Duarte’s Tavern

duartes_tavern_9.jpg
duartes_tavern_2.jpg duartes_tavern_3.jpg
duartes_tavern_10.jpg
duartes_tavern_5.jpg duartes_tavern_6.jpg
duartes_tavern_4.jpg
duartes_tavern_7.jpg duartes_tavern_8.jpg
duartes_tavern_11.jpg duartes_tavern_12.jpg
duartes_tavern_1.jpg

Depois de colher os morangos na Swanton Berry Farm o GPS nos levou até Pescadero para um almoço na Duarte’s Tavern. Chegamos na minúscula cidade e fomos direto para o restaurante, que estava lotado, com muita gente esperando na porta. Colocamos o nosso nome na lista de espera e recebemos o aviso de que teríamos que esperar por 45 minutos. Achei que valeria a pena e para passar o tempo fomos visitar as lojinhas de antiguidades e de artes da rua principal da cidade. A história do restaurante é interessante e começou em 1894 quando o patriarca Frank Duarte trouxe um barril de whiskey de Santa Cruz até Pescadero e vendia as doses em cima do balcão do bar, que ainda é o mesmo. A família Duarte tem tocado o local desde então. Hoje eles têm muitos funcionários, mas os membros da família continuam trabalhando lá. Vimos alguns deles, apressados, servindo pratos, conversando com os comensais.

Nós sentamos no balcão, o que nos poupou alguns minutos de espera. Eu confesso que adoro sentar nos balcões de restaurante! Acho o atendimento mais cuidadoso, não sei o que é. No Duarte’s não foi diferente. Eu levei um tempão pra decidir o que pedir, pois as opções eram imensas, com muito peixe e frutos do mar. Acabei optando por uma sopa de chili verde, que pedi com um pouco de medo, pois as pimentas ainda me assustam. A sopa acabou sendo a melhor escolha, um creme suave e delicado, com uma deliciosa surpresa picante no final. Também pedi um sanduíche de caranguejo, que estava recheadão de carne macia e bem temperada. O Uriel pediu um ravioli de alcachofra. Os pratos com alcachofra são a assinatura do restaurante. Muita gente pedia a sopa de alcachofra, que é bem famosa. Eu bebi um vinho espumante da Mumm Napa, que veio na garrafinha super charmosa. Até o pão estava especial, vindo semi-assado da padaria da outra esquina e terminado de assar nos fornos do restaurante, chegou à mesa quentinho e crocante. De sobremesa dividimos uma torta de morango com ruibarbo que chegou quentinha e derretia na boca. O restaurante é bem simples, mas a comida é de primeira, como também o atendimento extremamente simpático. Saímos de Pescadero felizes da vida e rumamos para Half Moon Bay pela Highway 1, que tem uma das mais belas paisagens daqui do norte da Califórnia.

8 comentários sobre “Duarte’s Tavern”

  1. Adoro estes relatos, Fer! Faz-me voar aos EUA sentar num restaurante típico. Eu também escolheria a sanduiche de caranguejo. Com esse pãozinho, nao tinha como escolher outra coisa! :o)
    Beijo

  2. Como amo pimenta, eu partiria pro abraco – digo, sopa..hehe..Mas akele ravioli de alcachofra tb deve ter feito bonito:))
    Que lugar gostoso, Fer!!
    BJs e um otimo dia;))
    Bri

  3. Hum, não vejo a hora de fazer alguns desses trajetos… estamos até pesquisando a possibilidade de alugar uma pequena RV para pegar a estrada, vai ser o máximo!
    Beijos
    Lud

  4. Adoro viajar de carro edescobrir lugares pitorescos e charmosos. Sempre que viajamos é assim, saímos por aí…é muito bom.
    Quando os donos estão por perto tudo anda melhor, está aí o resultado…casa lotada.
    Bjs!

  5. Fiquei aqui querendo provar essa sopa de chili verde….. Tb adoro balcões de restaurante…..nos deixam mais relax..
    Fer fiz o sorvete como disseste e o resultado foi 100%…merci.
    Bjs.

Deixe a sua pitada: