bolo de absinto

bolo-absinto_1S.jpg

bolo-absinto_2S.jpg

Estou lendo The Sweet Life in Paris do David Lebovitz à passos largos, meu segundo livro no Kindle. Sempre achei o Lebovitz um cara muito engraçado e consigo rir com ele em muitas das coisas que ele relata, pois de uma certa maneira, uma maneira meio que invertida, consigo me colocar no lugar dele. Ele é um americano vivendo na França e já registrou neste livro pra quem quiser ler, que vai ficar por lá, se sujeitando à humilhação de renovar o visto todo ano, pelo período mais longo que puder. E como todo estrangeiro, ele tem seus momentos de surpresa, encantamento, revolta, crítica e reflexão. Me identifico à beça porque já tive meus momentos de choque, como aquele clássico—onde está o maldito ralo para eu poder esguichar água neste banheiro imundo? Hoje já me ajustei tão absurdamente bem à tudo, que até consigo entender como esse norte americano vê o estrangeiro.

Mas o livro não é só textos pitorescos e engraçados com dicas bacanas de lugares de comer e visitar em Paris. Sendo o autor um pastry chef, cada curto capítulo é interrompido por uma receita maravilhosa. Receitas com todos os ingredientes que ele tem em abundância em Paris e pelos quais nós, reles mortais espalhados pelo resto do mundo, o invejamos tanto. Já marquei várias delas, mas a primeira que eu tinha que fazer era a desse bolo de absinto, a delicada fada verde de quem já sou fanzoca. Adoro todas essas bebidas feitas com base de anis, como o absinto, o pastis ou o arak. Sei que o absinto que usei não deve ser o melhor, como o recomendado pelo dono da lojinha parisiense especializada na bebida, que aconselhou Lebovitz. Mas mesmo assim o bolo ficou incrivelmente bom! Ele recomenda usar a farinha de pistaches, que dá um tom verde à massa, mas não achei pra comprar em lugar nenhum. Até pensei em moer os próprios e fazer a farinha eu mesma, mas na hora esqueci e usei a farinha de amêndoas que eu já tinha. E dá pra usar o cornmeal também e outra bebida de anis. A única coisa que não aprovamos foi o glacê. Achamos muito doce e muito alcóolico, acabamos raspando antes de comer. Mas faça se quiser ou como quiser.

3/4 colher de chá de sementes de anis [erva-doce]
1 1/4 xícara de farinha de trigo
1/2 xícara de farinha de pistachos ou de amêndoas ou cornmeal
2 colheres de chá de fermento em pó [de preferência o sem alumínio]
1/4 de colher de chá de sal
8 colheres de sopa de manteiga sem sal em temperatura ambiente
1 xícara de açúcar
2 ovos grandes em temperatura ambiente
1/4 xícara de leite integral
1/4 de absinto
Raspas da casca de 1 laranja [de preferência orgânica]
para o glacê
3 colheres de sopa de açúcar
1/4 de xícara de absinto
Raspas de casca de laranja, se quiser

Pré-aqueça o forno em 350ºF/ 176ºC e unte uma forma de pão de 9″/23cm com manteiga e forre o fundo com papel vegetal.

Moa as sementes de anis usando um pilão. Numa vasilha misture com o batedor de arame a farinha de trigo, a farinha de pistachos [ou amêndoas ou cornmeal], o fermento, o sal e as sementes moídas. Reserve.

Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar até ficar uma mistura bem leve e fofa. Adicione os ovos, um de cada vez até eles ficarem completamente incorporados ao creme. Numa vasilha pequena junte o leite e o absinto e as raspas de laranja. Misture metade dos ingredientes secos ao creme de manteiga e ovos. Junte a mistura de leite e absinto. Com uma espátula misture o resto dos ingredientes secos e incorpore delicadamente até fica ficar uma mistura lisa, mas não misture demais. Coloque a massa na forma untada e leve o forno por 50 minutos. Remova do forno de deixe esfriar por 30 minutos. Remova da forma, retire o papel e coloque o bolo numa travessa.

Para fazer o glacê apenas misture o açúcar com o absinto, somente para misturar, não deixe o açúcar se dissolver. Pode adicionar mais raspas de laranja se quiser. Faça furos na superfície do bolo e pincele o bolo com a mistura de açúcar e absinto.

5 thoughts on “bolo de absinto”

  1. olha, eu não quero adicionar tempero nenhum.. só vim pra dizer que sou fã desde que conheci o blog (não achei algum e-mail pra mandar isso direto pra você). adoro o seu jeito de escrever e fico imaginando muito a sua vida aí uahduhasd morei em connecticut por uns tempos, minha mãe continua aí com meu irmão xD
    é engraçado, tenho 19 anos, cheia de piercings e tatuagens, curto um rock pauleira e me AMARRO em culinária.. o pior é que ninguém entende esse meu gosto hausduasduhasd
    enfim, adoro suas receitas.. ainda não fiz nenhuma, mas morro de vontade de todas 😀
    continue postando sempre! as vezes fico um tempo sem vir aqui, mas sempre que lembro venho correndo, ja ansiosa para ver as receitas novas UHASUDASD
    parabéns, chará 🙂
    R: que bom que me escreveu, Fê! faça as receitas, porque aqui tudo é facil. um beijo!

  2. Ate duas decadas atras o obsinto era considerado droga nos EUA! Sua produçao e comercializaçao era crime grave! Ate, pelo que me lembro da historia, um produtor da california solicitar sua produçao! A luta envolveu congressitas, FDA, FBI, CIA, NASA, MIB (men In Black:)…ate hoje a produçao é controlada! vai entender!

  3. Eu estou cá a pensar que já não deu certo meu bolo de ruibarbo, pois o da minha amiga não está bom tem chovido muito por aqui,e o preço no Santa LUzia é altissímo, queria pedir pra vc o que daria pra substituir o ruibarbo, agora bolo de absinto pode ser substituido por alguma outra bebida,pois acho que aqui é proibido a venda,não estou bem certa mais acho que sim;adoro suas receitas principalmente bolos diferente de tudo q
    ue já vi,Beijos (diu)(fiquei curiosa pelo fermento não de aluminio?. outro beijo.
    R: Diulza, infelizmente não acho que haja um substituto pro ruibarbo. mas usa outra fruta e vê no que dá [e depois me conta!]. O absinto pode ser substituido por qualquer bebida a base de anis, como o arak que é muito comum ai nos restaurantes arabes. eu ja usava o fermento sem aluminio, sempre procuro os produtos mais naturais e com mais qualidade. um beijo pra voce! 🙂

Deixe a sua pitada: