecreek
lavender-cachecreek lavender-cachecreek
lavender-cachecreek
lavender-cachecreek

Visitamos outra região que não conhecíamos, aqui no norte da Califórnia, ainda no nosso condado deo Yolo. São tantos lugares legais, cidadezinhas, mercados, vinhedos, vinícolas. O Capay Valley é bem conhecido pela sua riqueza agrícola. No caminho vimos muitos campos de arroz, alguns de tomates alternados com trigo e os indefectíveis pomares de amêndoas e nozes. Nosso destino era a pequeníssima cidade de Rumsay, com 95 habitantes, onde ficava os campos de lavanda orgânica do Cache Creek. O lugar é bem pequeno, pelo menos a parte que nós visitamos. O Uriel insistiu na tese de que aquile sítio era uma ex-comuna hippie. O ambiente era todo zen. Os pequenos campos de lavanda, uma casinha simpática, uma green house, um pomar de frutas salpicado com mesinhas e bancos para picnic. No dia do festival vendia-se perfumes, produtos de beleza e culinário feitos com lavanda. E por quatro patacas você podia colher o seu próprio bouquet. Também vendia-se um pacote com pão, queijo e morangos para picnicar e havia a opção de comprar a caixa de vinhos produzidos no Capay Valley. Nos compramos o ranguinho, nos servimos da limonada e dos brownies com lavanda que eram gentileza da casa e nos sentamos numa mesa decorada com vaso de flores embaixo de uma macieira. Coloquei atenção especial nos detalhes zen que enfeitavam o pomar e nos ramos de lavanda secando na beira do riacho. Enquanto comíamos nosso lanchinho, escutamos a banda que tocava, uma mistura de new age com ritmos indianos. O rapaz que tocava a cítara parecia importado da India. E assim passamos umas horas muito agradáveis do sábado, visitando um perfumado campo de lavandas.

11 comentários sobre “Cache Creek lavender fields”

  1. Fer, que lugar encantado!!! Nao sei porque mas campos de lavanda me lembram contos de fada, acho tao tao lindo. Mas o engracado eh que embora eu tenha conseguido desenvolver meu veggie garden (organico) eu nunca dou sorte com plantas de lavanda. Eu ja li no blog sobre as suas lavandas. Me conta, tem algum segredo pra elas vingarem?
    Beijao, Carol
    PS: Achei o tapioca starch numa loja asiatica e fiz o seu pao de queijo. Usei metade de queijo danish fetta e metade parmesao. Ficou MARAVILHOSO! Muito obrigada pela dica!
    R: Carol, acho que tem muito a ver com o clima daqui, pois eu nao faço absolutamente nada. só cavei um buraco no chão e plantei. que bom que o pao de queijo dedu certo! beijao!

  2. Nega, teu blogue tem que ser eleito o mais bucólico da Internet, quanta coisa linda!!! Você é uma sortuda de morar nessa região maravilhosa e de ter um marido urso que adora ir fazer esses passeios contigo! Beijos de inveja boa, Lu

  3. fer, que fotos lindas!
    achei que estava folheando um editorial da revista da martha hehe
    sempre quis fazer algo com lavanda e tenho sonhado com um sorvete com ela, mas ainda não encontrei por aqui… a procura continua =)
    R: em lojas de chás e temperos, tipo bombay?

  4. Fer sou apaixonada pelo perfume pela forma ,pela cor que a Lavanda tem adoro de paixao ,esse cheiro me traz paz ,parece que penetra meu coracao atravessa minha alma ,me deixa extasiada ,e um amor sem fim que tenho por essa palntinha de flor delicada e perfume intenso ,tenho dela nos meus dois jardins ,e esse ano tenho programado a visita a um campo que fica aos pes do monte fuji ,acho tb super interresantequando vc adicona a dona lavanda a suas receitas ( nunca comi nada que tivesse lavanda ,mais tenho uma curiosidade ) Adorei tb que vc colheu lavandas pra enfeitar e perfumar sua casa !Adoro suas fotos ,sempre muito expressivas e reais ,atraveis das quais conheco a california e sua vida interresante !
    bjim

Deixe a sua pitada: