The Cheeseboard

the_cheeseboard_1S.jpg
the_cheeseboard_10S.jpg the_cheeseboard_3S.jpg
the_cheeseboard_4S.jpg the_cheeseboard_6S.jpg
the_cheeseboard_2S.jpg
the_cheeseboard_5S.jpg
the_cheeseboard_8S.jpg the_cheeseboard_11S.jpg
the_cheeseboard_9S.jpg

Eu e a Maryanne marcamos de nos encontrar no The Cheeseboard Collective, que é um dos pontos gastronômicos mais famosos de Berkeley. O Cheeseboard é uma cooperativa onde todos que trabalham lá são sócios proprietários, têm o mesmo salário e dividem os lucros. Essa loja de queijos foi uma das primeiras a se estabelecer naquela região, onde está também o Chez Panisse, e que hoje é conhecida como o Gourmet Ghetto de Berkeley.

O bacana do Cheeseboard é o ambiente descontraído e a maneira como você é atendido. Você chega e pega uma carta de baralho—a nossa foi o Jack of Hearts. Quando nossa carta foi chamada, nos aproximamos do balcão onde poderiamos pedir qualquer tipo de aconselhamento ou provar qualquer um dos 88653322098 mil queijos que eles vendem por lá. Você pode provar duzentos queijos e comprar apenas dois, ou se quiser pode provar trezentos queijos e não comprar nenhum. O duro é conseguir provar e não comprar, porque os queijos são deliciosos.

Eu não tinha nenhuma festa de queijo planejada, nem queria nenhum conselho. Também não sabia que queijo eu queria experimentar, porque minha visão libriana se embaraça e fica nebulosa quando há muitas opções no horizonte. Felizmente eu pensei rápido e lasquei o pedido—quero provar um queijo da Califórnia. A minha atendente então cortou fatias finérrimas de um queijo cremoso de cabra do outro mundo chamado Humboldt Fog. Comprei um pedaço. Depois ela me ofereceu o Roth’s Private Reserve, um queijo de Winsconsin, que segundo ela era ótimo. E era mesmo. Um estilo alpino artesanal premiado, feito com leite de vaca cru, muito interessante. Comprei outro pedaço. Também experimentamos um pecorino italiano com uma crosta de ervas e eu comprei um pedaço do Prima Donna, um Gouda muito delicado.

O Cheeseboard também tem uma padaria e vende pães fresquinhos, mas nós não compramos nenhum. Ao lado do Cheeseboard fica a pizzaria da cooperativa, também muito famosa pelo menu que oferece apenas um tipo de pizza por dia e que mesmo assim faz filas enormes na porta.

12 thoughts on “The Cheeseboard”

  1. Eu acho que seria muito feliz trabalhando em um lugar assim, nao somente porque eu amo queijos, mas principalmente por se tratar de uma cooperativa. Gosto muito destes seus posts sobre a comunidade local e as coisas boas da vida.
    Beijos,

  2. Céus, esse lugar é um paraíso. Pelo menos pras ratas de plantão que nem eu. Acho que eu ia ficar doidinha sem saber o que provar, mas com certeza ia levar um bocado deles pra casa. Morro de pena de termos uma variedade tão restrita de queijos no Brasil. E olha que eu moro nas Minas Gerais, hein???
    beijo grandão procê, Fer

  3. Que lugar fascinante!!! Eu teria surtos numa loja dessa. Precisaria de vários estômagos p experimentar todos os queijos, pães, etc. E um carrinho de mão prá carregar tudo!!
    beijos

  4. A loja parece linda, mas só de imaginar o cheiro que deve ser lá dentro já perco a vontade. Isso de não gostar muito de queijo deixa-me chateada, mas fazer o quê?… Já o Zé fugiria a sete pés, sem nem tentar! 😀
    Beijão *

  5. Noooooossa, esse eh o paraiso dos queijolatras como eu Fer! Amo queijo, seu passeio deve ter sido, como vc mesma diz, “o fino da bossa”!
    Que vontade de experimentar queijos mil… ja falei q adoro queijo???
    Beijos!
    Ana

  6. Nossa, que invejinha que me deu agora!
    Que lugar bonito e colorido!!!! Combina com o clima do teu blog, por sinal. E cheio de queijos! As fotos estão muito bonitas, parece até que dá pra sentir o aroma de queijos e pão quente vindo delas.
    Um abraço!

Deixe a sua pitada: