the scrapbook

mfkfscrapbook1.JPG
mfkfscrapbook2.JPG
mfkfscrapbook3.JPG
mfkfscrapbook4.JPG

O scrapbook de fotos de M.F.K. Fisher me deu uma idéia geral da vida dessa mulher, por quem eu ando totalmente fascinada. Por isso é capaz de eu ficar um pouco monónota, batendo na mesma tecla e voltando toda hora no mesmo assunto. Mas pra mim isso é necessário, pois preciso escrever sobre as coisas que me interessam, mesmo que eu corra o risco de virar uma chatonilda repetitiva.
Fisher foi uma mulher inteligente, linda, elegante e engraçada. Escrevia muito bem e por isso traduziu suas experiências e descobertas culinárias em histórias interessantes. Ainda nem arranhei a superfície da quantidade de material bacana que ela produziu. Na introdução de The Art of Eating, uma de suas filhas conta que a ouvia teclar de madrugada na máquina de escrever e diz que o barulhinho da mãe escrevendo lhe proporcionava um conforto acolhedor. Eu me identifico com a maneira de Fisher encarar a culinária e a gastronomia sem arrogância e sem firulas. Como aqueles famosos gomos de tangerina que ela secava no calor do aquecedor do hotel, e que transformaram-se numa iguaria inigualável. Ou os pequenos quadradinhos de chocolate, que ela conta ter comido acompanhados de uma fatia de pão num dia frio e tedioso num bosque na Bavária, e que ficou na memória como um dos melhores momentos gastronômicos de sua vida.
* as fotos são clicáveis e ampliáveis.

7 comentários sobre “the scrapbook”

  1. Fer,
    Realmente esse livro da Fisher… que fotos! Você acertou sobre um texto sem firulas: enxuto e preciso. Sua figura tinha um ar de nobreza, de dignidade, numa figura campesina, extremamente forte.
    Eu vou adorar saber mais sobre a Fisher, portanto sinta-se à vontade!
    Um abraço,
    Tania Machado

  2. Seu blog é tudo de bom. Espero voltar sempre aqui. Vc tem um jeito muito especial de escrever. Me deu até vontade de colecionar livros de culinária. Anna Maria – MG – Braisl

  3. Oi, achei teu blog esta semana e estou gostando muito, todo dia venho aqui te ler. Me deu até vontade de ler este livro, me senti como se estivesse folheando o dito cujo. bjs

Deixe a sua pitada: