as pessoas nos restaurantes

Fomos jantar no grego que faz a salada mais honesta da cidade. Chegamos cedo e enquanto caminhávamos no estacionamento vimos duas senhoras entrando no restaurante. Uma delas era bem velhinha, ou a menos parecia, toda curvadinha. Meu marido brincou dizendo, olha a velhinha já passou na nossa frente, vamos correr! Nesse restaurante a gente sempre espera um pouquinho pra sentar, especialmente nos finais de semana. Até que não esperamos nada para sentar, mas esperamos muito para alguém finalmente pegar nosso pedido e a comida chegar. Com a volta das aulas, os restaurantes voltam a encher e ontem o grego estava particularmente lotado! Ao nosso lado uma mesa com um pessoal falando extremamente alto, tão alto que estava nos incomodando. E discutiam política. Troço mais chato, discutir num tom tão elevado um assunto que gera tanta controvérsia. Do outro lado uma família enorme com vários adolescentes comendo muito. Virava e mexia ouvíamos uma comoçao, um woooowww geral, viámos um clarão de chamas e sentíamos um cheiro bom de queijo derretido – era um prato de queijo flambado com uma bebida álcoolica que da próxima vez que formos lá eu vou pedir. O restaurante estava aconchegante, pedi um vinho super gostoso, a salada que eu adoro, a comida estava muito boa. Quando as mesas que nos rodeavam finalmente se esvaziaram, eu pude ver as duas senhoras que chegaram na nossa frente. Fiquei observando as duas quietinhas comendo, a mais velhinha ainda vestindo seu casaco de capuz, toda curvadinha e mirradinha pediu pra garçonete colocar o resto do seu prato numa caixinha, a mais nova depois olhava a conta, examinava tirando e colocando os óculos bem séria, enquanto a outra falava umas coisinhas. Fiquei hipnotizada pela visão das duas e de repente meus olhos começaram a encher de lágrimas, e tive que pegar o guardanapo para secá-las, disfaçadamente para ninguém perceber que eu estava chorando – e chorando sei lá por que. Estou sempre pagando esses micos em público e por motivos geralmente inexplicáveis.

5 thoughts on “as pessoas nos restaurantes”

  1. Quem mandou beber vinho?Ás vezes dá pró sentimento.LOL!
    Eu também sou assim, emociono-me com pequenas e também inexplicáveis coisas. Outras vezes fico impávido e sereno com coisas que emocionam outras pessoas.

  2. Fer, a visão de velhinhos, estejam eles alegres ou tristes, sempre me comove. E quando encontro algum velhinho vendendo alguma coisinha, com aquele olhar tímido entre as rugas do rosto, meu deus, eu compro tudo, seja lá o que for. 🙂

  3. Fer, nao e mico ser sensivel 🙂 Esse queijo em chamas e gostosinho, se nao me engano a bebida alcoolica que eles colocam e brandy. Quando a gente ia nos restaurantes gregos em Detroit sempre pediamos; mas era mais pela farra do que pelo queijo em si!

  4. fer, sou extremamente emotiva.
    choro horrores, por muito pouco. :/
    mas a respeito das senhorinhas, quando eu vejo pessoas idosas, geralmente me dá um aprto no coração…
    fico imginando, como o tempo é cruel. hoje sou jovem e ativa… e amanhã, uma senhorinha vulnerável e dependente. 🙁

  5. Fer, eu sou assim como você…vira e mexe fico toda mellow…é uma propaganda na TV, uma foto, uma música, uma cena tipo essa que vc descreveu, ou até um cheiro. Quer saber, não acho mico, não…Prova que nosso coração tá lá dentro do peito, batendo de verdade. Um beijo!

Deixe a sua pitada: