a revista do Jaime

revista_jaime_1S.jpg
Atrás da minha casa tem um shopping center, daquele tipo strip mall, mas com muito mais charme. O estacionamento de carros fica nos fundos e na frente tem um jardinzão com espaço para bicicletas [estamos em Davis], muitas mesinhas pelo passeio e uma área que pertence ao Arboretum da UC Davis no canto, com muitas plantas, árvores e bancos. Deve ser o espaço comercial mais agradável da cidade, com algumas lojas e restaurantes. Uma das lojas é uma livraria, onde eu não vou muito frequentemente, já que compro tudo o que eles vendem lá online. Mas de vez em quando gosto de dar uma geral para ver as novidades. A seção de culinária é sempre o meu ponto final.
No sábado resolvi dar um pulo lá só para encaroçar. Dei uma geral sem muito entusiasmo e quando parei nos livros de receitas vi, num encaixe entre as prateleiras, a revista do Jamie Oliver. Já tinha dado uma olhada na versão online da revista na época do lançamento e achei legal, mas não fiquei entusiasmada ao ponto de ir procurar pela edição no papel. Mas ali estava ela, bem na minha frente, então peguei uma e comecei a folhear, ali mesmo em pé.
A revista é bacaninha, impressa num papel grossinho, bem diferente das outras revistas em geral. É também bonita, com o Jamie sempre na capa [não pude deixar de pensar na Oprah Winfrey—hahaha!] e o conteúdo é bem variado e interessante. Fui folheando, no inicio com aquela minha cara blasé de quem se recusa a ser contaminada pelos hypes da mídia. Mas aos poucos minha cara blasé foi se metamorfoseando numa cara de imensa surpresa. Fechei a revista antes de chegar ao final, porque já tinha decidido que iria comprá-la.
O que me fez decidir comprar a revista do Jaime? Um especial sobre o Líbano, com fotos e receitas maravilhosas!
Vi que aquela edição era de maio/junho e fui até a seção de revistas onde achei a edição julho/agosto. Levei as duas. Que grande surpresa! Na segunda revista, mais reportagens legais, mais fotos inspiradoras, mais receitas bacanérrimas e no final uma matéria linda sobre a cidade de Lisboa.
Gostei tambem de uma seção dobrável e removível em forma de poster no final da revista, com sugestões divertidas e interessantes de menus para um mês. Ao contrário do que eu imaginava, a revista do Jaime Oliver não é só uma ego-trip do rapaz e realmente se destaca no mundinho das revistas gourmet. Sem falar que deve ser a primeira revista que carrega o nome de um chef celebridade. Nem vamos mencionar a revista da horrorilda Rachel Ray. A do Jamie Oliver é outra história, totalmente rock n’ roll com muita classe!

17 comentários sobre “a revista do Jaime”

  1. Oi Fer!
    Gostei do blog e do post. Eu comprei essa revista em Londres (a nr 1 e a nr 2) e depois que voltei para o BR nem pensei mais nela. Achei interessante e bem prática – para quem mora na Europa (e USA) principalmente pelos ingredientes. Gosto dele, tem futuro esse menino…(rs)
    beijos,

  2. Fernanda, eu nunca tinha ouvido falar do Jamie, nem tinha visto programa de tv ou revistas. Mas há umas duas semanas eu comprei aleatoriamente um livro dele (Cook with Jamie). Estou gostando muito do tom informal, das técnicas básicas e receitas sofisticadas e fáceis de fazer. Ele preza pela qualidade dos ingredientes e ainda dá muitas dicas. Como ainda não tinha nenhuma opinião pré-estabelecida sobre Jamie Oliver, tô gostando..

  3. Oi Fer!
    Gostei do metidinho ali em cima das revistas. A Gris também faz destas. Cada dia que passa, estou mais encantada com estes bichanos.
    Quero dar uma olhada nesta revista. Sabe que ganhei o último livro dele numa promoção do canal GNT? Fiquei bem feliz pq celebridade ou não, gosto das receitas dele.
    Um beijo

  4. Sou muito mais este Chucrute do que qualquer Jamie Oliver. As lindas fotos e a elegancia dos guardanapos de pano e suas receitas me cativam. No outro, a aparencia já me afasta. Bom, gosto é gosto.
    Pra quem quiser ver algumas receitas, elas são disponibilizadas na página http://www.jamieoliver.com/magazine?jo_home_10
    Quem reside em grandes capitais no Brasil deve encontrar em agencia de revistas ou em grandes livrarias, destas de Shopping e pode mesmo encomendar. Quem mora em pequena cidade pode aproveitar visitas a grandes cidades para procurar ou assinar a revista pela internet. O frete costuma sair caro e o valor da assinatura ultrapassa o dobro do que custa localmente.
    R: obrigada, Silvia–pelo elogio gentil e pela boa dica. beijo, Fer

  5. Quanto a revista, não posso opinar pois não vi/li.
    Quanto ao Jamie, acho-o muito mais um showman do que um chef propriamente dito.
    Ainda mais que por aqui, repetem os programas dele no GNT até não aguentarmos mais. Em alguns, ele parece ter 15 anos !! rs
    E a culinária que ele apresenta, na minha opinião, é quase sempre a mesma coisa!! E ele é um tanto quanto “porquinho” também, né?
    Abs.
    R: Edu, acho que todo chef que vira celebridade com programa de tv, revista, vendendo panela e pizza eh muito mais showman mesmo, neh? eu achava que voces ai no BR viam os programas novos, tudo super na crista da onda. o primeiro programa dele que eu vi foi qdo estive no BR. aqui nem sei que horas passa, mas so vi um episodio, quando ele morde um pimentao e depoiis coloca o pimentao mordido na salada. argh! um abraco, Fer

  6. Compartilho da opinião das opiniões acima.
    Gostaria que vc respondesse o que é que tem aqui que não existe aí por favor..hehehe..
    Natal está chegando e nunca se sabe…
    Menina, aqui não há overdose de Jamie.A GNT reprisa os episódio e é só.Agora que eles traduziram o livro dele, mas não existe revistas..
    O que eu percebi,é que a revista parece bem mais grossa do que as nossas costumam ser.
    Grande abraço
    Kaká

  7. Ai, o Jamie me inspira tanto a cozinhar coisas deliciosas! A receita de risoto dele é perfeita, sempre dá certo, e as variações de saladas, molhos e carnes é tão boa! Eu adoro o livro de receitas italianas típicas, e o respeito muito por ele se interessar e também respeitar as culinárias dos lugares para onde ele viaja. Não entendo as pessoas não gostarem dele (tirando o nojinho que eu também tenho das sujeirices dele, blé!).
    Não consegui achar a revista dele aqui, e nem as da Martha Stewart, sumiram! Nunca nem vi a da Rachael Ray, só o programa. Ela é mega gritona e faz umas receitas mistureas demais, né? Eu só aproveitei uns temperos para frango que ela faz uma vez.
    Beijoca, Fezoca! Depois escrevo o e-mail explicando a correria que se instalou aqui (e que não vai embora tão cedo, arf!).

  8. Ops, pois são. Li o seu texto e na cabeça registei Líbia… Bem, devem ter bastantes pontos em comum, também, não é? São tão próximos! Ai, cabeça a minha…

  9. Fer, tb já foleei a revista on line e parece ser bem legal mesmo!Fico vendo seus comentários sobre livros e revistas que sempre compra e fico meio frustada pq aqui no Brasil não encontro produtos tão atraentes quanto os que vc nos mostra sempre. Espero que continue sempre nos atualizando com suas dicas! beijos!
    R: Martha, mas ai tem outras coisas que nao tem aqui, neh? beijao, Fer

  10. Obrigada pela dica. Eu jamais compraria a revista sem sua recomendacao, agora vou procurar por ela. Sem grandes esperancas de achar por essas bandas, mas quem sabe Barnes & Noble tem?
    R: Sally eu comprei na Borders, mas na B&N deve ter sim.

  11. Eu já ouvi falar da revista, mas por aqui não encontrei. Já reparei que algumas colegas portuguesas encontraram, mas deve ter sido na capital. Às vezes chateia muito morar longe das grandes metrópoles 🙂
    R: se eu achei em Davis, voce deve achar por ai tbm.

  12. Fer, eu tbem comprei a revista de maio/junho e AMEI!! Muito legal, o material, as reportagens, tudo, muuito bacana mesmo, eu tbem adorei!
    Beijao!
    Ana
    R: eu que demorei pacas pra ver, neh Ana? beijaoo, Fer

  13. Fer,
    Comprei a 1ª em Londres em Dezembro e depois consegui encontrar o nº 2 e 3 aqui mas a última que tem o artigo sobre Lisboa não encontrei 🙁 Apesar da “personagem” já estar um pouco por todo o lado, adorei as fotos e especialmente o tal “poster/calendário”.
    Beijinhos,
    Carlota
    R: Carlota, aqui a gente nao sente essa overdose de Jaime, porque ele nao eh tao proeminente. aqui temos sim overdose de Mario Batali com seus crocs cor de laranja–argh! 🙂 beijooo, Fer

  14. Querida Fer, estou em falta consigo… Passo a correr a espreitar as delícias que são os seus gatos e a ficar na retina com o luxo que são as suas fotos, enfim… a beber a viagem única que é o seu jeito especial.
    A revista é de facto (a mais) bonita (das revistas de culinária), mas também me farto um bocadinho das capas sempre com a carantonha do rapaz… Gostei especialmente do artigo sobre a refeição do G20. Muito engraçado! Fico também a aguardar as receitas do Líbano pois esse número escapou-me.
    Mil beijos e um abraço apertado!
    R: Suzana, saudades! o Jaime nao faz nada de diferente das outras celebridades. aqui todos os chefs vendem panelas, pratos, utensilios, pizza congelada e o escambau. faz parte do pacote e quem pode aproveita, neh? 😉 um beijo, Fer

  15. adorei a definição rock n’ roll com muita classe. achei bem por aí também.
    as edições são super bem cuidadas, com impressão de qualidade em papel fosco, linda!
    fica uma textura que dá vida as imagens.
    a produção das fotos tb é de uma beleza que dá vontade de tentar fazer igual!
    achei bacana a matéria de “made in taiwan” da edição 2.
    gostei bastante do conteúdo da revista e gosto do jamie tb. embora seja um chef pop, tem seu mérito.
    a capa me lembrou a da oprah na hora tb rs… ego-trip ou estratégia de marketing total!
    ótimo o post, fer!
    boa leitura pra vc!
    bjos
    R: o Jaime tem um bom time trabalhando pra ele. dah pra perceber isso nos livros e agora tbm com a revista. um chef realmente pop! 🙂 beijo, Fer

  16. Por cá também encontrei a de Julho/Agosto e resolvi comprar para ver. Foi a primeira que encontrei. Gostei, sobretudo do grafismo e do papel. Mas também achei interessante o conteúdo.
    Confesso que estou a ficar um bocadinho farta do Oliver e do facto de ele estar em TUDO e fazer TUDO. Agora tem linhas de louça e roupa de mesa, tem uma cadeia de supermercados misto escola de culinária para as massas. Sem falar nos restaurantes, livros, programas de televisão e eu sei lá mais o quê. Quando a coisa começa a tomar estas proporções eu fico sempre um bocadinho de pé atrás, a achar que é exagero, ambição desmedida e fora do controlo.
    Mas a revista é simpática, sim. E fiquei muito curiosa com essas receitas da Líbia. Vou esperar você experimentar e publicar aqui, já que não vou conseguir encontrar a revista 🙂
    Beijo *
    Mariana
    R: são receitas do Libano

Deixe a sua pitada: