snifff

Tive uma certa inveja de uma pessoa que conheci anos atrás. Não me lembro exatamente porque, mas ela tinha perdido o olfato. Quando fiquei sabendo disso, imaginei as possibilidades de uma existência sem precisar e poder sentir cheiros. A idéia me conquistou.

Só pra ilustrar, eu tenho uma cara de Ana Magnani que incluí aquele nariz dramático caracteristico. Eu acho que a napa influí bastante na minha habilidade de cheirar, pois muitas vezes tamanho é documento. O nariz não é feio e combina comigo, pois não sou num tipo mignon. Mas o problema é que somado ao narigão, eu tenho um olfato super-hiper sensível e sinto o cheiro de absolutamente tudo.

Muitas vezes estou reclamando de um fedor qualquer e o Uriel está olhando pra mim com aquela cara de patzo, como que não está entendendo o motivo de tanta algazarra. Ele não sente os mesmos cheiros que eu sinto.
E o mundo é um povoado extremamente fedorento. Tem dias que eu penso na mulher sem olfato e desejo ardentemente ser como ela. Assim eu não precisaria cheirar tanto cheiro repugnante. Eu sinto o ar empestiado de bosta de vaca quando o vento sopra de um determinado jeito e traz pro meu lado a caatinga dos estábulos da UC Davis. E é tanto chulé, sovaqueira, bafão. Já passei pelo amargura de trabalhar com alguém que retocava o perfume de gardênia a cada meia hora. E com outro alguém que não depilava o sovaco e não usava desodorante por questão religiosa ou cultural e conviveu dois longos verões comigo. Cheiro de xixi de gato, de cocô de gente, de bodum, de lixo, de comida podre, de naftalina, de gente que cheira estranho—pois não tem gente que cheira estranho? E cheiro de mofo, de revista velha, de garage sale, cheiro de pum, cheiro de cachorro molhado, cheiro de carpete de restaurante, de sabonete vagabundo, de foto velha, de casaco guardado no armário.

Meu olfato é tão aguçado que eu sinto o cheiro das máquinas, dos pistachos, dos computadores, dos laboratórios nas roupas do Uriel. Muitas vezes é tudo tão insuportável, que eu arriscaria perder a capacidade de sentir o cheiro da brisa, da chuva, da terra, do sol, do pão assando e das frutas, flores e plantas, só pra viver confortavelmente na ignorância do quanto esse nosso mundo é fétido!

*este texto foi escrito em 2001 para o The Chatterbox e reciclado para ser publicado aqui.

**disclaimer: eu gosto de escrever e quando tenho uma idéia que acho legal desenvolvo e transformo num texto. acho que dá pra perceber que um texto é apenas um texto, não? eu não quero perder o olfato, nem intenciono fazer uma operação pra isso. tenho muita compaixão pelos que sofrem de alguma incapacidade física, mas isso é um texto, apenas um texto.

31 thoughts on “snifff”

  1. Adoro ter um Olfato aguçado, sentir cheiros é como magia, sentir o perfume daquela pessoa que passa ao seu lado, o aroma delicioso de comidas e bebidas, até mesmo um simples e mortal cheiro de cocô, sim, um aviso de “não pise ali”, creio que isso seja um dom.

  2. Ah, momento curiosidade: você sabia que quem perde o olfato não sente “fome”? Digo, perde boa parte da sensibilidade em comer… o mundo da comida perde toda a magia que o comer traz! =D

  3. Ótimo texto, Fer! Eu também tenho o olfato apuradíssimo, para o bem e para o mal!
    Falando em cheiros eu li um livro ótimo, acho que você vai gostar, é “SABERES E ODORES, O Olfato e o Imaginário Social nos Séculos Dezoito e Dezenove”, do Alain Corbin. (Companhia das Letras, 1987). Vale à pena dar uma olhada!
    Beijos e ótimo domingo!

  4. uma maçã dentro da lancheira de couro, cheiro de manga rosa, melão maduro , sapoti, jaboticaba, cajá, cheiro de terra molhada, de pão assando em casa,o cheiro delicioso do pequi com arroz,um leve cheirinho no ar qdo o vento sopra a tardinha, de dinheiro novinho estralando (eita!) bfs Fah.

  5. o meu olfacto é super desenvolvido e eu adoro.
    lamento quando tenho que cheirar todos esses odores de que fala no seu texto e às vezes fico com dores de cabeça.
    sinto-me compensada com o cheiro do pão quente, com o cheiro da relva acabada de cortar, com o cheiro dos pinheiros quando caminho pela serra, do cheiro de bebé, de alfazema de limões e tangerinas nas árvores……
    um abraço

  6. O, Fer, também sou da turma das narigudas que sentem tudo, com a diferença que não chego aos pés da Ana Magnani, que acho linda. Que texto lindo, parabéns. beijos, n

  7. Ai eu tbe sofro com os cheiros ruins como cigarros, mofos, e certos perfumes, inclusive de algums flores,pois tenho rinite. Mas eu prefiro sofrer com os ruins e poder sentir os bons, como uma casa limpinha, os cheirinhos da natureza, cheiro de cebola e alho dourando na panela entao, ai ai ai – é bom demais da conta…bjucas Fer…

  8. Eu sofro do mesmo mal. Cheiro tudo e todos. Sei qdo a empregada usa algum outro produto na casa, a qtidade que ela usou e qdo ela não passa tb. Sinto cheiros que ninguém sente e às vezes me tiram pra louca por causa disso. Sei o que passas, querida. E eu ainda tenho rinite, ou seja, os cheiros me fazem mal, muito mal. E qto mais atacada da rinite, mais o meu cheirador se potencializa. Eu adorei o teu txt, adorei o espírito de querer deixar de cheirar sem querer isso de verdade. Ontem li numa revista que boa parte do sabor que sentimos nos alimentos está associado ao olfato, ou seja, seria péssimo deixarmos de cheirar. Outra coisa, meu marido tem um senhor nariz e não sente nem 1/3 dos cheiros que eu sinto (e meu nariz é pequequenininho). Ou seja, tem casos em que tamanho não é documento. bj!

  9. Sera que isso e coisa de mulher, Fer? Porque la em casa e a mesma coisa. A gente vai dormir e eu sinto aquele cheiro de cebola que foi frita duas horas antes, no preparo do jantar, e nao consigo dormir. Ele nao sente nada, fica dizendo que eu sou fresca. ahahaha! Ele diz tmabem que eu tenho o habito de “sniffing” o ar do quarto enquanto durmo. Ve se pode…

  10. Fer, meu marido perdeu o olfato de tanto usar remédios pra rinite, às vezes, volta, mas por coisas de 10 minutos e some de novo! O problema é que ele cozinha muito bem, mas é super distraído, então, com frequência tem comida queimando em casa. Por sorte, a Luíza tem um super olfato, acho que como o seu, daí que muitas vezes, ela salva o jantar. A questão é que como toda adolescente, vive no mundo da lua, então já imaginou a combinação, né? Marido sem olfato e filha desatenta – comida queimada! rsrsrs

  11. Olá Fer!!!
    Lembrei de um livro que li com seu texto, já tem até o filme achei muito interessante… Gostaria de humildemente te indicar, será que vc já conhecer???
    O PERFUME – HISTÓRIA DE UM ASSASSINO (PATRICK SÜSKIND)
    Eu tenho ele em doc ser vc quiser posso de manda por e-mail, parabéns pelo site, adoro ver seus gatitos são lindos!!!
    Um abraço muitooo timidooo!!!
    Rosangela

  12. Já pensou em ser “Nariz”? Estive num museu/fábrica de perfumes em frança, e os narizes são muito raros, por isso, está de parabens. E claro, adorei o seu texto.
    P.S.Tenho uma “homenagem” no Tachos, passe por lá. Bom fim de semana.

  13. Tudo têm seu lado positivo e negativo!
    Quando estou em crise com a renite, o que eu quero mais é respirar e sentir tudo. Também concordo com a Nina, pegar um ônibus no fim do dia com pessoas daquele estado era melhor não ter olfato… 😉 Bjos

  14. Fe, melhor um super hiper mega giga olfato do que nada. Cheiro de grama cortando, de mato, DE MAR, cebola e alho dourando, e outros proibidos para menores. mas não estou aqui por isso. Há uma corrente da amizade (imagine visitar estas cozinhas sem olfato) na qual anexei seu site. Sorry se vc já foi anexada, mas não poderia deixar de fazê-lo. E um beijo no nariz, marcia

  15. Eu também sinto odores em demasia, a pessoa pode estar fumando a distância que eu já estou torcendo o nariz, mas pense no lado bom, é o olfato que nos ajuda no paladar, se não tivermos olfato o cheiro maravilhoso das cozinhas jamais poderia ser sentido. O bom compensa o ruim!

  16. Fernanda, o meu olfato é bem fraquinho, eu quase não sinto cheiro das coisas e na verdade eu adoro ser assim na maioria das vezes. Não gosto de sentir o cheiro de certas coisas, inclusive coisas que gosto de comer, como o leite. Se alguém perfumado passa por mim, eu não sinto o aroma, só sinto o álcool, por isso não curto perfume e adoro sabonetes, principalmente com cheiro de frutas, que é meu aroma favorito (apesar de não ser muito de comê-las, rs). Ô complicação, hehehe. Beijinhos!

  17. 😉
    Bri, seu nariz combina muito bem com voce.
    eu tenho mania de falar do meu narigao, mas tenho maos e pes minusculos. calço 38, com 1,78m. por isso sou tao desajeitada.
    nisso nem o nariz ajuda a salvar o equilibrio! 🙂
    beijooo,

  18. Querida Fer, no meu caso, o narigao eh inversamente proporcional..hehe..tem horas que funciona e muitas que nao..vai ver que pra mim esta tudo akih, oh {cabeca}..
    :))
    Bjs
    Bri

  19. Eu sou super sensível a cheiros e muitos me dão dor de cabeça no ato(cigarro,perfumes,etc), quando morava na Alemanha era um suplício entrar no metrô ou trem no inverno,tudo hermeticamente fechado e um fedor de “asa”(como dizemos aqui no sul) insuportável. E o pior, no verão a asa continua firme e forte porque aí é calor…tinha nesta época dores de cabeça homéricas! Mas calma Fer, é tão bom sentir o cheiro do que é bom que para mim já estou no lucro! Do fedor posso passar batido,quase sempre,beijão prá ti!

  20. Fezoca, tente pensar no lado bom de ter o olfato apurado. Antes de sentir no paladar, comemos com olhos e olfato. Tenho um amigo que sofreu em acidente de carro e bateu a cabeça, não exatamente qual área do cérebro afetou, mas ele perdeu o olfato, e engordou, muuuuuuito, não sentia saciedade, começou a comer tudo o que via pela frente. Agora ele está melhor, faz 5 anos que está em terapia para reequilibrar o organismo/mente.
    Concordo que pegar um ônibus no fim do dia com um monte de gente sem banh e com roupa necessitando sabão é triste. Mas acho mais triste perder o olfato. Imagino que seria estranho chegar no hall do apartamento da minha mãe num fim de semana, e não perceber que ela fez um super prato para mim apenas pelo cheiro!
    E pisar em cocô na rua à noite, não sentir o cheiro e entrar na casa do amigo pisando no tapete de boas vindas! Vixe!
    Uma argentina, chamada Ines Berton, quando adolescente quis operar pq não aguentava os odores que sentia por ai. Ela tem um super olfato. Desistiu da operação e tentou ser perfumista, mas não aguentou a química. Então resolveu ser especialista em chás! E hj é respeitada na área pelo olfato aguçado.
    bjos.

  21. Também sofro dessa doença crônica. Sou altamente discriminada pelo hábito de sentir o cheiro antes dos outros, ou seja, do que está para acontecer. Como sinto cheiros inodoros (para outras criaturas), é sinal que algo pode estar errado, os outros ainda não pressintiram, e em algum momento, a “bomba” pode explodir… e, claro, alguém, será “culpado” e convidado a consertar o erro. Cheiro ruim, na maior parte das vezes, sinaliza – mil desculpas pela expressão – uma cagada, algum desatre, uma maldade, coisa mal feita, estragada, derramada. Corrupção, então, está na lista tb. Eca!

Deixe a sua pitada: